Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







5 de ago de 2014

3º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 06 - 10.08.2014 - "A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ 
LIÇÃO Nº06- DATA: 10/08/2014 
TÍTULO: “A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS”
TEXTO ÁUREO – Tg 2.8-9
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Tg 2.1-13
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/









I – INTRODUÇÃO:




Em nossa cultura, é comum encontrarmos exemplos de acepção de pessoas em todas as áreas da sociedade. Que o Senhor nos ajude, de modo que, nas igrejas não haja distinção de pessoas pela condição econômica, social, de raça ou de sexo. Que aceitemos a todos como filhos de Deus, amados e salvos em Cristo Jesus.





II - A CONDENAÇÃO NA BÍBLIA:




(1) - O que é acepção de pessoas - É a preferência de pessoa ou pessoas, em atenção à classe, qualidade, títulos ou privilégios. Este é o significado do termo, utilizado por Tiago.




(2) – Acepção d pessoas Antigo Testamento:




(2.1) - Poucas referências - Não há muitas referências sobre o tema no Antigo Testamento. Entretanto, os poucos textos que aludem ao assunto, nos indicam que Deus determinava ao Seu povo que seguisse o Seu exemplo, não fazendo acepção de pessoas.




(2.2) - Deus não faz acepção de pessoas - Quando Moisés, o grande líder de Israel, se despediu do povo, dentre as instruções transmitidas, consta a exortação à obediência, na qual o Senhor orientava o povo a temê-Lo, amando e servindo-O (Dt 10.12, 17).




(2.3) - Deus não quer a acepção de pessoa - Com todas essas qualidades divinas, Deus diz ao povo que não faz acepção de pessoas, indicando que assim deveriam proceder. Outros textos podem ser lidos como Jó 32.21 e 34.19.




(3) – Acepção de pessoas no Novo Testamento - Nesta parte da Bíblia há mais referências sobre a condenação à acepção de pessoas.




(3.1) - Com relação a raças ou nacionalidades - Deus não faz acepção de pessoas, não levando em conta a raça ou etnia, nação, povo, ou língua. Pedro, ao chegar à casa de Cornélio, iniciou a pregação, dizendo: "Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas; mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo" (At 10.34,35).




Israel rejeitou a salvação de Deus.




O Verbo Divino foi enviado (Jo 1.1,9,10), de modo que "...a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome" (Jo 1.12).




Não tem o mínimo sentido dizer que os negros, os africanos, foram pessoas escolhidas para serem rejeitadas por Deus, como queriam (e querem) alguns adeptos do apartheid, ou da discriminação racial e de cor. João viu "uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos e povos, e línguas, que estavam diante do trono e perante o Cordeiro..." (Ap 7.9).




(3.2) - Com relação à obediência - Deus "recompensará cada um segundo as suas obras", dando "vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, e honra e incorrupção" (Rm 2.6,7): dando, porém, "indignação e ira aos que são contenciosos e desobedientes à verdade e obedientes à iniquidade" (Rm 2.8); e, ainda, dando "glória, porém, e honra e paz a qualquer que faz o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego" (Rm 2.10); "porque, para com Deus, não há acepção de pessoas" (Rm 2.11).




A escolha dos judeus foi apenas prioridade e não acepção de pessoas, como lemos cm Rm 2.10: "primeiramente ao judeu...". Na verdade, "Deus amou o mundo..." (Jo 3.16a), e não somente a Israel.




O que interessa para Deus é a aceitação de Sua Palavra, com obediência, em qualquer lugar do mundo.




(2.3) - Com relação à condição social – Tg 2.2-3 – Estes versos alertam para a discriminação entre pobres e ricos na igreja, tomando o exemplo de alguém que, chegando à congregação, com anel no dedo, vestidos preciosos, é chamado "para cima", enquanto o pobre é mandado ficar "lá embaixo".




Paulo, exortando aos senhores e patrões de Éfeso, quanto ao tratamento que deveriam dar aos servos, lhes ordenou, com a autoridade do Espírito Santo: "E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo que o Senhor deles e vosso está no céu e que para com ele não há acepção de pessoas" (Ef 6.9).




Senhores e servos ou escravos dividiam a sociedade. Mas o evangelho levou a mensagem do respeito à dignidade humana, como nenhuma outra filosofia o fez. Paulo, cm sua carta a Filemom, (Fm v.16) roga que o patrão, crente, receba o escravo fugitivo, mas convertido, não como escravo, mas como irmão em Cristo (Fm 15,16). Só um cristão poderia conceber esse comportamento.




Hoje, é importante que os patrões crentes tenham seus empregados (domésticos, funcionários, etc.) em respeito e honra, para testemunho do amor de Deus em seus corações.




(3.4)- Em relação à distinção por sexo - Ensinando sobre as mulheres no culto, Paulo diz que "...nem o varão é sem a mulher, nem a mulher, sem o varão, no Senhor. Porque, como a mulher provém do varão, assim também o varão provém da mulher, mas tudo vem de Deus" (l Co 11.11,12).




Em Gl 3.27,28, diz o apóstolo que entre os que foram revestidos de Cristo, "...não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus".




No Antigo Testamento, havia discriminação de sexo, não por orientação de Deus, mas pela influência da cultura oriental.




Entre os judeus, a mulher era considerada inferior na vida religiosa. Josefo, historiador judeu, diz que naquele tempo entre os judeus, "uma centena de mulheres não vale mais do que dois homens". Um rabino disse: "Eu te agradeço porque não nasci escravo, nem gentio, nem mulher". Machismo puro. Quão diferente é no Cristianismo. Jesus valorizou o trabalho feminino (ler Mt 27.55; Mc 15.41; Lc 8.2-3). Nas epístolas paulinas, temos mulheres em destaque (ver 2 Tm 1.5; Rm 16.1-17).




(3.5) - Com relação à salvação - Há igrejas que pregam que Deus predestinou pessoas para serem salvas e outras, para serem irremediavelmente perdidas.




O teólogo João Calvino ensinava que "é o decreto de Deus... para alguns é preordenada a vida eterna, e para outros, a condenação eterna".




Isso vai de encontro ao caráter de Deus, revelado na Bíblia, que diz, como vimos acima, que "... não faz acepção de pessoas" (cf. Dt 10.17; Jó 34.19; At 10.34; Rm 2.11; Ef 6.9, 25; l Pe 1.17).




Não faz sentido nascerem dois bebês, na maternidade, e um ter uma "etiqueta" de salvo e, outro, a "etiqueta" de perdido.




Cremos, sim, que Deus, em casos especiais, dentro de Sua soberania, escolhe pessoas com certos propósitos, como João Batista e Jeremias. Deus nos predestinou coletivamente como Igreja, e não individualmente, por acepção de pessoas (cf. Ef 1.11-13).





III - RAZÕES PARA NÃO SE FAZER ACEPÇÃO DE PESSOAS:




(1) - Toda a humanidade foi criada por Deus. Deus criou o ser humano, homem e mulher, à Sua imagem e semelhança (Gn 1.27). Ambos receberam a imagem divina, independente do sexo. Ambos perderam a glória de Deus com a queda, e não pela condição de ser homem ou mulher. Deus fez a Terra e criou nela o homem (Is 45.12). Ele não faz acepção de pessoas. Nós também não o devemos fazer.




(2) - Toda humanidade tem a origem comum em Adão e Eva. Paulo, em Atenas, discursando no Areópago, disse que Deus "...de um só fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra..." (At 17.26a). Por influência de condições genéticas, climáticas e de outra ordem, foram-se reunindo as raças, e sendo espalhadas pela Terra, mas todos vêm da mesma origem.




(3) - Em Cristo, todos somos um. O brasileiro, resultante da miscigenação do índio, do europeu e do negro; os asiáticos, de cor amarela; os japoneses, de olhos amendoados; os chineses de olhos apertados; os europeus, louros e de olhos azuis; os africanos de cor negra e dentes bem brancos, enfim, todos de qualquer raça, aparência ou cultura, quando salvos, são um em Cristo Jesus (Gl 3.28).





IV – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




A acepção de pessoas por condição social, econômica, familiar ou de outra ordem é comportamento incompatível com o caráter inclusivo do evangelho. Jesus veio trazer salvação, amor e paz para todos os que crêem, em qualquer nação, raça ou povo do mundo. Que Deus nos abençoe, não permitindo a discriminação de pessoas em nosso meio.




Para combater a acepção de pessoas, precisamos fazer três coisas: amar a todos igualmente (inclusive os não-crentes); tratar a todos com equidade e mostrar que os preconceitos são contrários a Deus.


FONTE DE PESQUISA E CONSULTA:

Lições Bíblicas CPAD – 1º TRIMESTRE DE 1999 – Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima