Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







12 de nov de 2012

4º TRIMESTRE DE 2012 - LIÇÃO Nº 07 - 18/11/2012 - "MIQUÉIAS - A IMPORTÂNCIA DA OBEDIÊNCIA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 07 - DATA: 18/11/2012
TÍTULO: “MIQUÉIAS – A IMPORTÂNCIA DA OBEDIÊNCIA”
TEXTO ÁUREO – I Sm 15.22
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Mq 1.1-5; 6.6-8
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO

e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/



I – INTRODUÇÃO:

Contemporâneo de Isaías, Miquéias é um homem do campo, conhece as agruras do trabalho na terra e as injustas relações de dominação que os donos impõem aos empregados. Por isso, investe contra "os que comeram a carne do meu povo, arrancaram-lhe a pele e quebraram-lhe os ossos". Ameaça os usurários, que roubam os campos, tomam as casas, oprimem "o homem e sua herança". 


O livro apresenta, em duas sequencias, as profecias de castigos e as promessas de salvação, e conclui por um apelo ao perdão divino, ao Deus que "tira a culpa e perdoa o crime, que calcará aos pés as nossas faltas e lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados". 



II – UM PEQUENO ESBOÇO DO LIVRO DE MIQUÉIAS:

Capítulo 1:
A ira de Deus contra Israel – Mq 1.1-7.


A ira de Deus contra Jerusalém e outras cidades – suas vãs preocupações – Mq 1.8-16



Capítulo 2:
Os pecados e as desolações de Israel – Mq 2.1-5.


Os maus costumes de Israel – Mq 2.6-11.


Uma promessa de restauração – Mq 2.12-13.



Capítulo 3:
A crueldade dos príncipes e a falsidade dos profetas – Mq 3.1-8.


A falsa segurança dos príncipes e profetas – Mq 3.9-12.


Capítulo 4:
A paz do reino de Cristo – Mq 4.1-8.


Os juízos virão a Jerusalém. Contudo, o triunfo final pertence a Israel – Mq 4.9-13.


Capítulo 5:
O nascimento de Jesus e a conversão dos gentios – Mq 5.1-6.


Os triunfos de Israel – Mq 5.7-15.


Capítulo 6:
A controvérsia de Deus contra Israel – Mq 6.1-5.


Os deveres requeridos por Deus – Mq 6.6-8.


A iniquidade de Israel – Mq 6.9-16


Capítulo 7:
O domínio generalizado da maldade – Mq 7.1-7.


O confiança em Deus e o triunfo sobre os inimigos – Mq 7.8-13.


Promessas e exortações para Israel – Mq 7.14-20.


III – POR QUE LER ESSE LIVRO?:

Se já nos perguntamos como é possível a fé se encaixar numa sociedade cada vez mais corrupta e violenta, conseguiremos identificar-nos com a mensagem desse livro. 


Se Deus parece distante e sem envolvimento conosco, Miquéias nos faz lembrar que Ele ainda se importa com os que optam por permanecer fiéis a Ele e lhes oferece esperança. 


Ler esse livro faz-nos lembrar que Deus continua ativo neste mundo e não permitirá que o pecado prejudique os Seus propósitos.



IV - QUEM ESCREVEU O LIVRO E QUANDO FOI ESCRITO?:

O profeta Miquéias, cujo nome significa “Quem é semelhante ao Senhor?”, escreveu-o durante os reinados de Jotão (750-735 a.C.), de Acaz (735-715 a.C.) e de Ezequias (715-686 a.C.), reis de Judá.



V - O QUE ACONTECIA NA ÉPOCA?:

O contexto histórico encontra-se nos Livros de 2º Reis, do capítulo 15 ao 20 e de 2º Crônicas, do capítulo 26 ao 32.


O poderoso Império Assírio estava se expandindo para o oeste, exigindo ajuste e pagamento de tributos. 


Quando Israel rebelou-se, os assírios destruíram sua capital, Samaria, e levaram muitos israelitas para o exílio. 


Posteriormente, o rei Ezequias, de Judá, rebelou-se. Os assírios invadiram a Palestina em 701 a.C., devastaram Judá e levaram muitos para o cativeiro. Embora cercassem Jerusalém, Deus livrou a cidade em resposta à oração de Ezequias.


No tempo do profeta Miquéias, a situação religiosa era muito triste: os profetas e sacerdotes estavam corrompidos, eram néscios, egoístas, imorais, ambiciosos e a natureza de suas mensagens era determinada pela quantia que recebiam. 


A adivinhação, bruxaria, superstição e idolatria prevaleciam e, aí, o profeta Miquéias denunciou o erro das cidades, dos líderes poderosos e do povo em geral.


O que é mais fácil: deixar a situação como está ou agir no sentido de transformá-la? Infelizmente, há muita gente por aí calada, de braços cruzados, sendo cúmplices de erros vergonhosos, assistindo ao declínio moral, social e espiritual do povo.


VI - PARA QUEM FOI ESCRITO E POR QUÊ?:

Miquéias escreveu para os habitantes de Judá, a fim de adverti-los de que o juízo divino era iminente por haverem rejeitado a Deus e à Sua lei. 


Miquéias também animava a minoria piedosa, garantindo aos fiéis que o juízo não destruiria Israel de modo permanente. A nação acabaria sendo restaurada.



VII - O QUE SE DEVE BUSCAR EM MIQUÉIAS:

Prestemos bastante atenção à maneira de Miquéias fazer o seu retrato de Deus, de tal modo que existe um equilíbrio entre os atributos divinos de justiça e de misericórdia. 


Lembremo-nos de que Miquéias emprega linguagem poética. As numerosas figuras de linguagem tornam mais vívida a mensagem e criam um impacto emocional.



VIII - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA "OBEDIÊNCIA":

OBEDIÊNCIA= Submissão à autoridade, fazer o que é ordenado, cumprir o que se exige ou abster-se do que é proibido. 

Nas Escrituras Hebraicas, a idéia de obediência é expressa por sha-má, que significa, basicamente, ‘’ouvir ou escutar’’. Assim, sha-má, às vezes refere-se ao simples ouvir, a ficar cônscio de algo por meio da audição. 

Mas, quando aquilo que é falado expressa vontade, desejo, instrução, ou ordem, então o sentido do termo hebraico é acatar ou obedecer àquele que fala.

(1) - É exigida de todo coração - Dt 26.16; 32.46

(2) - É o preço da vitória - Js 1.8

(3) - É melhor que o sacrifício - I Sm 15.22; Jr 7.23

(4) - Garante a entrada no Reino de Deus - Mt 7.21; Lc 8.21

(5) - Inclui obedecer a voz de Deus - Ex 19.5; 23.5; Jr 7.23; II Cor 10.5

(6) - Inclui observar e obedecer à Lei de Deus - Dt 11.27; Is 42.24; Ec 12.13

(7) - Inclui obedecer ao Evangelho - Rm 1.5; 10.16-17

(8) - A obediência é ordenada - Dt 13.4

(9) - Sem fé, é impossível obedecer - Hb 11.6

(10) - Deve ser de todo coração - Dt 11.13; Rm 6.17

(11) - Deve ser voluntariamente - Sl 18.44; Rm 1.19

(12) - Deve ser sem desvios - Dt 28.14

(13) - Deve ser constante - Fp 2.12

(14) - Bênçãos prometidas àqueles que obedecem - Ex 19.5; Dt 4.30; 5.29; 7.12; 28.1; I Rs 3.14; Jó 36.11; Zc 3.7; Tg 1.25; I Jo 3.22; Apc 22.14


IX - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A "DESOBEDIÊNCIA"

(1) - Os desobedientes são penalizados (traz maldição) - Dt 11.28; 28.15; I Sm 12.15; I Rs 13.21; Jr 12.17; Ef 5.6; II Ts 1.8; Hb 2.2-3

(2) - Provoca a ira de Deus - Sl 78.10, 40; Is 3.8

(3) - Impede o favor divino - I Sm 13.14

(4) - Impede as bênçãos divinas que foram prometidas - Js 5.6; I Sm 2.30; Jr 18.10

(5) - A desobediência é uma característica dos ímpios - Ef 2.2; Tt 1.16; 3.3

(6) - A desobediência será castigada - Is 42.24-25


X - ALGUMAS LIÇÕES CONTIDAS NO LIVRO DE MIQUÉIAS:

(1) - UMA VOZ DE DENÚNCIA CONTRA A CORRUPÇÃO: - As cidades de Samaria e Jerusalém estavam corrompidas, assim como as autoridades civis e religiosas (Mq 3:1-3, 11; 5:12). Enfim, todo o povo estava corrompido (Mq 6:11, 13; 7:3, 5-6).


Essa lamentável situação está presente hoje, quando uma forte exploração da fé está sendo praticada por falsos e enganadores líderes religiosos.


A comercialização exagerada de produtos religiosos está crescendo.


A superstição está tomando conta e alguns só saem de casa após ouvir declarações do horóscopo.


Negócios ilícitos, práticas injustas, medidas falsas estão presentes atualmente.


A mentira vai tomando lugar e a própria família vai se desintegrando.


Tudo isso e muito mais, por causa da corrupção.


(2) - UMA VOZ DE ANÚNCIO DA VONTADE DE DEUS: - Diante dessa dramática situação, surge a voz do profeta de Deus para apresentar a genuína vontade do Senhor (Mq 6:8): Praticar a justiça; amar a misericórdia e andar humildemente com Deus.  


(3) - UMA VOZ QUE PROCLAMA A PROMESSA DO PERDÃO: - Mq 7:18-20 – A promessa de perdão é uma certeza que traz esperança e alegria ao mais vil pecador. Porém, existem, pelo menos, duas condições para se obter o perdão divino: 


(a) - ESPERAR ou OLHAR PARA O SENHOR (Mq 7:7); 


(b) – CONFESSAR AS TRANSGRESSÕES (Mq 7:8-10).


 XI - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

A situação de Israel era desesperadora. No entanto, Miquéias confiava no Senhor. O profeta se identificou com o seu povo, confessando o pecado que merecia o julgamento divino (Mq 7.9). 

Com clarividência, olhou além da derrota certa do povo de Deus, e discerniu o dia distante, mas seguro, quando Sião, reedificada e ampliada, atrairá todas as nações do Oriente Médio (Mq 7.12). O Senhor será o seu pastor, e as nações respeitarão finalmente o povo de Israel (Mq 7.14).


Miquéias louvou o Senhor que perdoará o seu povo, "lançando todos os nossos pecados nas profundezas do mar" (Mq 7.19). Ele baseou esta confiança na aliança que Deus fez com os patriarcas, a quem revelou a sua "misericórdia", ou amor leal. Cumprir-se-á a promessa do Senhor, e Israel, e as nações, saberão que Deus ama com amor eterno (Mq 7.20).
 
FONTES DE CONSULTA:


Revista Educação Cristã – Volume III – SOCEP – Sociedade Cristã Evangélica de Publicações Ltda

Bíblia de Estudo Vida

A Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD

A Mensagem dos Profetas Menores – ABU – Dionísio Pape

Bíblia de Estudo Vida Nova