Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







26 de jul de 2010

LIÇÃO Nº 05 - 01/08/2010 - "A AUTENTICIDADE DA PROFECIA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 05 - DATA: 01/08/2010
TÍTULO: “A AUTENTICIDADE DA PROFECIA”
TEXTO ÁUREO – Mq 5:2
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Is 53:2-9
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/


I - INTRODUÇÃO:

- "A Bíblia é uma majestosa catedral. Muitos edificadores humanos, cada um por sua vez, contrubuíram para a estrutura. Mas, quem é o Arquiteto? Que mente una foi aquela que planejou e enxergou o edifício completo, antes que Moisés tivesse escrito aquelas primeiras palavras do Gênesis, as quais, não por acidente, mas tendo o propósito de gravar o nome do Arquiteto no vestíbulo, são estas: NO PRINCÍPIO CRIOU DEUS?" - Pierson


II - PROFECIAS SOBRE O NASCIMENTO DO MESSIAS:

- (1) – ELE NASCERIA DA SEMENTE DA MULHER – Gn 3:15 – Esta é a primeira referência sobre o Salvador do mundo; foram as palavras de Deus a satanás (a serpente).

- (1.1) – O cumprimento está nas palavras de Paulo falando sobre Cristo – Gl 4:4 – Jesus nasceu para esmagar a cabeça da serpente (satanás) e reconduzir a humanidade a Deus.


- (2) - ELE NASCERIA DE UMA VIRGEM – Cerca de oito séculos antes do nascimento de Jesus, Isaías profetizou: Is 7:14 - No idioma hebraico existem duas palavras com o significado de VIRGEM. Porém, entre ambas há uma pequena diferença que aumenta ainda mais a certeza de que o profeta Isaías, ao falar sobre a mãe do Messias, referiu-se a Maria, mãe de Jesus:

- (A) - A primeira palavra utilizada com o sentido de virgem é BETHULAH = UMA MOÇA VIRGEM. Ela é empregada com relação à Rebeca (Gn 24:16); à esposa do sumo-sacerdote (Lv 21:13); nas leis da castidade e do casamento (Dt 22:14, 23, 28); com relação à filha de Jefté (Jz 11:37) e a respeito de Abisaque (I Rs 1:2-3). Porém, não foi esta a palavra utilizada pelo profeta Isaías.

- (B) - A palavra utilizada em Is 7:14 é ALMAH = MOÇA VIRGEM, QUE ESTÁ NA IDADE DE SE CASAR, QUE TENHA SIDO PROMETIDA EM CASAMENTO OU JÁ CASADO, MAS QUE NÃO TENHA IDO PARA A COMPANHIA DO MARIDO. Esta era a situação de Maria: moça virgem, que já havia inclusive desposado José, mas ainda não coabitara com ele.

- (2.1) – Assim registrou o evangelista Mateus o nascimento de Jesus: Mt 1:18, 24-25; Lc 1:26-35.


- (3) - O MESSIAS NASCERIA EM BELÉM - Mq 5:2 - Belém é também chamada a CASA DE PÃO. O Pão da Vida descido dos céus nasceria nos seus arredores! A esperança de que Cristo nasceria em Belém era muito antiga (Mt 2:4-6; Jo 7:42)

- (3.1) - Cumpriu-se esta profecia em Jesus Cristo (Lc 2:4-7; Mt 2:1)


- (4) - O MESSIAS SERIA HOMENAGEADO COM PRESENTES - Sl 72:10; Is 60:6 – No salmo messiânico sobre o rei justo e o seu reinado, vemos que o Messias receberia presentes.

- Já o profeta Isaías profetizou sobre os presentes que seriam trazidos ao Senhor, cuja luz resplandeceria sobre Jerusalém. Ora, os magos que vieram adorar a Jesus e trazer-Lhe presentes eram orientais. Sabá e Sebá ficavam no Oriente, precisamente na Arábia, que é chamada em Gênesis de terra oriental – Gn 25:6.

- (4.1) – Cumpriram-se estas profecias em Jesus – Mt 2:1, 11 - O que os magos trouxeram para presentear o menino Jesus, eram produtos genuinamente orientais.


- (5) - HAVERIA MATANÇA DOS INOCENTES - Jr 31:15 – Jeremias escreveu esta profecia quase seis séculos antes do nascimento do Messias.

- (5.1) – O cumprimento da profecia em Jesus - Mt 2:16-18.


- (6) - O MESSIAS SERIA CHAMADO FILHO DE DEUS – O mais conhecido versículo no A.T. que revela a filiação divina do Messias está no livro de Salmos – Sl 2:7.

- Mas foi no tempo do rei Davi que o Senhor Deus, através do profeta Natã, anunciou que enviaria Seu Filho, o Messias, para sempre – I Cr 17:11-14 cf II Sm 7:12-16

- (6.1) - Houve o cumprimento em Jesus Cristo – No N.T. existem 41 referências a Jesus como Filho de Deus:

- (A) – Os discípulos assim O reconheceram (Mt 14:33);

- (B) – Pedro O confessou publicamente (Mt 16:16);

- (C) – Natanael O confessou individualmente (Jo 1:4);

- (D) - O centurião e os soldados romanos também reconheceram Sua filiação divina (Mt 27:54);

- (E) – Até os demônios O reconheceram como Filho de Deus (Mt 8:29; Mc 3:11; 5:7; Lc 4:41);

- (F) – Na ocasião do batismo de Jesus, o próprio Deus Pai O reconheceu como Seu Filho Mt 3:16-17 – Dentre todas as declarações, esta é a que tem maior peso e autoridade.


- (7) – O MESSIAS SERIA DESCENDENTE DE ABRAÃO – Gn 12:7; 22:18

- (7.1) – O cumprimento em Cristo – Mt 1:11 cf Gl 3:16


- (8) - O MESSIAS SERIA DESCENDENTE DE ISAQUE - Gn 21:12.

- (8.1) – O cumprimento em Jesus – Lc 3:23, 34 – Do verso 23 ao 34 vemos que a genealogia de Jesus mostra que Ele é descendente do patriarca Isaque


- (9) - O MESSIAS SERIA DESCENDENTE DE JACÓ - Nm 24:17 – O livro de Números foi escrito cerca de 13 séculos antes do nascimento de Jesus.

- (9.1) – O mesmo versículo de Lucas que mostra ser Jesus descendente de Isaque, revela que Ele é também descendente de Jacó – Lc 3:34


- (10) – O MESSIAS SERIA DA TRIBO DE JUDÁ – Entre as bênçãos proféticas do patriarca Jacó sobre seus doze filhos, coube a Judá a seguinte promessa – Gn 49:10.

- SILÓ = PACIFICADOR. O profeta Isaías disse que Príncipe da Paz seria um dos nomes do Messias – Is 9:6

- (10.1) – O cumprimento em Jesus - Mt 1:1; Lc 3:23, 33-34 – Uma leitura em linha reta (do verso 23 ao 34) mostra que Jesus é o descendente de Judá.


- (11) - O MESSIAS SERIA UM RENOVO NA CASA DE DAVI - Jr 23:5 – O ministério do profeta Jeremias iniciou-se em 625 a.C. e terminou por volta de 586 a. C. Portanto, quase seis séculos antes do nascimento de Jesus, aquele profeta falou sobre um Renovo que nasceria da descendência de Davi.

- Mais de 100 anos antes do profeta Jeremias, Isaías havia escrito – Is 1:11

- O rei Davi também falou destas promessas - Sl 132:11

- (11.1) – O cumprimento em Jesus - Mt 1:1; 9:27; 15:22; 20:30; 21:9, 15; 22:41-46; Mc 9:10; 10:47-48; Lc 18:38-39; At 13:22-23; Apc 22:16 - Entre os judeus, a expressão FILHO DE... significa também DESCENDENTE DE..., DA FAMÍLIA DE...


- (12) - O MESSIAS SERIA CHAMADO SENHOR – No salmo de Davi sobre o reino e o sacerdócio do Messias, lemos as seguintes palavras proféticas - Sl 110:1

- (12.1) – O cumprimento em Jesus – Lc 2:11; 20:41-44 - Na verdade, Jesus Cristo é o Senhor do rei Davi e não propriamente seu filho. Jesus deixou bem claro para os escribas e saduceus que Ele, apesar de humanamente descender do rei Davi, estava acima deste último como Rei dos reis e Senhor dos senhores.


- (13) - O MESSIAS SERIA CHAMADO EMANUEL (DEUS CONOSCO) – Esta foi mais uma predição messiânica de Isaías - Is 7:14

- (13.1) - O cumprimento em Jesus - Durante o relato do nascimento de Cristo, o evangelista Mateus comentou este fato - Mt 1:21-23


- (14) - O MESSIAS SERIA PROFETA - Dt 18:18 – Desde o tempo de Moisés, já estava previsto que o Messias seria um profeta, aliás o maior de todos os profetas, devendo ser comparado em importância ao próprio Moisés.

- (14.1) - Houve várias ocasiões em que os evangelistas Mateus, Lucas e João registraram que Jesus foi reconhecido como profeta: Mt 21:11; Lc 7:16; Jo 4:19; 6:14; 7:40


- (15) - O MESSIAS SERIA SACERDOTE – Davi escreveu, quase mil anos antes do nascimento de Cristo, as seguintes palavras messiânicas - Sl 110:4.

- Zc 6:9-15 – Lemos aqui o interessante relato da coroação de um homem chamado Josué. Ele era filho do sumo-sacerdote Jeozadaque. Sabe-se que o nome Josué em hebraico significa O SENHOR É A SALVAÇÃO. O nome Jesus é a forma grega do nome Josué. A cerimônia de coroação descrita por Zacarias é, portanto, um ato simbólico, profético. Referia-se a Jesus, o Messias que havia de vir.

- (15.1) – O cumprimento em Jesus – A carta aos Hebreus mostra a confirmação de Jesus como Sumo-Sacerdote – Hb 3:1; 4:14; 5:5-6; 7:26-28

- Hb 7:15 - a expressão SEGUNDO A ORDEM DE MELQUISEDEQUE = À SEMELHANÇA DE MELQUISEDEQUE


- (16) - O MESSIAS SERIA JUIZ - Is 33:22

- (16.1) – O cumprimento em Jesus - Ao explicar sua missão, Jesus Cristo disse em Jo 5:30. E o apóstolo Paulo, escrevendo a Timóteo sobre o zelo na pregação, disse: II Tm 4:1-2


- (17) - O MESSIAS SERIA REI E ENTRARIA EM JERUSALÉM MONTADO EM UM JUMENTINHO – O salmista profetizou, bem como o profeta Zacarias anunciou a vinda do Rei de Sião, 500 anos antes do nascimento de Jesus - Sl 2:6; Zc 9:9

- (17.1) - O célebre diálogo entre Jesus e Pilatos mostra que Jesus é Rei - Jo 18:33-37.

- O evangelista Mateus nenhuma dúvida deixa a esse respeito, e menciona inclusive a inscrição que foi colocada no alto da cruz do Calvário - Mt 21:5; 27:37; Lc 19:32-38


- (18) - O MESSIAS TERIA A UNÇÃO ESPECIAL DO ESPÍRITO SANTO - Is 11:2; 42:1 – Coube ao profeta Isaías profetizar, cerca de sete séculos antes do nascimento de Jesus, que o Messias teria sobre o si o Espírito de Deus.

- (18.1) – O cumprimento em Jesus - Assim está escrito no relato do Seu batismo - Mt 3:16-17 cf Mc 1:10-11; Lc 4:15-21


- (19) - O MESSIAS TERIA ZELO PELO TEMPLO DO SENHOR - Sl 69:9

- (19.1) – O cumprimento em Jesus - O Messias, zeloso pelas coisas de Deus, purificou o Templo, em cumprimento do que estava escrito a Seu respeito - Jo 2:14-16


- (20) - UM MENSAGEIRO ANUNCIARIA A VINDA DO MESSIAS - Is 40:3; Ml 3:1 – Tanto o profeta Isaías (mais de 700 anos antes do nascimento do Messias), como o profeta Malaquias (mais de 400 anos antes do nascimento do nosso Salvador) profetizaram sobre alguém que viria para preparar o caminho do Senhor.

- (20.1) – O cumprimento em Jesus - João Batista foi o mensageiro anunciador da vinda de Jesus Cristo, o Messias que havia de vir - Mt 3:1-2, 11-12; Jo 1:19-23, 29-31


- (21) - O MESSIAS INICIARIA SEU MINISTÉRIO NA GALILÉIA - Is 9:1 – Falando sobre o nascimento e o reino do Príncipe da Paz – Jesus, o Messias -, o profeta Isaías revelou profeticamente (mais de sete séculos antes do fato acontecer) onde o nosso Salvador iniciaria seu ministério.

- (21.1) – O cumprimento em Jesus - A confirmação da profecia de Isaías está em Mt 4:12-13, 17


- (22) - O MESSIAS ENTRARIA NO TEMPLO – O livro do profeta Malaquias foi escrito mais de 400 anos antes do nascimento de Jesus. Porém, tanto ele quanto Daniel mostram que o Messias viria antes da destruição do Templo - Ml 3:1; Dn 8:26

- (22.1) – O cumprimento em Jesus – Mt 21:12

- Quando Jesus nasceu, o Templo em Jerusalém ainda estava de pé. No entanto, Jesus profetizou: Mt 24:1-2. Isto se cumpriu no ano 70 d.C., quando o general romano Tito e suas tropas o destruíra, e até hoje ele não foi reconstruído. Esta é mais um das irrefutáveis provas de que Jesus é o Messias que havia de vir!


- (23) - O MESSIAS REALIZARIA MILAGRES – Esta foi outra grande profecia messiânica de Isaías, ao falar sobre o reinado do justo Rei. Não haveria dúvidas quanto aos seus milagres - Is 32:3-4; 35:5-6

- (23.1) – O cumprimento em Jesus - Os milagres realizados por Jesus Cristo durante o Seu ministério maravilharam todo o povo - Mt 9:32-35; 11:1-5


- (24) - O MESSIAS USARIA PARÁBOLAS NOS SEUS ENSINOS - Sl 78:2

- (24.1) – O cumprimento em Jesus - Mt 13:3-4


III – PROFECIAS CUMPRIDAS ENTRE A PRISÃO E A CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO:

- (1) - ELE SERIA TRAÍDO POR UM AMIGO – Cerca de 1000 anos antes do nascimento de Jesus, o salmista Davi escreveu: Sl 41:9 e 55:12-14.

- (1.1) - Trata-se de uma profecia que teria o seu cumprimento na traição de Judas a Jesus – Mt 10:4; Jo 13:21 cf Mt 26:47-50


- (2) – SERIA VENDIDO POR 30 MOEDAS DE PRATA – Tendo iniciado o seu ministério profético 520 anos antes do nascimento de Cristo, o profeta Zacarias inspirado pelo Espírito Santo, assim escreveu: Zc 11:12.

- (2.1) - Jesus foi vendido aos seus inimigos por Judas Iscariotes pelo preço de 30 moedas de prata – Mt 26:15


- (3) – COM AS 30 MOEDAS DE PRATA SERIA COMPRADO O CAMPO DO OLEIRO – Devemos observar que, segundo o profeta Zacarias, as moedas foram “lançadas ao oleiro”. Ora, segundo a concepção judaica, o oleiro era aquele profissional que criava artigos de pouco valor. Jesus Cristo seria vendido por um preço humilhante, e a desprezível quantia seria arrojada na Casa do Senhor, aos pés de um oleiro – Zc 11:13

- (3.1) - O cumprimento em Jesus - O dinheiro pelo qual Judas vendeu Jesus, foi empregado em algo que tinha relação com um oleiro – Mt 26:6-7.


- (4) – JESUS SERIA ABANDONADO POR SEUS DISCÍPULOS – A prisão e morte de Jesus e sua imediata consequencia sobre o estado de ânimo dos discípulos também foram profetizados por Zacarias – Zc 13:7b

- (4.1) - O cumprimento - Jesus sabia que seria abandonado. Mateus e Marcos registraram o cumprimento dessa profecia. – Mt 26:31, 56; Mc 14:50.


- (5) – JESUS SERIA ACUSADO POR FALSAS TESTEMUNHAS – Mil anos antes do nascimento do Messias, Davi escreveu – Sl 35:11

- (5.1) – Mateus registrou o cumprimento desta profecia em Jesus – Mt 26:59-61


- (6) - JESUS FICARIA MUDO PERANTE SEUS ACUSADORES – Esta profecia demorou mais de 700 anos para se cumprir. Se não tivesse sido inspirado pelo Espírito Santo, como o profeta Isaías poderia ter predito um acontecimento que só se concretizaria mais de 700 anos depois dele o haver profetizado? – Is 53:7

- (6.1) – Mateus registrou o cumprimento desta profecia em Jesus – Mt 27:12-14


- (7) – JESUS SERIA AÇOITADO E FERIDO – Tanto Isaías como Zacarias profetizaram sobre as agressões físicas que o Messias sofreria – Is 53:5; Zc 13:6

-(7.1) – Mateus também registrou o cumprimento desta profecia em Jesus – Mt 27:26


- (8) – JESUS SERIA ESBOFETEADO E CUSPIDO – Agora são Isaías e Miquéias os autores dessa profecia – Is 50:6; Mq 5:1

- (8.1) – O cumprimento desta profecia em Jesus está registrado em Mt 26:27 e Lc 22:63


- (9) – JESUS SERIA ESCARNECIDO – Cerca de mil anos antes desse fato acontecer, o salmista Davi escreveu sobre ele – Sl 22:7-8

- (9.1) – O cumprimento desta profecia encontra-se em Mt 27:41-43 e Jo 19:2-3


- (10) – JESUS TERIA SUAS MÃOS E PÉS FURADOS – Tanto o salmista Davi como o profeta Zacarias profetizaram sobre este suplício – Sl 22:16b; Zc 12:10ª

- (10.1) – A crucificação de Jesus foi executada segundo o costume romano: Suas mãos e pés foram pregados no madeiro através de longos e grandes cravos – Lc 23:33.

- Observemos que as marcas dos cravos foram a prova que Tomé pediu para crer que Jesus havia realmente ressuscitado – Jo 20:25-28


- (11) – JESUS SERIA CRUCIFICADO ENTRE MALFEITORES – Is 53:12b

- (11.1) – Mateus e Marcos registraram esta profecia em Jesus – Mt 27:38; Mc 15:27-28


- (12) – JESUS INTERCEDERIA PELOS SEUS ALGOZES – Is 53:12c

- (12.1) – O nosso Mestre intercedeu na cruz por aqueles que O maltratavam, e no Céu continua a interceder por nós – Lc 23:34a; Hb 9:24; I Jo 2:1


- (13) – OS AMIGOS DE JESUS O CONTEMPLARIAM DE LONGE – Sl 38:11

- (13.1) – Enquanto os inimigos de Jesus O cercavam e Lhe infligiam suplícios, os amigos de Jesus, temendo ser presos, passaram a acompanhar à distância o desenrolar dos fatos – Lc 23:49


- (14) – O POVO REPROVARIA JESUS COM UM GESTO DE CABEÇA – Sl 109:25

- (14.1) – Esse gesto é característico de quem desdenha ou acredita que, para um determinado caso ou pessoa, não há mais esperança; tudo está perdido. Era isto o que pensavam as pessoas que passavam diante de Jesus crucificado – Mt 27:39


- (15) – JESUS ATRAIRIA A CURIOSIDADE PÚBLICA – É outra profecia contida no grandioso salmo messiânico escrito por Davi – Sl 22:17

- (15.1) – Esta profecia cumpriu-se em Jesus – Lc 23:35a


- (16) – AS VESTES DE JESUS SERIAM REPARTIDAS E SORTEADAS – Parecia uma contradição repartir as vestes de alguém, e ao mesmo tempo lançar sorte sobre elas, conforme está no grande salmo messiânico de Davi – Sl 22:18

- (16.1) – Podemos ver que isto ocorreu no caso de Jesus – Jo 19:23-24a


- (17) – JESUS SENTIRIA SEDE E SER-LHE-IAM OFERECIDOS VINAGRE E FEL – Sl 22:15 e Sl 69:21

- (17.1) – Esta profecia cumpriu-se em Jesus – Jo 19:28-29; Mt 27:34


- (18) – JESUS SERIA ABANDONADO POR DEUS PAI – Sl 22:1

- (18.1) – Mateus registrou o cumprimento desta profecia em Jesus – Mt 27:46


- (19) – JESUS ENTREGARIA SEU ESPÍRITO A DEUS PAI – Sl 31:5a

- (19.1) – Lucas registrou o cumprimento desta profecia – Lc 23:46


- (20) – OS OSSOS DE JESUS NÃO SERIAM QUEBRADOS – Sl 34:20

- (20.1) – João registrou o cumprimento desta profecia – Jo 19:32-33


- (21) – UMA LANÇA FERIRIA O CORAÇÃO DE JESUS – Sl 22:14b

- (21.1) – O coração de Jesus foi atingido pela lança do soldado romano. Todos os médicos e estudiosos da Bíblia se apoiam no fato de Jesus ter sido atingido de lado e do ferimento terem-se derramado sangue e água: sinal de rompimento das cavidades cardíacas – Jo 19:34


- (22) - HAVERIA TREVAS SOBRE A TERRA – O profeta Amós viveu em uma época distante, quase 800 anos da época em que Jesus seria crucificado. Mas ele profetizou um curioso acontecimento que ocorreu no dia da crucificação de Cristo – Am 8:9

- (22.1) – Cumpriu-se esta profecia em Jesus – Mt 27:45 – Do nascer do sol ao seu ocaso, os judeus contavam 12 horas. A hora sexta corresponde, portanto, ao meio-dia; a hora nona, às três horas da tarde.


- (23) – EM UMA SEPULTURA DE UM HOMEM RICO O CORPO DE JESUS SERIA COLOCADO – Is 53:9a

- (23.1) – Vejamos o cumprimento desta profecia em Jesus – Mt 27:57-60

- Eis aí algumas profecias cujo cumprimento iniciou-se a partir da traição de Jesus por Judas e se estendeu até o sepultamento do nosso Salvador no túmulo emprestado por José de Arimatéia.

- Mas Jesus não permaneceu no túmulo! Ele ressuscitou e inaugurou esta esperança: Um dia nós, os que tivermos morrido com Ele, ressuscitaremos em um corpo glorioso, semelhante ao Seu! Sim, Jesus não ficou sepultado na tumba fria. Ele venceu a morte e ressurgiu para a vida!

- Assim, TUDO O QUE OS PROFETAS PROFETIZARAM SOBRE O MESSIAS TEVE O SEU FIEL CUMPRIMENTO EM JESUS CRISTO, DANDO-NOS UM VISLUMBRE DA AUTENTICIDADE DA PROFECIA.

IV - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

- Toda pessoa tem uma base de autoridade sobre a qual pensa e age. Para o crente, essa base é a Bíblia, um livro que se proclama diferente de todos os outros. Deus agiu como Supervisor sobre os autores humanos do Livro Sagrado de modo a, usando suas próprias personalidades e estilos, compuseram e registraram, sem erro, as palavras de Sua revelação ao homem. Somente o Deus verdadeiro pode predizer o futuro e também cumpri-lo.

- "Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outros semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio e, desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade" - Is 46:9-10



FONTES DE CONSULTA:



1) Stewart, Don - 101 PERGUNTAS QUE AS PESSOAS MAIS FAZEM SOBRE JESUS - JUERP

2) Costa, Jéfferson Magno - AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD

3) Buckland - DICIONÁRIO BÍBLICO UNIVERSAL - Editora Vida

4) Bancroft, E. H. - TEOLOGIA ELEMENTAR - Imprensa Batista Regular

19 de jul de 2010

LIÇÃO Nº 04 - 25/07/2010 - "PROFECIA E MISTICISMO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA IGREJA EVANGÉLICA
ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA - NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 04 - DATA: 25/07/2010
TÍTULO: “PROFECIA E MISTICISMO”
TEXTO ÁUREO – Jr 29:8
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Dt 13:1-5; 18:10-12
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/


I – INTRODUÇÃO:

• “... SABENDO QUE FUI POSTO PARA DEFESA DO EVANGELHO” – Fp 1:16 - Faz parte do trabalho cristão o combate às falsas doutrinas que frequentemente surgem no meio do povo de Deus. Combatê-las é proteger o rebanho do Senhor. Através da exposição sadia do Evangelho, o Obreiro do Senhor vai formando uma Igreja composta de crentes sadios na fé, a saber: Uma Igreja sem formalismo e fanatismo; Uma Igreja que rejeita as fábulas artificialmente compostas, tais como imaginações humanas, superstições e temores infundados; Uma Igreja que combate as heresias e corrige os ensinamentos antibíblicos que aparecem; e Uma Igreja que tem uma vida digna do Evangelho perante Deus e os homens.


II – PROFECIA E MISTICISMO:

• PROFECIA = Revelação do conhecimento e da vontade de Deus. De forma genérica, toda Bíblia consiste de matéria profética. Sem profecia, o conhecimento de Deus tornar-se-ia impossível.

• MISTICISMO = ESPIRITUAL - Conjunto de normas e práticas que tem por objetivo alcançar uma comunhão direta com Deus. Nessa busca, não raro, os místicos são induzidos a prescindir da Bíblia para ficar apenas com as suas experiências.

• Os misticismo so é benéfico enquanto não se sobrepõe à Palavra de Deus. Caso contrário, ei-lo como a fonte de todas as heresias e mentiras. Nada, em absoluto, pode contrariar as Sagradas Escrituras.


III - ENSINAMENTOS SOBRE “ESPÍRITOS TERRITORIAIS”:

• A ênfase dada atualmente à batalha espiritual trouxe consigo a crença nos espíritos territoriais. Tal ensino defende que há demônios específicos sobre determinada área ou região geográfica que dificultam a pregação do Evangelho, o progresso da Igreja e até o progresso de uma cidade ou nação. Torna-se necessário então identificar tais espíritos maus e expulsá-los para que a vitória se concretize.

• Este movimento ensina:

• “Satanás delega aos membros de elevada posição de hierarquia dos espíritos maus o controle de nações, regiões, cidades, tribos, grupo de pessoas, vizinhanças e outros grupos sociais importantes de pessoas através do mundo. O principal trabalho deles é de impedir que Deus seja glorificado em seus territórios, o que eles fazem ao dirigir a atividade dos demônios nas posições inferiores”.

• As passagens bíblicas usadas para defenderem a territorialidade dos espíritos, são: Is 14:12-14; Ez 28:12-19; Ef 3:10; 6:12; Dn 10:13; Mc 5:10


III.1 - REFUTAÇÕES:

• (1) - Is 14:12-14; Ez 28:12-19 – Certos exegetas crêem que estes versículos referem-se não apenas aos reis de Babilônia e de Tiro, mas também, DE UM MODO VELADO, a Satanás.

• (2) - Ef 3:10 – Não ensina que a Igreja anuncia a mensagem a poderes demoníacos. Ao invés do envolvimento ativo na guerra contra as potestades espirituais, a própria existência da Igreja expõe a impotência do domínio das trevas para impedir o trabalho de Deus.

• (3) - Ef 6:12 – Embora exista a menção de uma variedade de maus espíritos nesta passagem bíblica, a ênfase de Paulo não permite especulação esotérica sobre a natureza, nomes ou funções dessas potestades demoníacas. Sua posição é de que o Evangelho fornece tudo o que é necessário para resistir à atividade tentadora das forças espirituais das trevas. A batalha em Efésios Cap. 6 não é territorial, mas pessoal.

• (4) - Dn 10:13 - Embora Daniel apoie a ideia de identificação territorial de certos anjos, ele não apoia qualquer tipo de envolvimento humano numa guerra angelical.

• (4.1) - Longe de encontrar Daniel envolvido em oração de guerra, discernindo e orando contra espíritos regionais, vamos encontrá-lo frustrado pela ausência de resposta a sua oração a Deus.

• (4.2) - Daniel encontra-se totalmente alheio à batalha angelical até a explicação apologética do anjo para a demora da resposta de Deus a sua oração. Não há qualquer alusão quanto a discernir, amarrar ou orar contra os maus espíritos cósmicos.

• (5) - Mc 5:10 – Este texto deve ser entendido à luz daquele paralelo de Lc 8:31. Jesus ameçava mandá-los para o abismo. Por isso, eles preferiram ficar naquela região.


IV – UM NOVO ELEMENTO NO ASSUNTO DE GUERRA ESPIRITUAL: “O MAPEAMENTO ESPIRITUAL”:

• Os que defendem este ensinamento, dizem:

• “Mapeamento espiritual é a reunião de informações do mundo visível que pode nos auxiliar a entender o que fica abaixo da superfície, nas dimensões espirituais. O mapeamento espiritual pode nos ajudar a entender os aspectos invisíveis, tanto do reino da luz, quanto do reino das trevas”.

• O que é necessário para se fazer o mapeamento espiritual? Ensinam os defensores deste ensinamento:

• “Há necessidade de fazer algumas perguntas quanto à situação:

• (1ª) - QUAL O SIGNIFICADO DO NOME ORIGINAL DA CIDADE?

• (2ª) - O NOME FOI MUDADO?

• (3ª) - EXISTEM OUTROS NOMES OU DENOMINAÇÕES POPULARES DA CIDADE?

• (4ª) - ESTES NOMES SIGNIFICAM ALGO?

• (5ª) - SIGNIFICAM BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO?

• (6ª) - FAZEM DESTACAR O DOM REDENTOR DE DEUS PARA A CIDADE?

• (7ª) - ELES REFLETEM O CARÁTER DO POVO DA CIDADE?”

• Para defenderem tal ensino, citam o exemplo da cidade de PARATI, no Rio de Janeiro:

• “A cidade foi fundada como uma plataforma para aventureiros gananciosos em busca de ouro e pedras preciosas em Minas Gerais e em seus cumes hospedavam-se os traficantes de escravos e os comerciantes de tabaco e pinga... Nestes dias, mais de trezentos anos depois, Parati é conhecida como a CAPITAL DA CACHAÇA DO BRASIL e certamente do mundo. Infâmia deste tipo pode dar a Satanás a oportunidade de trabalhar em nossas comunidades”.


IV.1 – REFUTAÇÕES:

• (1) - Se aplicássemos o exemplo de Parati à cidade de PARIS, poderíamos dizer que os moradores da Capital da França vão muito bem espiritualmente, POIS PARIS É CONHECIDA COMO CIDADE DE LUZ.

• (2) - A cidade do RIO DE JANEIRO não teria os problemas ou os pecados que lhe são atribuídos, pois é conhecida como A CIDADE MARAVILHOSA.

• (3) - A cidade de SALVADOR, um nome tão bíblico e com um significado espiritualmente fantástico, deveria fazer da Capital Bahia o centro evangélico do Brasil. Entretanto, essa não é realidade.

• (4) - E o que dizer do Estado do ESPÍRITO SANTO, cuja Capital é VITÓRIA? E da comunidade na cidade do Rio de Janeiro, denominada CIDADE DE DEUS? Com esses nomes, não deveriam ser paraísos de santidade? No entanto, não é o que acontece naquelas localidades.

• (5) - At 19:1-20 - Não se destrona principados e potestades para depois pregar a Palavra de Deus, mas primeiro se prega a Palavra do Senhor, pois ela, sim, tem o poder para vencer as potestades malignas

• (6) - Mt 10:1-14 - O Senhor Jesus nunca instruiu seus discípulos sobre espíritos territoriais ou mapeamento espiritual quando os enviou às cidades e aldeias para evangelizar.

• (7) - Gl 1:11-12; At 20:27 – Se o ensino da territorialidade dos espíritos fizesse parte do Evangelho que lhe foi revelado pelo Senhor, Paulo o teria ensinado, pois nunca deixou de anunciar todos o desígnio de Deus.

• (8) - At 16:16-17 – Se Paulo estivesse envolvido com a crença de espíritos territoriais e se tal ensino fosse bíblico, ele teria orado antes de chegar a Filipos, já teria identificado o espírito mau da região, já o teria amarrado e teria entrado na cidade sem enfrentar qualquer oposição ao seu labor evangelístico. Porém, não foi isso que aconteceu.

• (8.1) - Paulo enfrentou o demônio, expulsou-o e ainda encontrou muita oposição ao seu trabalho missionário em Filipos.

• (8.2) - Observemos que Paulo nunca deu instruções aos irmãos para que descobrissem quem era o espírito territorial em Roma ou de qualquer outra região.

• Sem dúvida, a crença da territorialidade de espíritos não fazia parte dos ensinamentos de Paulo.


V – FANEROSE (CAIR SOB O PODER DE DEUS ou MINISTRAR A QUEDA NO PODER):

• FANEROSE vem do grego “PHANERÓS” e quer dizer VISÍVEL.

• Trata-se de um tipo de ensinamento prático em que as pessoas que estão sentindo a presença de Deus, caem. Isso seria a MANIFESTAÇÃO VISÍVEL da presença do Espírito Santo.

• A base bíblica dos simpatizantes da fanerose são: Gn 2:21; Gn 15:12; Nm 24:4; I Sm 19:23-24; II Cr 5:14 cf Ex 40:34-35; Apc 15:8; Dn 10:8-9; Jo 20:22 cf Gn 2:7; At 9:4-8; Apc 1:17.


V.1 – REFUTAÇÕES:

• (1) - Gn 2:21 - Deus fez Adão DORMIR. Mas DO SONO DE ADÃO, DEUS CRIOU EVA

• (2) - Gn 15:12 - Deus falou a Abraão, quando este estava em PROFUNDO SONO, SOBRE A PROMESSA DE SUA DESCENDÊNCIA.

• (3) - Nm 24:4 - Balaão caiu em êxtase. Mas, não se pode esquecer de que Pedro se referiu a Balaão como alguém que amou o prêmio da injustiça e perverteu o caminho do Senhor (II Pe 2:15).

• (3.1) - Judas fala daqueles que caíram no erro de Balaão (Jd 11).

• (3.2) - Na carta à Igreja de Pérgamo, a referência que o Senhor faz sobre Balaão não é nada recomendável (Apc 2:14).

• (3.3) - Foi Balaão quem levou o povo de Israel a prostituir-se em Baal-Peor (Nm 25:1-3; 31:16).

• (3.4) - Balaão é tido na Bíblia como adivinho e foi morto pelo exército do Senhor como inimigo de Israel (Js 13:22).

• (3.5) - Assim, a experiência de Balaão não deve servir de exemplo para qualquer cristão.

• (4) - I Sm 19:23-24 – Saul na casa dos profetas em Ramá profetizou diante de Samuel e ficou nu deitado em terra durante um dia inteiro e uma noite inteira.

• (4.1) - Quanto a este versículo, comenta a Bíblia de Estudo Nova Versão Internacional, pg. 405:

• “Saul ficou tão prostrado pelo poder do Espírito de Deus a ponto de ser impedido de levar adiante a sua intenção de tirar a vida de Davi”.

• (4.2) - O registro bíblico informa que Saul já havia se rebelado contra Deus quando viveu essa experiência.

• (4.3) - O texto diz ainda que Saul ficou nu. Ora, se essa passagem for usada para ensinar o fenômeno de cair no Espírito, deve ser um procedimento normal o cristão ficar nu também!

• (5) - II Cr 5:14 - Quando se compara esta passagem com outras semelhantes - Ex 40:34-35; Apc 15:8 - torna-se claro que a presença de Deus era tão intensa que os sacerdotes não podiam ENTRAR NO TEMPLO. Não há, portanto, qualquer base bíblica para se instituir a prática da fanerose na Igreja.

• (6) - Ez 1:28; 3:23; 44:4; Dn 8:17-18 - Devido a manifestação da glória do Senhor, estes homens de Deus caíram com seus rostos em terra. Entretanto, quando acontecia tal manifestação na Bíblia, ela era geralmente acompanhada de temor, reverência e atitude de adoração.

• (6.1) - Num dos eventos, a Bíblia diz que os homens que estavam com Daniel sentiram muito medo, fugiram e se esconderam (Dn 10:7)

• (7) - Dn 10:8-9 - Ao ter uma visão, Daniel caiu sem sentidos. Porém, falta completar a leitura com os versos 10 e 11 - "... E LEVANTA-TE SOBRE OS TEUS PÉS..."

• (8) - Jo 20:22 - O único exemplo no Novo Testamento de alguém soprando sobre outros é o de Jesus quando aparece para os discípulos depois da ressurreição.

• (8.1) - O verbo SOPRAR que aparece neste versículo é, no grego, ENEPHYSESEN, o mesmo empregado em Gn 2:7. Deus formou o homem do pó da terra e SOPROU NELE o fôlego de vida para que ele se tornasse um ser vivo.

• (8.2) - Jesus SOPROU sobre os discípulos o sopro da nova criação que lhes deu vitalidade espiritual. Ao primeiro homem foi dada a responsabilidade da criação material. Mas aos discípulos, a responsabilidade pela nova criação. ISTO QUER DIZER QUE VIDA NATURAL E ESPIRITUAL DEPENDEM DO SOPRO (ESPÍRITO) DE DEUS.

• (8.3) - Assim, pode ser observado na Bíblia que é somente Deus e não o homem quem sopra, não existindo, portanto, qualquer instrução bíblica para se soprar sobre as pessoas a fim de derrubá-las.

• (8.4) - Além do mais, este foi um enchimento temporário dos discípulos com o Espírito Santo para capacitá-los até que seu relacionamento normal com o Espírito Santo começasse em Pentecostes.

• (9) - Mt 17:5-6 e At 9:4-8 - Os discípulos caíram sobre seus rostos com grande medo e Saulo caiu diante da luz de Deus - Pode ser que o medo e o fato de serem inesperadamente envolvidos por uma luz mais resplandecente que o sol tenha provocado a queda dos discípulos, de Paulo e dos que o acompanhavam. Mas, certamente, não é por causa dessa mesma luz que as pessoas estão caindo nas Igrejas, através dos movimentos pentecostais e carismáticos.

• (9.1) - Além disso, estas passagens bíblicas devem ser completadas com Mt 17:7-8 e At 9:3-4, 6, 8, 10-11, 17-18; 26:13-14

• (10) - Apc 1:17 - João caiu ante a visão do Cristo glorificado - João, apesar de cair como morto diante de Cristo, com um gesto e com uma só palavra do Mestre, ficou encorajado. Aliás, além de cair, João teve medo reverente, pois o Senhor lhe disse: NÃO TEMAS.

• (11) - II Cor 12:1-4 - O relato bíblico nada diz sobre Paulo cair. Pode ser que tal fato tenha ocorrido quando ele foi apedrejado e tido como morto em Listra (At 14:19-20)

• Ante tudo isso, basta uma simples observação das passagens bíblicas acima para compreendermos que não há qualquer base na Palavra de Deus para para estabelecermos a prática da fanerose na Igreja. Isto porque, A BÍBLIA ENSINA:

• (A) - QUEM DERRUBA É O DIABO QUE QUER NOS VER SEMPRE PROSTRADOS E CAÍDOS:

• - Is 14:12 - "... CAÍSTE... FOSTE LANÇADO POR TERRA..."

• - Mc 9:17-18, 20, 25-26 - "... E CAINDO O ENDEMONHINHADO POR TERRA... O TEM LANÇADO NO FOGO, E NA ÁGUA, PARA O DESTRUIR..."

• Lc 4:33-35 - "... E O DEMÔNIO, LANÇANDO-O POR TERRA..."

• (B) - QUEM RECUA E CAI POR TERRA SÃO OS INIMIGOS DE JESUS; BASTOU A VOZ DO MESTRE PARA QUE ISSO ACONTECESSE:

• Jo 18:4-6 - "... Quando pois lhes disse: Sou eu, RECUARAM, E CAÍRAM POR TERRA".

• (C) - Segundo registros bíblicos, NÃO CAÍMOS COM O PODER DO ESPÍRITO SANTO; este é que “CAI” ou “VEM SOBRE NÓS”:

• Ez 8:1 - "... A MÃO DO SENHOR CAIU SOBRE MIM";

• Ez 11:5 - "CAIU POIS SOBRE MIM O ESPÍRITO DO SENHOR..."

• At 10:44 - "... CAIU O ESPÍRITO SANTO SOBRE TODOS OS QUE OUVIAM A PALAVRA";

• At 11:15 - "... CAIU SOBRE ELES O ESPÍRITO SANTO..."

• (D) - Os servos de Deus sempre se levantam e põem-se em pé:

• Ez 1:28 - 2:1-2 - "... VENDO ISTO, CAÍ SOBRE O MEU ROSTO... FILHO DO HOMEM, PÕE-TE EM PÉ... ENTROU EM MIM O ESPÍRITO... E ME PÔS EM PÉ";

• Ez - 3:22-24 - "E a mão do Senhor estava SOBRE MIM ALI... LEVANTA-TE... E LEVANTEI-ME... ENTÃO ENTROU EM MIM O ESPÍRITO, E ME PÔS EM PÉ...";

• Ez 8:1-3 - "... ALI A MÃO DO SENHOR CAIU SOBRE MIM... E O ESPÍRITO ME LEVANTOU...";

• Ez 11:1, 24 - "Então ME LEVANTOU O ESPÍRITO... DEPOIS O ESPÍRITO ME LEVANTOU...";

• Ez 37:8-10 - "... ENTÃO O ESPÍRITO ENTROU NELES E VIVERAM, E SE PUSERAM EM PÉ...";

• Ez 43:3-5 - "... E CAÍ SOBRE O MEU ROSTO... E LEVANTOU-ME O ESPÍRITO...";

• Dn 8:15-18 - "... FIQUEI ASSOMBRADO, E CAÍ SOBRE O MEU ROSTO... CAÍ COM O MEU ROSTO EM TERRA, ADORMECIDO; ELE, POIS, ME TOCOU, E ME FEZ ESTAR EM PÉ";

• At 9:10-18 - "... Para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo... e recuperou a vista; e, LEVANTANDO-SE, FOI BATIZADO".

• (E) – Quando Jesus tocava alguém, era para levantar, exaltar e restaurar os que são fiéis a Ele; ninguém caía com o toque de Jesus:

• Mt 8:14-15 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas expulsa a enfermidade, nos levanta do leito de enfermidade, dando-nos ânimo para servir;

• Mt 9:27-30 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas abre os nossos olhos e ilumina;

• Mt 17:1-8 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas nos ergue e nos encoraja;

• Mc 7:31-35 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas restaura fazendo ouvir a sua voz e falar coisas celestes;

• Mc 9:14-27 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas liberta, dá apoio e consolação;

• Mc 10:13-16 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas transmite ricas bênçãos para nós e nossos filhos;

• Lc 5:12-13 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas traz-nos purificação e perdão;

• Lc 8:40-42, 49-56 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas transmite vida;

• Lc 22:47-51 - O toque de Jesus não derruba ninguém, mas transmite cura.

• (F) - Finalmente: “MAS O FRUTO DO ESPÍRITO É... CONTRA ESTAS COISAS NÃO HÁ LEI” – Gl 5:22-23 – Ou seja, a manifestação visível da presença de Deus na vida de um cristão não deve ser caracterizada por atitudes e gestos emocionais, mas, sim, por aquilo que pode ser visível em sua vida: O FRUTO DO ESPÍRITO! O FRUTO É AQUILO QUE É VISÍVEL; TODOS PODEM E DEVEM VER O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO EM NOSSAS VIDAS!


VI - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

• Poderíamos ainda dizer outras inúmeras inovações que têm aparecido nos últimos tempos. São todas práticas que misturam feitiçaria, meninice, despreparo espiritual e, o que é primordial, AUSÊNCIA DA EXPOSIÇÃO DA GENUÍNA PALAVRA DE DEUS.

• "... PORQUE TODO O POVO CHORAVA, OUVINDO AS PALAVRAS DA LEI" - Ne 8:9 

• “... LERAM NO LIVRO DA LEI DO SENHOR SEU DEUS UMA QUARTA PARTE DO DIA; E NA OUTRA QUARTA PARTE FIZERAM CONFISSÃO E ADORARAM AO SENHOR SEU DEUS” - Ne 9:3

• Os israelitas CHORAVAM AO OUVIREM AS PALAVRAS DA LEI; LERAM o Livro da Lei do Senhor durante três horas e passaram outras três horas confessando os seus pecados e adorando o Senhor.

• Em nome de Jesus, IMITEMOS OS BONS EXEMPLOS REGISTRADOS NA SANTA PALAVRA DE  DEUS E CRESÇAMOS NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO QUE HÁ EM CRISTO JESUS, NOSSO SENHOR!




FONTES DE CONSULTA:

1) A Bíblia Vida Nova - Edições Vida Nova



2) Estudo Bíblico “A Escola Dominical e o seu enfrentamento às Heresias” – Pr. João Miranda



3) Silva, Severino Pedro da - Os Anjos, Sua Natureza e Ofício - CPAD



4) Romeiro, Paulo - Evangélicos em Crise – Editora Mundo Cristão



5) Revista Educação Cristã - Volume III - SOCEP



6) BEP



7) Andrade, Claudionor Corrêa de - Dicionário Teológico - CPAD

15 de jul de 2010

"OS PROFETAS HEBREUS ENTRAVAM EM TRANSE?" - 15/07/2010

A postagem abaixo é feita em virtude de sinceros questionamentos dos servos de Deus, quando da ministração da Lição de nº 02 - "A NATUREZA DA ATIVIDADE PROFÉTICA -, que resumimos na seguinte pergunta:

OS PROFETAS HEBREUS ENTRAVAM EM TRANSE?

Respeitando outros entendimentos, dizemos que "não"! Os profetas hebreus não entravam em transe. Para isso, transcrevemos abaixo os motivos pelos quais adotamos este entendimento e diante dos quais nos curvamos.

TRANSE


I - AS PALAVRAS:

Há três palavras hebraicas envolvidas e uma grega, a saber:

1) NAPHAL = CAIR EM TRANSE - Aparece com este sentido somente em Nm 24:4, 16. Nas demais vezes, significa apenas CAIR.

2) TARDEMAH = SONO PROFUNDO - Uma palavra hebraica que ocorre por sete vezes (Gn 2:21; 15:12; I Sm 26:12; Jó 4:13; 33:15; Pv 19:15 e Is 29:10).

3) RADAM = TRANSE - Um termo hebraico que ocorre por três vezes com esse significado (Sl 76:6; Dn 8:18; 10:9).

4) ÉKSTASIS = FORA DO NORMAL; DESLOCAMENTO; CONFUSÃO MENTAL - Essa palavra grega é usada por sete vezes (Mc 5:42; 16:8; Lc 5:26; At 3:10; 10:10; 11:5; 22:17)


"At 10:10 - Enquanto estava sendo preparado algo para Pedro comer, sobreveio-lhe um êxtase (At 11:5; 22:17), e teve uma visão. É possível que três fatores tenham governado a visão. O fato de Pedro estar orando indica que estava em condições para receber uma mensagem divina; Lucas frequentemente enfatiza que Deus fala para as pessoas enquanto estão orando (At 13:2; Lc 3:21-22; 9:29). A fome de Pedro também pode ter ajudado a dar forma à natureza da sua visão, e tem sido sugerido que, se havia um toldo sobre o eirado da casa para abrigar as pessoas do sol, este fato pode teer ajudado a criar na mente de Pedro a imagem de um grande lençol que estava sendo baixado do céu pelas quatro pontas".

"At 10:10 - Enquanto permanecia no terraço esperando que lhe preparassem o alimento, sobreveio a Pedro um êxtase. Este, porém, não significa um êxtase no moderno sentido da palavra, não implica também um estado hipnótico. Significa apenas que sua mente estava se desligando de qualquer coisa acerca da qual estivesse pensado à medida que ele sentia que algo importante estava para acontecer".


II - DEFINIÇÃO:

Um transe é um estado alterado da consciência, mediante o qual o indivíduo, por assim dizer, é transportado para fora de si mesmo. Nessa condição de arrebatamento dos sentidos, embora pareça desperto, o indivíduo está desligado de todos os objetos que o circundam, de todos os estímulos. Os estímulos externos evidentes passam inteiramente despercebidos, visto que a pessoa fica total e obcessivamente fixada sobre coisas invisíveis, sejam elas de natureza divina, alucinatórias ou inconscientes. Em tal condição a pessoa pode pensar que está percebendo, com os seus sentidos naturais (principalmente com a visão e com a audição), realidades que lhe estejam sendo mostradas por Deus ou por outras forças sobrenaturais. Os transes religiosos, ou assinalados como fortemente emocionais, são chamados ÊXTASE. Os êxtases são alguns arrebatamentos de avasssaladora alegria. Em suas formas externas, o transe assemelha-se ao estado de coma.


III - USOS BÍBLICOS:

A forma extrema de transe, que poderíamos entender como coma, aparece naquelas passagens onde é empregada a palavra hebraica TARDEMAH. É interessante observar que, em todos esses casos, há alguma manifesta intervenção de Deus. Por exemplo: Gn 2:21 e 15:12-13.

Uma forma mais suave de transe é expressa mediante a palavra hebraica RADAM. Isso pode ser visto, por exemplo, em Dn 8:18; 10:9 e Sl 76:6.

No caso do profeta Balaão, por duas vezes é usada a palavra hebraica NAPHAL - Nm 24:4, 16. A idéia transparece nas palavras reiteradas "prostrar-se, porém de olhos abertos".

No Novo Testamento, o uso da idéia de transe é a mesma que nossa versão portuguesa exprime através da palavra ÊXTASE, correspondente exato ao termo grego original.

ÊXTASE = No grego, significa literalmente ESTAR FORA DE SI MESMO. Essa palavra é usada para indicar alguma emoção dominante ou alguma exaltação mental, como um êxtase de alegria. No estado de êxtase o auto-controle e a auto-consciência acham-se num ponto mínimo.

Ante tais significados, vejamos alguns pontos para nossa meditação:

Muito é dito acerca de algumas passagens em I Samuel.

Um escritor atual fala de "numerosas referências em I Samuel a grupos de profetas que, dançando e cantando com o acompanhamento de instrumentos musicais, entravam em frenezi, e, a seguir, em transe". Na verdade, há pouquíssimas passagens em I Samuel para justificar essa afirmação.

A primeira delas está em I Sm 10:5-6.

O cumprimento desta predição é descrita em I Sm 10:10-11.

Dizer que essa passagem descreve um grupo de profetas cantando desenfreadamente, dançando e/ou entrando em transe é ir além do texto. Tudo o que se diz é que eles desceram a colina numa procissão, profetizando, precedidos por instrumentos musicais.

A única circunstância anormal é o fato de que Saul se juntou a eles. Isso será discutido abaixo.

O trabalho de um profeta é geralmente apresentado como uma atividade individual. Nessa época Samuel era o único indivíduo descrito como executando a verdadeira função profética de receber mensagens de Deus e transmiti-las. Seria, porém, mais natural que outros indivíduos pudessem se juntar para segui-lo e divulgar a mensagem que ele apresentava.

Nesse período de opressão filistéia, seria particularmente natural que essas atividades em parte religiosa e em parte nacionalista, se desenvolvessem. De maneira coloquial, o termo grupo de profetas pode ser aplicado a esses grupos. Dizer que esses homens evidenciavam condição psicológica anormal é ir além do texto. Mesmo se eles estivessesm se comportando assim, isso não provaria nada quanto à atitude de Samuel e de muitos outros profetas individuais.

Outra passagem citada nesse aspecto é I Sm 19:18-24.

O que se diz sobre os profetas é que os mensageiros de Saul "viram um grupo de profetas profetizando, onde estava Samuel, que lhes presidia".

A tradição judaica vê nesse registro um grupo de homens estudando sob a direção de Samuel, como o grande professor profético. Se essa era a situação, ou se os profetas estavam simplesmente louvando a Deus de várias formas, não há nada nessa declaração que sugira que eles estavam engajados em atividades emocionais ou extáticas. A base para se chegar a essas conclusões está fundamentada no que foi feito pelos três grupos de mensageiros que Saul enviou e, mais particularmente, no que foi feito pelo próprio Saul.

O verso 20 diz que os três grupos de mensageiros de Saul ao virem um grupo profetizando, o Espírito de Deus veio sobre eles e também profetizaram. Deve-se notar, porém, que não há uma evidência clara de algo psicologicamente estranho ou extático.

Esses mensageiros podem muito bem ter sido homens que criam no Deus de Israel e perceberam que Saul estava saindo dos princípios de justiça que Deus ordenara através do profeta Samuel, que havia ungido Saul como rei. Quando eles se colocaram na presença de Samuel e seus associados, e os viram louvando a Deus, eles podem ter se sentido impelidos a demonstrar sua unidade com os seguidores do Senhor.

Não há prova de que qualquer um desses mensageiros tenha entrado em transe. O que é dito sobre eles não prova necessariamente qualquer característica extática dos seguidores de Samuel.

O único argumento forte dessas passagens que pode ser extraído para apoiar a idéia de que o êxtase era característica dos profetas, se relaciona exclusivamente ao que é dito sobre Saul.

A primeira passagem (Capítulo 10) relata que Samuel disse a Saul que, quando ele encontrasse o grupo de profetas, o Espírito do Senhor viria sobre ele, eles se juntariam e Saul profetizaria. E assim aconteceu. Isso era tão contrário à impressão geral do povo a respeito de Saul que ele disseram: "Está Saul também entre os profetas?".

O segundo caso é diferente.

Quando Saul veio à casa de Samuel para ver o que havia acontecido aos seus mensageiros, ficou tão fascinado com o entusiasmo que também removeu suas vestimentas e se juntou a eles nas canções de louvor. Ficou lá por muitas horas e finalmente adormeceu de exaustão, esquecendo, por um momento, seu ódio contra Davi, dando oportunidade para que este escapasse.

Embora a descrição das ações de Saul não dêem a impressão de um estado mental anormal, deve-se observar que não são os profetas, mas Saul, que está envolvido nessa descrição.

Voltando-se contra Deus, que o havia colocado no trono, Saul estivera muito emotivo antes, e estava agora numa condição neurótica, movendo-se rapidadamente de um extremo de emoção para outro. Mudanças rápidas de emoção, ou estados mentais altamente extáticos eram inerentes a Saul, mas isso não é prova de que eles caracterizavam o movimento profético.

Duas outras passagens em I Sm e duas em II Reis podem ser mencionadas, embora com menos razão do que no caso das duas passagens de I Samuel já discutidas.

A primeira está em I Sm 18:8-11. Saul encontrou, por vezes, alívio para seus nervos hipersensíveis ouvindo Davi tocar harpa. Quando a população louvou a proeza de Davi como guerreiro, Saul se encheu de ciúme e acrescentou isso ao seu nervosismo. Um dia, um espírito maligno veio sobre Saul (versos 10-11).

Não há nada de especial sobre a irritação de Saul e suas ações inconstantes. O único problema na passagem é o uso da palavra PROFETIZAR (KJV e ARC), em lugar de ser traduzida como CRISE DE RAIVA (ARA), em relação a Saul. Isso dificilmente pode ser tomado como lançando luz sobre as características dos verdadeiros profetas de Deus.

Os que descrevem o suposto caráter extático dos pfoetas hebreus citam o fato de que, em uma ocasião, Eliseu exigiu um tangedor antes de declarar a vontade de Deus (II Rs 3:15). Isso tem sido citado como evidência de que um profeta hebreu exigia o incentivo da música para produzir um estado extático e capacitá-lo para profetizar. O incidente, na verdade, é isolado e, além disso pode ser explicado de modo muito mais racional. O contexto sugere que Eliseu ficou tão enjojado quando lhe pediram para ajudar o filho do perverso rei Acabe, que foi difícil para ele compor suas idéias. A música ajudou Eliseu a apaziguar seu espírito de modo que ele pudesse escutar a voz tranquila do Senhor e superar sua antipatia.

É feita, por vezes, referência a uma firmação em II Rs 9:1-10, em que Eliseu envia um dos filhos dos profetas para derramar óleo sobre a cabeça de Jeú e assim dar início a sua revolta contra os sucessores de Acabe.

O representante de Eliseu pediu para falar particularmente com Jeú e foi com ele até à câmara interior. Lá, derramou óleo sobre a cabeça de Jeú, declarando que Deus o havia ungido rei sobre Israel, e correu então para fora da casa. Os companheiros de Jeú disseram a ele: "Por que veio a ti este louco?".

O uso da palavra LOUCO em referência ao representante do profeta Eliseu, foi considerado por alguns como prova de que os profetas hebreus se engajavam em êxtase orgiástico.

Sob essas circunstâncias, porém, seria muito natural para os observadores falar sobre o mensageiro que conversou com Jeú e correu para fora da casa, e não necessariamente discutir a natureza real dos profetas.

É muito comum os porta-vozes de Deus serem considerados "LOUCOS". Até mesmo o apóstolo Paulo foi chamado de "louco", numa determinada ocasião (At 26:24-25).

São poucas as referências aos profetas que poderiam dar a mais livre impressão de que se engajavam em atividades orgiásticas ou entravam em transes. Quando um dos escritores críticos mais confiáveis faz a declaração infundada supracitado sobre as atividades dos profetas em I Samuel, não é estranho que outros críticos façam outras afirmações dogmáticas sobre o suposto êxtase dos profetas, indo além de qualquer evidência extraída do registro bíblico.

A única evidência de alguma importância que pode ser tirada dos próprios livros proféticos para apoiar a idéia de um estado psicológico anormal dos profetas é tomada do livro de Ezequiel. Esse livro descreve uma quantidade de atos peculiares.

Numa situação diferente daquela das nações ocidentais moderna, Ezequiel usou métodos peculiares para chamar a atenção. Eles, porém, não são evidência de que o profeta estava num estado mental distorcido.

Particularmente, as reivindicações sobre o suposto caráter extático das atividades de Ezequiel estão baseadas em Ez do capítulo 8 ao capítulo 11. Lá se diz que Ezequiel foi transportado pelo deserto até Jerusalém numa visão, e viu eventos estranhos, que relatou quando trazido de volta à Caldéia, numa visão.

Não pode ser negado que o profeta, enquanto teve essa visão, estava numa situação mental anormal. Que era extática, porém, é altamente questionável e é improvável que fosse característico dos profetas hebreus em geral.


IV - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Essa seção incluiu um exame superficial das várias explicações não anti-sobrenaturalistas dadas às atividades dos profetas. Essas explicações se contradizem com frequencia.

Visto que a maior parte dos escritores que sustentam essas opiniões sentem-se livres para aceitar como genuínas, ou para descartar como espúrias qualquer parte da Bíblia que parece se ajustar a suas teorias, suas conclusões não se apóiam em terreno sólido.

Mesmo onde, como no argumento sobre o suposto êxtase dos profetas hebreus, as conclusões são ditas serem baseadas em dados bíblicos, uma análise dos dados prova que essas conclusões são infundadas.

Se uma pessoa acredita num Deus pessoal, não há dificuldade para aceitar a reinvidicação bíblica de que Ele falou aos profetas (que estavam totalmente conscientes) e deu-lhes mensagens para serem transmitidas. Se uma pessoa rejeita, a priori, esta possibilidade, não há fim para a variedade de explicações possíveis que a criatividade humana possa inventar, mas para as quais não há base sólida.




Fontes de Consulta:

Enciclopédia da Bíblia Cultura Cristã - Merril C. Tenney - Editora Cultura Cristã



Atos Introdução e Comentário - I. Howard Marshall - Editora Mundo Cristão



O Livro de Atos - Stanley M. Horton - Editora Vida



Encinclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia - R. N. Champlin e J. M. Bentes - Editora e Distribuidora Candeia