Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







6 de nov de 2015

4º TRIMESTRE DE 2015 - LIÇÃO Nº 06 - 08/11/2015 - "O IMPIEDOSO MUNDO DE LAMEQUE"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 06 - DATA 08/11/2015
TÍTULO: “O IMPIEDOSO MUNDO DE LAMEQUE"
TEXTO ÁUREO – Gn 6.5
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Gn 6.1-8

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO









I - INTRODUÇÃO:



Da linhagem de Caim, não so­brou uma só pessoa com a qual Deus pudesse contar, para restaurar o mundo de então. Entretanto, da descedência de Sete, o Senhor en­controu a Noé, homem temente a Deus, o qual se tornou o elemento básico para uma nova geração.




II - A CORRUPÇÃO DA RAÇA ANTEDILUVIANA:



(l) - A tríplice característica daquela geração. O capítulo 6 desta­ca três características básicas da raça antediluviana: maldade, violência e corrupção.



a) Maldade -Gn 6.5 - "Viu o Se­nhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra". Deus não apenas sentiu a situação degra­dante daquela geração, mas VIU com seus olhos prescientes o estado da sociedade de então.



b) Violência - Gn 6.13 - "A ter­ra está cheia da violência dos ho­mens". A despeito do desenvolvimento daquela civilização, este não contribuiu para diminuir ou frear o ímpeto da violência. À medida em que melhorava o nível de vida ma­terial, aumentava também a vaidade e a ganância. Os princípios da fraternidade e da convivência huma­nos foram anulados pela corrupção moral e espiritual dos homens.



c) Corrupção - Gn 6.11 - "A ter­ra estava corrompida à vista de Deus". Esta corrupção tem o senti­do de degeneração pois os elemen­tos básicos de sobrevivência e con­vivência social se deterioraram. Se ago se corrompe, é porque não consegue se preservar. Os valores mo­rais e espirituais sofreram danos, pois o homem os abandonou. Prefe­riu viver dissolutamente (Ef 4.18,19).



2. A degeneração dos filhos de Deus - Gn 6.1,2 - No decorrer dos tempos, daquela geração, o autor do Gênesis faz distinção entre "filhos de Deus e filhas dos homens." A multiplicação da espécie humana cumpria um desígnio divino: "Crescei e multiplicai-vos" (Gn 1.28); porém, quando o pecado entrou no mundo, através de Adão, toda a sua descendência herdou-lhe a natureza pecaminosa. O estigma maldito dominava toda a raça humana. Naqueles dias, multiplicando-se os homens na terra, "lhes nasceram mulheres" (Gn 6.1). Um detalhe que nos chama a atenção, neste texto, é que a multiplicação de homens, indica unia geração voltada para as coisas terrenas.



O sentido da expressão "filhas dos homens" é para enfatizar a distinção entre elas, da descendência de Caim, e os "filhos de Deus", os quais eram terrenos, da linhagem piedosa de Sete, mas voltados para as coisas espirituais.



3. Sombras do mundo antediluviano sobre a geração atual - Lc 17.26,27 - Jesus declarou profeticamente que o mundo, na ocasião da sua volta, será semelhante aos dias da geração antediluviana. Valores morais e espirituais sofrerão danos, pois os temporais, efêmeros, dominarão a humanidade. Indiscutivelmente, vivemos estes dias de maldade, violência e corrupção. A Igreja precisa estar alerta para os acontecimentos destes dias e cumprir o seu papel profético, tal como Noé ao proclamar os juízos de Deus. O estado decadente de pecado e corrupção, daqueles dias, desgostou a Deus, de tal maneira, o qual resolveu intervir na história da humanidade, trazen­do o justo castigo, através do Dilú­vio.




III - O DILÚVIO



(1) - Deus se arrepende de ter criado o homem - Gn 6.6 - Pode o Todo-poderoso ter esse tipo de sentimento? Pode arrepender-se de alguma coisa? Se analisarmos o texto à luz da Bíblia, sobre o caráter de Deus, teremos dificuldade em entender a declaração do texto em foco, pois Ele é perfeito, imutável e infinito. Parece-nos mais aceitável que o autor sacro tenha interpretado o sentimento de repulsa do Criador, usando uma força de expressão na frase: "e Deus arrependeu-se". Isto é típico dos escritores bíblicos: colocar os pensamentos de Deus em termos humanos. O Senhor não se arrepende dos seus atos, pois não é inconstante e falível como o homem.



2. Deus anuncia o juízo contra aquela geração - Gn 6.13-17 - No versículo 8, está escrito que, quando Deus resolveu destruir toda a carne sobre a face da Terra, Ele encontrou um homem temente e fiel, Noé. Diz, literalmente, o texto: "Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor". O patriarca era "varão justo" no meio daquela geração corrompida. Ele era "íntegro" no sentido de agir com a verdade, como princípio e prática. Os versículos 13 e 14 declaram que Deus anunciou a Noé a decisão de destruir toda a carne sobre a Terra, por causa da degeneração moral e espiritual da humanidade.



3. Couberam todos os animais descritos dentro da Arca? ( Gn 6.19,20). Objeções são levantadas, não só contra o fato do Dilúvio, mas, também, entre outras coisas, quanto ao número de animais que Noé acomodou na embarcação. Existem estudos nos quais se apresentam probabilidades de que a capacidade de carga da arca podia acomodar uma quantidade enorme de animais diferentes. Dois famosos estudiosos, Whitcomb e Morris, fizeram algumas estimativas e declararam que poderia haver mais de dez mil espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios, calculando dois de cada espécie dentro da arca, pois o espaço daria para 35.200 animais, aproximadamente.



4. O Dilúvio foi parcial ou universal? - Gn 7.11,17 - As águas cobriram toda a Terra, ou apenas a terra habitada? Alguns defendem a tese de um dilúvio universal, outros afirmam que foi parcial. Preferimos ficar com a declaração bíblica: "E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes, que havia debaixo de todo o céu, foram cobertos" (Gn 7.19). O objetivo divino foi eliminar, universalmente, toda a carne sobre a face da terra: "tudo o que há na terra expirará" (Gn 6.17).




IV - O RECOMEÇO COM UM NOVO PACTO



(1) - Um bom começo de vida sobre a terra (Gn 8.15-22). A primeira coisa que Noé e sua família fizeram, após sair da arca e soltar os animais, segundo suas espécies, foi edificar um altar ao Senhor (Gn 8.12). Declara a Bíblia que Noé tomou de todo o animal limpo que havia na arca e ofereceu em sacrifício de louvor e adoração a Deus.



(2) - Um novo estilo de vida (Gn 9.1-7). Nos primeiros versículos, percebemos que Deus está feliz, por poder começar tudo outra vez. A raça humana recomeça a multiplicar-se, através da semente de Noé e seus filhos. Deus abençoa o patriarca e reordena a vida na Terra.



3. Uma nova aliança com Noé (Gn 9.9-17). "E eis que estabeleço a minha aliança convosco e com a vossa descendência depois de vós" (Gn 9.9). E para firmar o acordo, Deus estabeleceu um sinal no Céu, o arco-íris, como um testemunho e uma promessa de que jamais destruiria a Terra com outro dilúvio.




V - CONSIDERAÇÕES FINAIS:



Aprendemos, nesta lição, três importantes pontos:



(1) Que num mundo de corrupção como o nosso, precisamos cuidar de nossa fé, para não cairmos no engodo de Satanás.



(2) Para todo pecador há sempre a possibilidade de um novo começo.



(3) Para os que aceitarem a mensagem de juízo futuro, há uma Arca, para a salvação, Cristo Jesus. 


FONTE DE CONSULTA E PESQUISA:

Lições Bíblicas CPAD - 4º Trimestre de 1995 - Comentarista: Elienai Cabral.