Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







24 de out de 2015

4º TRIMESTRE DE 2015 - LIÇÃO Nº 04 - 25.10.2015 - "A QUEDA DA RAÇA HUMANA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 04 - DATA: 25/10/2015
TÍTULO: “A QUEDA DA RAÇA HUNANA"
TEXTO ÁUREO – Rm 5.12
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Rm 5.12-19

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO









I - INTRODUÇÃO:




O homem não foi criado para o pecado, mas este entrou no mundo pela própria escolha o ser humano, de modo livre, consciente e voluntário.




II - A PROPENSÃO PARA O PECADO:



(1) - Como ser racional, o homem em seu estado de inocência, desconhecia o pecado. A possibilidade parra o pecado surgiu com a tentação. De fato, ele não havia ainda desenvolvido o seu caráter moral. Esta propensão para a transgressão não significa que o homem, inevitavelmente, estivesse destinado a pecar. Esta tendência baseava-se unicamente em seu livre arbítrio, Ele poderia, conscientemente, manter-se fiel aos limites do conhecimento que o Criador lhe deu, ou então rebelar-se contra esta lei, e partir para o outro lado.



(2) - O teste da tentação de Adão - Gn 2.9, 16-17:



(2.1) - Surge o agente da tentação - Gn 3.1 - O teste moral de Adão e Eva começou, por permissão de Deus, com uma criatura feita pelo Criador, mas que, por rebelião, tornou-se o maior opositor do Senhor e de toda a Sua obra. Este ser foi criado como espírito dependente do Criador, como os demais membros do mundo angelical. Esta criatura é satanás ou diabo, que não é igual a Deus, mas surge diante de Adão e Eva, incorporado em inocente serpente que estava no jardim plantado por Deus.



(2.2) - A trama satânica para engodar a Adão e Eva - Satanás sabia que não seria tão fácil convencer o casal a desobedecer a Deus. Ele investiu então, sobre a mulher, porque entendia que ela, como um ser mais frágil que o homem, facilmente cederia às suas provocações.




III - A QUEDA DO HOMEM ATRAVÉS DO PECADO:




(1) - O relato bíblico da queda do homem - Gn 3.1-12 - A queda de Adão e Eva é apresentada, literalmente, na Bíblia, de modo explícito. Não foi um relato teórico ou figurativo, mas um histórico da queda humana. Por isso entendemos que o pecado dos nossos primeiros pais foi um ato voluntário de sua própria vontade e determinação. É claro que a tentação veio de fora, da parte da satanás, que os instigou a desobedecer as ordens de Deus. Concluímos, pois, que a essência do primeiro pecado está na desobediência do homem à vontade  divina e na realização de sua própria vontade. O seu pecado foi uma transgressão deliberada ao limite que Deus lhes havia colocado.



(2) - O pecado afetou a vida espiritual do homem - Rm 6.23 - Adão não morreu no mesmo dia que pecou, mas perdeu, pelo seu pecado, a possibilidade de viver. Porém, a afetação maior foi a perda da imagem de Deus em sua vida. Isto implicou, essencialmente, no rompimento da comunhão imediata e plena com o Criador, e causou-lhe a morte espiritual, no momento exato em que pecou.   



(3) - Somos herdeiros da corrupção moral de Adão - Rm 5.12 - Vários textos bíblicos indicam este fato, mas destacaremos apenas o que Paulo escreveu - Rm 5.17.




V - O LEVANTAMENTO DA QUEDA:




(1) - A consciência de uma percepção desejada - Gn 3.6-7 - Depois que o tentador conseguiu convencê-la a desejar o fruto proibido, Eva não hesitou em pegar, comer e oferecer ao seu marido. Neste momento, abriram-se os olhos de ambos. Mas o que viram foi muito diferente daquilo que satanás havia dito que contemplariam - Gn 3.7



(2) - A expectativa de um juízo inevitável - Gn 3.8-13 - A queda foi precedida por momentos em que a imaginação e os seus sentidos  foram completamente dominados pelo engano do tentador. Isto nos ensina que a história de todas as tentações é a mesma: O objeto exterior de atração, a comoção interior da mente, o aumento e o triunfo do desejo apaixonado; terminam na degradação, escravidão, e ruína da alma - Tt 1.15; I Jo 2.16.



(2.1) - A voz de Deus - Gn 3.8 - Diz a Bíblia que os dois ouviram a voz de Deus.



(2.2) - A resposta do homem à voz de Deus - Gn 3.10 - O texto declara que Adão saiu do seu esconderijo, envergonhado e confessou: - "Tive medo e me escondi". Esta sensação de culpa o fez fugir de Deus. Apesar de confessar a razão de sua fuga, não foi capaz, nem ele, nem sua mulher, de assumir, individualmente, o seu pecado.



(3) - A promessa de um juízo redentivo - Gn 3.14-24:



(A) - Três juízos distintos: sobre o homem, a mulher e a serpente.



Primeiro, no juízo sobre a serpente, Deus não discutiu, nem dialogou com a mesma. Pela primeira vez encontramos o termos hebraico "ARUR" na Bíblia, que significa "MALDITO", e traz o peso de uma sentença jurídica, pois a serpente foi declarada culpada, sem opção de justificação.



Segundo, há um juízo sobre a mulher (Gn 3.16). Nesta escritura, Deus predisse que Eva seria sujeita ao homem. Não seria mais a parceira na administração da Terra. Seria dominada pelo marido e toda a sua vontade estaria subjugada a ele. Seus filhos seriam gerados com dores de parto.



Terceiro, o juízo aparece contra o homem - Gn 3.17-19). Ele perderia as regalias e delícias do Jardim do Éden, pois os dois foram expulsos daquele local. A sua subsistência ele extrairia com o suor do seu rosto, exigindo-lhe muito esforço físico.



(B) - A promessa de um juízo redentivo - Gn 3.25 - Nesta escritura se encontra a primeira e mais gloriosa promessa de redenção, de soerguimento do homem da condenação. Ao invés de lançar apenas juízos inclementes e condenatórios sobre o casal, Deus, o Justo Juiz, pois a Sua justiça é perfeita e misericordiosa, abriu um espaço para a redenção.




VI - CONSIDERAÇÕES FINAIS:




A queda de Adão e Eva trouxe drásticas consequências físicas, psíquicas e espirituais aos seus descendentes Esta é a razão de nos depararmos com tantas pessoas deficientes e desajustadas. Entretanto, o Evangelho de Cristo tem o poder de nos curar de todas estas enfermidades, pois com esta lição aprendemos que há uma esperança para todo pecados, em Cristo Jesus.



FONTE DE PESQUISA E CONSULTA:


Lições Bíblicas CPAD - 4º Trimestre de 1995 - Comentarista: Pastor Elienai Cabral.