Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







28 de ago de 2011

3º TRIMESTRE DE 2011 - LIÇÃO Nº 10 - 04/09/2011 - "A ATUAÇÃO SOCIAL DA IGREJA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 10 - DATA: 04/09/2011
TÍTULO: “A ATUAÇÃO SOCIAL DA IGREJA”
TEXTO ÁUREO – Mt 25:34-36
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Is 58:6-8, 10-11; Tg 2:14-17
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com



I - INTRODUÇÃO:

· A Igreja de Cristo tem trabalha­do com grande afinco e denodo na tarefa de evangelização dos perdi­dos. Não obstante a Igreja prosseguir na sua tarefa principal, depara-se com o enorme desafio de atuar no ministério de compartilhamento com os menos favorecidos. Vejamos, pois, as bênçãos e o galardão de Deus para a igreja que exercita misericórdia para com os necessitados.

II - OS CRISTÃOS POBRES DE JERUSALÉM:

· Leiamos Rm 15:25-29.

· (1) - O PAPEL DA IGREJA NA SOCIEDADE - I Cor 10:31 - O objetivo principal da Igreja é glorificar a Deus. Alguém pode perguntar: "A tarefa principal da Igreja não é a evangelização?" A resposta é afirmativa. Isso, porém, é consequencia do glorificar a Deus. A atividade da Igreja se direciona em dois sentidos:

· (A) - VERTICAL — adoração, autoridades espirituais;

· (B) - HORIZONTAL — servir ao próximo, atividades filantrópicas e sociais. Por isso Deus estabeleceu ministérios na Igreja.

· (2) - O RECONHECIMENTO DOS GENTIOS - Rm 15:227 - Os gentios deviam se sentir endividados espiritualmente com os judeus; afinal Jerusalém era a igreja-mãe. Os gentios tinham apreço especial pelos irmãos judeus de Jerusalém.

· (3) - JERUSALÉM E SUAS NECESSIDADES - Agora, a igreja de Jerusalém padecia necessidades. O apóstolo Paulo era um homem muito cuidadoso. Tudo que fazia, o fazia com dedicação e empenho (Ec 9.10). Seu cuidado com as igrejas não se res­tringia apenas ao plano espiritual. Paulo, sabendo dessa necessidade, levantou ofertas na Macedônia, na Acaia (Rm 15:26; II Co 8.1), em Corinto e na Galácia (l Co 16.1-3; 2 Co 8.6-11; 9.1-5), para suprir as necessida­des dos irmãos pobres de Jerusalém.

· (4) - OBJETIVO DE PAULO - O apósto­lo Paulo via a necessidade de unir as igrejas gentias com a de Jerusalém. Os gentios ainda eram vistos com suspeitas por causa dos costumes judaicos. Essa oferta era um gesto espontâneo baseado no amor fraternal, e com isso levava os gentios a reconhecerem sua dívida espiritual com Jerusalém. Não era uma inovação, pois, cerca de 11 anos an­tes, juntamente com Barnabé, Paulo levou uma oferta para os necessita­dos de Jerusalém (At 11.30).

III - A NECESSIDADE ATUAL:

· MINISTRAR OS SANTOS - Rm 15:15 - Essa expressão diz respeito ao ser­viço social prestado pelo apóstolo aos irmãos pobres de Jerusalém. Ministério significa serviço. Deus incluiu entre os ministérios dados à Igreja, o serviço social (Rm 12.8); depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas" (l Co 12.28).

· (2) - MAZELAS SOCIAIS - Mc 14.7 - Hoje se fala dos meninos e meninas de ruas juntamente com os idosos abandonados, da prostituição infantil, das freqüentes invasões de terra, do desem­prego e de outras mazelas. O que a Igreja tem feito para aliviar o sofri­mento dessa gente? É bom lembrar que desde o princípio do mundo que os trabalhos filantrópicos estiveram sempre ligados à religião (Tg l .27).

· (3) - PÃO PARA QUEM TEM FOME - I Jo 3:17 - Não podemos ficar alheios ao sofri­mento do próximo. Con­vém lembrar que uma cesta básica não resolve o problema do pobre. O problema é resolvido à medida que essas pessoas forem absorvidas no mercado de trabalho, ganhando seu pão com o suor do seu rosto. A ces­ta básica é um paliativo até que es­sas pessoas consigam emprego. O que não se deve é despedir sem nada o necessitado. Tiago chama esse procedimento de fé morta (Tg 2.14-17).


IV - A FILANTROPIA NA BÍBLIA:

· (1) - FILANTROPIA sig­nifica "humanitário, amigo da humanidade". Ora, se os que não têm esperança estão sempre dispostos a ajudar a seu próxi­mo, por que não nós, que somos fi­lhos da luz? O cristão tem inclinação para ajudar os pobres e necessi­tados, porque ele é "participante da natureza divina" (2 Pe 1.4).

· (2) - DESDE MOISÉS - O assunto da filantropia vem desde Moisés e per­passa toda a Bíblia. Jesus deu o exemplo de filantropia numa época em que não havia infra-estrutura e nem organização estatal. Quando falamos de trabalhos sociais e filantrópicos queremos mostrar as várias maneiras pelas quais a Igreja procu­ra socorrer os pobres nas suas neces­sidades. Como o pecado é a causa primária dessa miséria, enquanto o mundo subsistir, estas coisas estarão presentes.

· (3) - NO CRISTIANISMO - Não demo­rou muito para que os serviços soci­ais surgissem na Igreja. Os apósto­los delegaram esses trabalhos aos ir­mãos vocacionados, de boa reputa­ção, cheio do Espírito Santo e de sa­bedoria. Os apóstolos deram assim importância a essa atividade, não ficando alheios aos problemas dos necessitados. Isso está muito claro em Atos 6.1-6, quando houve a separação de crentes para o diaconato, a fim de servirem nesse ministério.

V - AS BÊNÇÃOS DE DEUS:

· (1) - COMUNICAR E COMUNICAÇÃO - O apóstolo Paulo costuma usar o verbo "comunicar" ou o substantivo "comunicação" com referência ao ato de o cristão compartilhar o que tem com os demais (2 Co 8.4; Fp 4.15). A Versão Almeida Atualizada usa o verbo "associar". Isso diz respeito à ajuda aos necessitados (Hb 13.16) e também à ofertas ou ao sus­tento missionário (Fp 4.15).

· (2) - DEUS PROMETE RETRIBUIR - II Cor 9:8-12 – Quem ajuda ao necessitado, Deus o abençoa. Temos a promessa de Deus de uma boa colheita – salário abençoado. Por isso, Jesus disse que é melhor dar do que receber (At 20.35). Jesus garantiu que quem assim faz, de maneira nenhuma perderá o seu galardão (Mt 10:42).

· (3) - A OMISSÃO DESSA RESPONSABILIDADE É PECADO - Deus abençoa, tanto no sentido espiritual como no material aos que ajudam os necessitados. Ele aumenta os bens materiais para que também aumente as condições de ajuda aos necessitados. Quem dá ao pobre empresta a Deus (Pv 19.17). Qualquer omissão diante desta responsabilidade espiritual, pesa sobre a Igreja e pode resultar em graves consequencias. A Bíblia diz que o "que retém o trigo, o povo o amaldiçoa" (Pv 11.26).

· (4) - A CARIDADE FRATERNAL - Infelizmente ainda há igrejas que continuam insensíveis às necessidades do pobre e aos serviços sociais. Dão muita ênfase à guerra espiritual, ao mundo invisível, mas não se importam com o mundo visível. Não devemos nos esquecer da hospitalidade, dos presos e dos maltratados Hb 13.1-3).

VI - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

· A generosidade cristã não deve restringir apenas aos trabalhos filantrópicos. Deve ser extensivo ao trabalho de Deus, nos dízimos e nas ofertas, para a expansão do reino de Deus. A obra do Senhor se faz com recursos financei­ros - dízimos e ofertas -, e com os milagres. A igreja de Filipos tinha essa visão e não se esqueceu do após­tolo Paulo. O apóstolo ficou deve­ras agradecido aos filipenses pela lembrança e pela ajuda (Fp 4.14-19).

FONTE DE CONSULTA:

· Lições Bíblicas – CPAD – 2º Trimestre de 1998 – Comentarista: Esequias Soares

21 de ago de 2011

3º TRIMESTRE DE 2011 - LIÇÃO Nº 09 - 28/08/2011 - "PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 09 - DATA: 28/08/2011
TÍTULO: “PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA”
TEXTO ÁUREO – II Cor 11:3
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: At 20:25-32
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/



I - INTRODUÇÃO:

. At 20:28b; Ef 2:1 - Jesus Cristo não morreu para comprar terras nem edifícios, mas para resgatar homens e mulheres que estavam mortos em delitos e pecados, dar-lhes salvação e a esperança da vida eterna. Logo, a verdadeira Igreja, no sentido espiritual, é formada por aqueles que ouviram e creram na Palavra de Deus; por aqueles que, pela fé, foram lavados pelo sangue de Jesus e transformados pelo poder do Espírito Santo, mudando radicalmente de vida e submetendo-se aos mandamentos divinos.



II – SENTIDOS DA PALAVRA “IGREJA”:

. O vocábulo EKKLESIA significa, basicamente, OS CHAMADOS PARA FORA, dando a entender um grupo distinto, selecionado e TIRADO PARA FORA DE ALGO.

. Faz-nos pensar na chamada de Jesus aos pecadores perdidos (Mt 9:13; Lc 19:10; Fp 3:14; I Cor 1:9), tirando-os das trevas, do mundo e da geração perversa (Cl 1:13; Jo 15:19; At 2:40).

. A finalidade desta CHAMADA PARA FORA é para que sejamos o povo de Deus; um povo Seu, especial, zeloso de boas obras; uma geração eleita, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo adquirido e um povo para o Seu nome (II Cor 6:14-18; Tt 2:14; I Pe 2:9; At 15:14).



III - CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA QUE POSSIBILITAM SUA IDENTIFICAÇÃO:

. A Igreja é um organismo vivo. Sendo assim, ela atua em nome de Jesus e sob a orientação do Seu Espírito, possuindo características que venham possibilitar sua identificação. Vejamos algumas delas:

. (1) – JESUS - A PRIORIDADE DA IGREJA - Vivemos numa sociedade, onde a grande prioridade é ter, possuir. O mercado tornou-se uma grande divindade. Alcançar o bem material desejado torna-se uma grande compensação. As Igrejas se rendem a ele. A salvação é a prosperidade, é o possuir um negócio próprio, uma casa, um carro. Dificilmente conseguimos ouvir testemunhos contemporaneos sobre a genuína alegria de encontrar Cristo e a esperança da eternidade com Deus. Ao contrário, está tudo descrito em bens materiais. Jesus é instrumentalizado para o consumo, e, com isso, Deus, também, foi posto ao serviço do mercado. Está certo isso? Estaria salva uma pessoa que, tendo aceitado Jesus, continuasse desempregada? Segundo algumas teologias, a resposta seria não.

. A salvação, no Evangelho, pode representar a renúncia às posses, como foi no caso de Zaqueu - Lc 19.8-9 -. Zaqueu perdeu a riqueza para ganhar a Cristo e a Salvação. O contrário do jovem rico - Lc 19.18-23. Assim, a salvação está relacionada à afirmação de Jesus no Sermão do Monte - Mt 6.33.

. Não há Igreja sem Jesus! Em tempos de modismos doutrinários, é decisivo ensinar: “Cristo, o Salvador, é o fundamento da Igreja". Devemos seguir o ensino do Mestre, conforme viveu Paulo - Gl 2:20. Isto é, Jesus é prioridade: nossa fé deve estar centrada nEle; nossos valores devem ser orientados por Seu Evangelho; devemos viver uma viva dependencia de Sua graça salvadora. Estes são caminhos da salvação e o único modo de ser Igreja de Jesus. Desta forma, estaremos preservando a identidade da Igreja.


. (2) - A IGREJA DEVE VALORIZAR, RECONHER E ESCOLHER A CRUZ - A cruz é uma realidade. Ainda que alguns tentem escondê-la, ela é o maior símbolo do Cristianismo.

. Hoje, há tentativas de transformar a fé cristã numa religião da negação do sofrimento, da exaltação, do prazer e da prosperidade. Mas o Cristianismo, embora considere alegria, prazer, prosperidade, frutos da vida cristã, não tem vergonha da cruz; pelo contrário, a considera o poder de Deus. Afinal, foi esta a ordem de Jesus: Lc 9.23-24 -. Não escolher a cruz, nos termos das palavras de Jesus, é escolher o mundo, é perder a verdadeira vida.


. (3) - IGREJA - UMA COMUNIDADE FRATERNA - At 2:42, 44 - Estas expressões marcam definitivamente o modo de ser fraterno da Igreja.

. Temos sido ameaçados por uma visão que tem se tornado hegemônica no meio neo-evangélico brasileiro, a qual tenta implantar uma Igreja que, ao invés de ser uma família, onde todos buscam se conhecer, amar e apoiar-se mutuamente, por uma Igreja rodoviária, onde multidões chegam e a maioria não se conhece, ficam pouco tempo ali, e, em seguida, partem por diferentes caminhos, para destinos desconhecidos.

. As Igrejas precisam ser uma comunidade fraterna e terapêutica. As pessoas estão carentes de atos de amor. É nossa vocação propiciarmos um espaço de acolhimento que seja restaurador da dignidade humana e da criação de Deus, desfigurada pelo pecado.


. (4) - IGREJA - LUGAR DE COMUNHÃO E UNIDADE - Jo 17 - Da experiencia da multiplicação dos pães ao quadro da última Ceia, a vida de Jesus é um constante apelo à solidariedade, comunhão e serviço mutuo em amor.

. Ser uma comunidade cristã é, antes de tudo, a grande ênfase e tarefa. Devemos mostrar que é possível construir uma comunidade fraterna e voltada para o apoio mutuo. Não podemos ser uma comunidade, onde irmãos se destroem e se devoram mutuamente (Gl 5.15). Isso é um escândalo para o Evangelho. Temos que tomar em consideração e exemplo a vivencia expressa pela comunidade cristã primitiva. O testemunho de Atos 2.42-47 nos mostra uma comunidade, onde a dor, a alegria, a refeição, a necessidade, enfim, tudo era compartilhado. Eram, de fato, uma família de fé, unidos pelo amor. Essa ênfase põe, à luz do dia, a necessidade da ligação, do relacionamento, conhecimento entre as pessoas da comunidade e se traduz em amor a Deus e ao próximo, de tal forma que um condiciona o outro - Fp 1.9 cf Mt 22.37-40; Jo 2.9-11.


. (5) - IGREJA - AGENCIA DO CÉU NA TERRA - Agencia é uma instituição que trata de assuntos específicos ou prioritários. Há agencias de carros, de moda, de noticias etc. E qual é o seu assunto prioritario da Igreja? É o Reino de Deus; um reino governado por Deus e que jamais terá fim - Lc 1.33. - A Igreja de Jesus está na terra para promover e implantar o Reino de Deus.

. A prioridade da Igreja é evangelizar, anunciar que Jesus Cristo veio libertar e salvar o homem. Mas se ela inverter essa prioridade deve preparar-se para perder valor e objetivo. É muito bom a Igreja realizar trabalhos assistenciais em colegios, orfanatos, hospitais e nas ruas, com mendigos. Fazer caridade é bíblico; as boas obras demonstram a fé que abraçamos; é consequencia dela! Mas qual foi a ordem que Jesus deu a Seus discípulos? – “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” - Mc 16.15 -. A Igreja deve estar em todos os segmentos da sociedade, porém ela está neste mundo para estabelecer o Reino de Deus na terra. Se a Igreja perder o foco, perderá valor e o objetivo. Este é o assunto prioritario da Igreja.


. (6) - IGREJA - COLUNA E BALUARTE DA VERDADE - I Tm 3:15 - No original grego, a palavra traduzida como coluna é "stulus", pilar, uma das estruturas que sustenta um edifício; e o termo traduzido como baluarte é "edraioma", apoio, esteio, alicerce (daí a ideia de lugar seguro, fortaleza inexpugnável). Como coluna e baluarte da verdade, a Igreja deve abrigar, apoiar e sustentar a verdade revelada na Palavra de Deus.

. Logo, para ter sua identidade preservada, a Igreja...:

. (A) - DEVE GUARDAR-SE DOS FALSOS PROFETAS - O cristão bem instruído na Palavra, sabe que de fato Deus fala, revela, usa as pessoas com dom de profecia. Mas está atento ao ensinamento dos apóstolos João e Paulo - I Jo 4:1; I Cor 14:29-31, 33.

. O que sustenta a Igreja do Senhor é a Palavra. Ela é a maior profecia. Leiamos a Bíblia. Conheçamos o verdadeiro Deus. Sejamos submissos a Ele com amor e temor. Só assim não daremos ouvidos a falsos profetas e a falsos ensinos, contrários à Palavra de Deus.

. (B) - NÃO DEVE CONCORDAR COM HERESIAS - A Igreja, como coluna e baluarte da verdade, não pode dar lugar a heresias e a deturpações da Palavra de Deus. O evangelho é simples. Não podemos admitir que heresias venham atrapalhar a pregação do evangelho genuíno.

. A Igreja é a única organização neotestamentaria reconhecida na Bíblia. Ela deve pregar com simplicidade e temor a Deus o Evangelho de Cristo. Sendo assim, desconfiemos de grupos independentes que preguem uma visão propria das Escrituras, com base em novas "revelações", pois em sua maioria trata-se de heresias. Atentemos para o ensinamento de Paulo à Igreja na Galácia: Gl 1:7-9.

. (C) - DEVE GUARDAR-SE DA HIPOCRISIA - Se a Igreja é coluna e baluarte da verdade, não é possível haver hipocrisia dentro dela. E o que significa hipocrisia? Fingimento, simulação, falsidade, impostura. Hipócrita é aquele que se passa por aquilo que não é e disfarça o que está em sua essencia - Mt 23:27; Mc 8:15.

. Muitas pessoas desejam mostrar que são mais santas do que as outras. No fundo, estão querendo esconder alguma falha grave. Quem é muito santo não precisa dizer que é. As pessoas ao redor percebem o seu compromisso com Deus e a sua integridade. Não é necessário fazer tipo - I Sm 16:7b

. Há cristãos que dentro da Igreja louvam, participam das atividades, tem carteirinha de membro, mas quando saem da Casa de Deus levam a namorada para o motel, mentem, fazem fofocas, intrigas e gostam de posar de santo. Eles não abandonam a vida de pecado e devassidão, vivem um falso cristianismo, pois não tem real compromisso com o Senhor. São falsos cristãos, pois vem para o evangelho como estão e continuam do mesmo jeito ano após ano.

. Muitos se dizem cristãos, mas estão amasiados com uma mulher do trabalho. Todo mundo sabe, inclusive a liderança, mas ninguém toma providencias, porque o que interessa são os dízimos e as ofertas consideráveis que o "irmãozinho" dá. Antes da ceia, a pessoa pede "perdão" a Deus, sabendo que permanecerá em pecado, mas não muda de postura.

. Tem muita gente dentro da Igreja levando uma vida dupla. Espiritualmente, isto é uma evidencia não apenas de doença psico-emocional, mas também de falta de libertação, de jugo de Satanás sobre a pessoa. Afinal, o diabo é o pai da mentira; é aquele que calunia e joga um contra o outro. Para preservar sua identidade, a Igreja não pode aceitar tal jugo!


IV - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

. A Igreja foi e sempre será Corpo de Cristo, agencia do Reino de Deus nesta terra, coluna e baluarte da verdade, um instrumento poderoso na mão do Senhor para promover o evangelismo, a libertação, a cura e a salvação de muitas almas. Ela está fundamentada sobre a Pedra Angular, que é Cristo! Ele vive e reina para sempre e irá desposar uma Noiva pura e incontaminada, que comprou e purificou com o Seu sangue. Esta é a Igreja verdadeira que viverá para sempre com o Senhor! Uma Igreja que luta para preservar sua identidade.


FONTES DE CONSULTA:

1) Teologia Sistemática - Doutrina da Igreja e dos Anjos - Edições CPAD - Autor: Eurico Bergstén

2) Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia - Volume 1 - Editora e Distribuidora Candeia - Autor R. N. Champlin e J. M. Bentes

3) O Que a Igreja Não Pode Deixar de Ser - Editora Central Gospel - Silas Malafaia

4) Estudo Bíblico “A Igreja que somos à Igreja que precisamos ser” - Bispo Paulo Lockmann




14 de ago de 2011

3º TRIMESTRE DE 2011 - LIÇÃO Nº O8 - 21/08/2011 - "IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 08 - DATA: 21/08/2011
TÍTULO: “IGREJA – AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE”
TEXTO ÁUREO – Mc 2:17
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Mc 2:13-17; At 2:37-41
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br


I - INTRODUÇÃO:





. A vida cristã implica em não afastar-se do mundo, mas em ser fiel a Deus diante das pressões oriundas da sociedade.


II - OS REFLEXOS DA VIDA CRISTÃ NA SOCIEDADE:





. Leiamos o Salmo 1.

. (1) - A VIDA CRISTÃ NÃO SIGNIFICA ISOLAMENTO DO MUNDO - Isso contraria a própria criação, pois o homem é, por natureza, um ser gregário que se realiza no exercício da solidariedade e do companheirismo. É tanto, que a primeira iniciativa de Deus, ao criá-lo, foi providenciar-lhe também uma companheira - Gn 1:28.

. Por sua vez, Jesus deixou claro o mesmo conceito em Sua oração sacerdotal - Jo 17:16.

. Ou seja, é no mundo, rodeado pela sociedade, que o crente exercerá a sua influencia transformadora, sem, todavia, deixar-se corromper pelo mal.

. Como, então, se interpreta o Salmo 1:1, à luz deste princípio:

. (A) - Ele estabelece o contraste entre a vida do cristão e a do ímpio, ambos vivendo no mesmo espaço geográfico; e

. (B) - Aponta a linha de conduta do salvo nesta convivencia: ele não se submete à influencia danosa do ímpio, não se associa com os seus pecados, nem se dispõe a tornar decentes ou honestas suas atitudes escarnecedoras.


. (2) - A NOVA VIDA EM CRISTO REQUER TESTEMUNHO PESSOAL - Sl 1:3 - Entra aqui, novamente, um princípio biológico, por vezes repetido na Palavra de Deus. A árvore que não produz fruto, não está cumprindo o seu propósito. Por conseguinte, os frutos testemunham se a árvore é de boa ou má qualidade - Mt 7:16-20; Jo 15:1-2.

. No plano espiritual, faz parte da vida cristã, através do testemunho pessoal, produzir frutos de excelente qualidade que revelem à sociedade o caráter regenerador do novo nascimento. E ele o fará na estação própria, isto é, em cada circunstancia da vida terá uma reação adequada que corresponda à natureza da sua nova vida.


. (3) - A NOVA VIDA REFLETE NA SOCIEDADE - O terceiro desdobramento da nova vida em Cristo é que seus reflexos se projetam na sociedade.

. Já vimos, em aulas anteriores, que uma das propriedades do sal, que simboliza a ação do crente na terra, é preservar o alimento da deterioração - Mt 5:13 -. Pequena quantidade do produto é suficiente para afetar milhares de grãos numa panela.

. Da mesma forma, cabe à Igreja ensinar aos seus membros que suas ações terão o efeito de contribuir para o bem dos que o cercam, pois, "tudo quanto fizer prosperará". Seus atos terão a marca do respeito, da sinceridade e da solidariedade cristã.


III - VIVENCIANDO A VIDA CRISTÃ NA SOCIEDADE:





. (1) - TORNANDO-SE BÊNÇÃO NO LAR - O núcleo onde o novo crente manifesta os primeiros efeitos da nova vida em Cristo é o lar. Não pode haver dois tipos de comportamento, um para fora e outro para dentro do lar. Onde estiver a luz, aí estará o brilho da sua presença.

. É preciso evitar, todavia, que, por consequencia do legalismo, ensine-se, por exemplo, uma visão desfigurada do casamento, dificultando, com complexos de culpa, uma relação não só ordenada e abençoada por Deus, mas que é, também, a maior expressão física da união entre Cristo e a Igreja. A união dos cônjuges é a sublimação máxima do amor e deve ser exercida em toda a sua plenitude, pois assim a Bíblia o recomenda - Ef 5:22-31; Hb 13:4.

. O outro ponto a ser realçado é que o relacionamento dos pais com os filhos é uma via de mão dupla: A Bíblia ensina os filhos a obedecerem os pais, mas também estes são admoestados a não os provocarem a ira - Ef 6:1-4.


. (2) - TORNANDO-SE BÊNÇÃO NO TRABALHO - O patrão convertido, não explora os empregados - Tg 5:1-6 -; não sonegará os impostos - Mt 17:24-27; Lc 20:21-25; Rm 13:7 -; e dará tratamento justo aos clientes.

. O trabalhador, por sua vez, não subtrairá o tempo do trabalho, não negligenciará suas responsabilidades e trabalhará como se estivesse fazendo para o Senhor - Ef 6:5-9.


. (3) - TORNANDO-SE BÊNÇÃO EM QUALQUER LUGAR - Além do lar e do trabalho, os efeitos da vida em Cristo se fará sentir em qualquer lugar onde estiver o crente. Eles se manifestarão no tipo de linguagem, lugar que frequenta, amizades que cultiva e atos que pratica. Isso inclui também as finanças, o relacionamento com o sexo oposto, os negócios e a palavra empenhada, de modo que o seu comportamento não produza escândalo de qualquer especie, em qualquer lugar.

. I Cor 10:32 - Esta recomendação do apóstolo Paulo incluiu, em sua advertencia, os três povos da Bíblia: JUDEUS, GREGOS (GENTIOS) e a IGREJA DE DEUS. Por quê?

. (A) - Porque dos judeus veio a Palavra;

. (B) - Porque os gentios receberam a Palavra; e

. (C) - Porque a Igreja é o povo da Palavra.

. Portanto, o simbolismo embutido nesta passagem bíblica é o de que o cristão deve ser cumpridor da Palavra, onde quer que esteja - Tg 1:25.


IV - AS RESPONSABILIDADES DA IGREJA PARA COM A SOCIEDADE:





. (1) - REVELAR A DEUS E A SUA VONTADE - Deus estabeleceu a Igreja na terra para que possa nela habitar e por ela tornar-se conhecido da sociedade. Sua presença deve ser marcante entre os membros da Igreja, de tal modo que a sociedade possa vê-Lo e conhecê-Lo - At 11:26

. A Igreja não pode falhar em sua missão, pois dela dependem milhões de almas. É através dela que muitos membros da sociedade são detidos em sua caminhada para a destruição, e encontram paz e segurança em Jesus Cristo - Ef 3:5


. (2) - SARAR AS FERIDAS DA SOCIEDADE - O pecado assemelha-se a uma terrível doença - Is 1:5-6, e esta alastra-se como uma lepra cruel, atingindo com rapidez todo o corpo, alma e espírito do homem, que, por sua vez, contamina os que estão a sua volta - Rm 1:18-32; 5:2 -. O pecado enferma o homem e, por fim, o leva à morte - Rm 6:23.

. Entretanto, a Igreja possui o Deus que sara a alma (Sl 41:4), o corpo (Sl 10:3) e o espírito (Is 53:5).

. A Igreja é capacitada com poder sobrenatural para operar sinais e prodígios entre o povo - At 5:12-16; 8:6-7. Os dons de curar confiados por Cristo à Igreja, são variados, poderosos e sobrenaturais. Só a Igreja pode possui-los, pois os recebeu do Espírito Santo - Jo 14:16-17.


. (3) - ABENÇOAR A SOCIEDADE - Sl 33:12 - Com esta expressão, entendemos que uma das principais responsabilidades da Igreja no meio da sociedade é influenciá-la de tal modo que Deus possa reinar em seu meio - Sl 47:8. A influencia da Igreja deve ser marcante em todos os seguimentos da sociedade; a todo custo e esforço, deve fazer prevalecer a Palavra de Deus.


V - CONSIDERAÇÕES FINAIS:





. A vida cristã requer que os crentes dêem testemunho pessoal de sua conversão. Isto implica em conviver com as pessoas, sem afastar-se do meio social. A própria história revela que o isolamento em si mesmo não é a melhor alternativa para o crente. Os mosteiros, criados para que os homens vivessem uma vida contemplativa e afastado do mundo, são um exemplo disso. Eles não cumpriram a sua finalidade, pois tornaram-se em terríveis antros de corrupção moral. A luz precisa estar onde há trevas, para que elas sejam dissipadas, em nome de Jesus.


FONTES DE CONSULTA:





. Lições Bíblicas CPAD - 1º Trimestre de 1998 - Comentarista: Geremias do Couto

. Lições Bíblicas CPAD - 3º trimestre de 1990 - Comentarista: Túlio Barros Ferreira

7 de ago de 2011

3º TRIMESTRE DE 2011 - LIÇÃO Nº 07 - 14/08/2011 - "A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 07 - DATA: 14/08/2011
TÍTULO: “A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO”
TEXTO ÁUREO – Jo 13:14
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Jo 13:12-17; At 2:42-47
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/



I – INTRODUÇÃO:

. O servo desempenha as tarefas normais numa casa de família e está sempre à disposição de seus membros. Pertence a uma classe social inferior e só faz o que lhe é ordenado. A Bíblia caracteriza o homem e a mulher de Deus como servos. Compete-nos, pois, ser suficientemente humildes para ministrarmos continuamente na qualidade de servos, àqueles a quem o Senhor nos enviar.


II - ESTAMOS PRONTOS A SER SERVOS?:

. O Antigo Testamento menciona dois tipos de servos:

. (1) - OS TRABALHADORES - Recebiam salário e tinham certos direitos; e


. (2) - OS ESCRAVOS - Não tinham direitos, não recebiam salário e não podiam reclamar coisa alguma.


. No N. T., a expressão "servo", no grego, não é "trabalhador", mas "escravo".


. Isso mostra que não temos quaisquer direitos; somos propriedade absoluta do Senhor, para sermos tratados e usados como bem Lhe parecer.


. Outrossim, isso também mostra que nossa servidão a Jesus deve expressar-se em nossa servidão ao nosso semelhante - II Cor 4:5 - O Senhor considera como falta de disposição para servi-Lo, a nossa falta de disposição para servir outros, em circunstâncias difíceis e humilhantes; essa falta de disposição nos coloca fora da comunhão com Ele.



III - CINCO MARCAS DE UM ESCRAVO:

. Lucas 17.7-10 - "Qual de vós, tendo um servo ocupado na lavoura ou em guardar o gado, lhe dirá quando ele voltar do campo: Vem já e põe-te à mesa? E que antes não lhe diga: Prepara-me a ceia, cinge-te, e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois comerás tu e beberás. Porventura, terá de agradecer ao servo por ter este feito o que lhe havia ordenado? Assim tam­bém vós, depois de haverdes feito tudo quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer."


. Pelo texto acima, podemos observar:


. (1) - O ESCRAVO TEM DE ESTAR DISPOSTO A RECEBER UMA ORDEM APÓS A OUTRA, SEM ESPERAR QUALQUER CONSIDERAÇÃO - Após um dia de trabalho ár­duo, o servo da parábola teve de ir preparar a refeição do seu senhor imediatamente, e além disso servi-lo — e tudo isso antes que ele mesmo (o escravo) comesse. Ele simplesmente obedeceu, nada esperando, senão isso mesmo.


. Como nós somos diferentes! Murmuramos e ficamos amargurados em nos­so coração, quando coisa semelhante se requer de nós! Mas no momento em que começamos a murmurar, estamos agindo como se tivéssemos direitos, e um escravo não tem nenhum!


. (2) - AO FAZER TUDO, O ESCRAVO DEVE ESTAR DISPOSTO A NÃO ESPERAR PALAVRAS DE AGRADECIMENTO - Quantas vezes servimos alguém, ficamos ofendidos e nos queixamos amargamente porque nos­so trabalho foi aceito naturalmente e não nos agradeceram. Mas um escravo tem de estar pronto a isso. Trabalhadores poderão esperar alguma coisa; escra­vos, não.


. (3) - TENDO FEITO TUDO, O ESCRAVO NÃO DEVE ACUSAR SEU SENHOR DE EGOÍSMO - Ao ler a passagem, não podemos deixar de sentir que o senhor foi um tanto egoísta e sem consideração, mas o escravo não o acusou disso. Ele existe para servir os interesses de seu senhor, e o egoísmo ou qualquer outra atitude de seu senhor não entra em suas cogitações.


. E nós? Talvez permitamos que outros "abusem" de nós, e é possível que nos sujeitemos a fazer algo sem receber agradecimento. Mas, no íntimo, acusamos o outro de egoísmo. Entretanto, essa não é a atitude de um escravo. Ele deve descobrir no egoísmo alheio apenas uma oportunidade a mais de se identificar de novo com o seu Senhor como o servo de todos.


. (4) - APÓS FAZER TUDO, NÃO HÁ LUGAR PARA ORGULHO OU AUTO-ELOGIOS - Devemos confessar que somos servos inúteis, isto é, que em nós mesmos não temos valor nenhum, seja para com Deus ou para com os homens. Precisamos confessar repetidamente que "em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum", e que, se alguma coisa fizemos, nenhum agradecimento se deve a nós.


. (5) - O ESCRAVO DEVE RECONHECER QUE O QUE FEZ E SUPORTOU NO CAMINHO DA MANSIDÃO E DA HUMILDADE, NADA MAIS FOI DO QUE SEU DEVER - O nosso "EU" recebe o golpe fatal com este quinto e último passo. Deus fez o homem antes de tudo para que ele fosse escravo Seu. O pecado do homem consiste simplesmente em sua recusa de se tornar escravo de Deus. Sua restauração, então, só se pode dar pelo regresso à posição de escravo. O homem, portanto, nada faz que tenha merecimento especial, quando se dispõe a to­mar essa posição, visto que foi criado e remido para esse fim específico.


. Parece-nos dura e ameaçadora essa descida íngreme? Podemos estar certos de que é o único caminho para subir. Foi o caminho pelo qual o Senhor Jesus alcançou o Trono, e é o caminho pelo qual nós também alcançaremos a posição de poder espiritual, autoridade e uma vida de frutos espirituais. Aqueles que trilham essa vereda são almas radiantes, felizes, transbordantes da vida do seu Senhor. Descobrem que a verdade — "Aquele que se humilhar será exaltado" — se aplica a eles tanto como ao seu Senhor. Onde a humildade era antes uma intrusa indesejável, para ser tolerada somente em ocasiões raras, ela agora se tornou a esposa da sua alma, com a qual se casaram para sempre.



IV - QUALIDADES DO SERVO FIEL E PRUDENTE:

. Mt 24:45-47 - As qualidades do servo fiel e prudente estão explicitadas nesta parábola. Tão-somente desejamos destacá-las para que sejam elas mesmas ressaltadas e sirvam de exemplo para nossas vidas:


. (1) - FIDELIDADE - Segundo o dicionário Aurélio, é a "qualidade ou caráter de fiel; lealdade; firmeza; constancia nas afeições, nos sentimentos; perseverança; observancia rigorosa da verdade; exatidão".


. O Senhor Jesus, no contexto do Sermão, referia-se à necessidade da vigilancia quanto à Sua vinda, e proferiu para os Seus próprios discípulos mensagens de alerta no tocante ao que era esperado de Seus servos.


. (2) - PRUDENCIA - "É a qualidade de quem age com moderação, comedimento, buscando evitar tudo o que acredita ser fonte de erro ou dano" (Dic. Aurélio).


. O servo que tinha a maior confiança do seu senhor, devia ter esta qualidade, indispensável para cuidar da casa - Pv 9:10; 16:16.


. (3) - CONSTITUÍDO PELO SEU SENHOR - Mt 24:45b:


. (3.1) - O servo não se constitui a si mesmo - Ele foi constituído pelo dono da casa, seu patrão, para assumir a responsabilidade de um mordomo. Ele não passou por cima dos outros para alcançar aquela posição; não fez política entre os seus pares; não cobiçou sua posição, o cargo ou a função.


. (3.2) - O servo não foi constituído pelos outros - Não houve eleição para que o mordomo fosse escolhido pelos seus conservos. Tomar conta da casa do senhor era função absoluta de confiança pessoal.



V - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

. O Novo Testamento é bem claro quanto ao fato de o Senhor Jesus esperar que tomemos a posição humilde de servos. Isto não representa um dever que podemos ou não assumir, conforme nos pareça melhor. É a própria essência daquele novo relaciona­mento que o discípulo tem de assumir para com Deus e seu semelhante, se ele deseja experimentar em sua vida comunhão com Deus e um certo grau de santi­dade. Quando compreendemos a humilhação e o esva­ziamento pessoal que se requer de alguém para realmente ser servo, torna-se evidente que somente aqueles que estão preparados para viver constantemente à sombra do Calvário, na contínua contempla­ção da humildade e do quebrantamento do Senhor Jesus por amor de nós, estarão dispostos a assumir essa posição.


FONTES DE CONSULTA:

. O Guia do Pastor – Ralph M. Riggs – Editora Vida

. A Senda do Calvário - Roy Hession - Editora Betânia

. Lições Bíblicas CPAD - 4º Trimestre de 1994 - Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima