Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







28 de jul de 2014

3º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 05 - 03/08/2014 - "O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº05- DATA: 03/08/2014
TÍTULO: “O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA”
TEXTO ÁUREO – Tg 1.19
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Tg 1.19-27

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/







I - INTRODUÇÃO




Vivemos num tempo em que, para muitos, há uma grande distância entre o dizer e o fazer, pregar e praticar, falar e dar o exemplo. Mahatma Ghandi, diante de um líder cristão, disse: "Admiro o vosso Cristo, e não o vosso cristianismo". Que Deus nos ajude a viver na prática a Palavra de Deus, para não cairmos no descrédito daqueles que nos rodeiam.





II – O RELACIONAMENTO COM O PRÓXIMO:




(1) - Pronto para ouvir – Tg 1.19b – A Bíblia dá mais valor a quem sabe ouvir do que a quem sabe falar. Quando falamos, sempre nos arriscamos a errar. E isso é natural. Mas, quando ouvimos, sempre podemos aprender com nossos interlocutores, tanto o que é certo quanto o que é errado. A Bíblia manda o filho ouvir a instrução de seu pai; ouvir as palavras dos sábios – Pv 1.8; 22.17 cf Ec 7.5.




(2) - Tardio para falar - Tg 1.19c - Aqui, há muita sabedoria, por trás desse pedacinho de frase. O velho adágio popular diz: "Quem muito fala, muito erra" - Pv 11.12; Pv 17.28.




(3) - Tardio para irar-se - Tg 1.19c - Por causa da ira, amizades são perdidas; muitos ficam doentes, deprimidos; acidentes ocorrem; crimes são perpetrados; e tantos outros males. A Bíblia tem razão, quando diz que todo o homem seja "tardio para se irar". Ela, no seu realismo sábio, ensina: "Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira" (Ef 4.26). Jesus, no templo, virou mesas, expulsou os cambistas e não pecou. Moisés, ao ver a idolatria com o bezerro de ouro, quebrou as tábuas da lei, puniu os idólatras e não pecou.





III - O RELACIONAMENTO COM DEUS:




(1) - Pronto para ouvir a Palavra de Deus - Muitos só querem ser ouvidos em suas prédicas. Mas é importante saber ouvir a Palavra. "Quem é de Deus ouve as palavras de Deus" (Jo 8.47).




Ouvir, aqui, não é um mero escutar; é dar ouvidos, prestar atenção, com o objetivo de obedecer e praticar. Quem assim faz é comparado por Jesus a um "homem prudente", enquanto o que ouve e não pratica é comparado a um "homem insensato" - Mt 7.24, 26b cf Pv. 8.33.




(2) - Rejeitando toda imundícia – Tg 1.21 - Aqui, imundícia é sinônimo de pecado, iniquidade, pensamentos maus, mentiras, adultérios, enganos, etc. Paulo ensina que devemos nos despojar do "velho homem", deixando a mentira, e que devemos tirar de nós "toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfémias e toda a malícia" - (Ef 4.22, 25, 31).




Hoje, talvez o esgoto principal pelo qual a imundícia entra nos lares é a TV, com suas novelas imundas, filmes pornográficos, e a Internet, através da qual muitos estão degradando suas mentes e a de seus filhos. É melhor cumprir o que diz o Sl 101.3.




(3) - Recebendo a Palavra com mansidão (Tg 1.21) - Tiago falava para crentes. Exortava-os a receber a palavra com mansidão. Por quê? Certamente, havia alguém que não recebia a mensagem com alegria. Hoje, acontece a mesma coisa. Quando o pastor exorta, com base na Bíblia, combatendo os pecados, as atitudes ilícitas, há quem fique irado, e até procure mudar de igreja. É o espírito de carnalidade dominando.




IV - CUMPRIDORES DA PALAVRA:




(1) - Não somente ouvintes – Tg 1.22 - Quem ouve a palavra de Deus e não a cumpre, como já vimos, é comparado por Jesus a "um homem insensato" (Mt 7.26).





Tiago compara tal pessoa a um homem que se olha no espelho e, ao sair, não mais se lembra dos detalhes do seu rosto natural (Tg 1.23-24).




No tempo do apóstolo, os espelhos não tinham a nitidez e o brilho de hoje; eram feitos de metal. Quem ouve a Palavra e não a cumpre e não fixa seu sentido em sua mente está perdendo tempo.




(2) - Atentando bem para a lei da liberdade – Tg 1.5 - Fomos chamados à liberdade cristã. Isto é: liberdade da servidão do pecado, para seguirmos a Cristo e servi-Lo de todo coração. Diante disso, Paulo nos exorta, dizendo que não devemos usar da liberdade para dar ocasião à carne (Gl 5.13). É desta forma que devemos cumprir a Palavra de Deus, com liberdade para fazermos o que agrada a Deus, e não aos homens ou a nós mesmos.




(3) - Sendo fazedor da obra – Tg 1.25 - Tiago fala do cumpridor da Palavra como um "fazedor da obra" de Deus, sendo, assim, "bem-aventurado no seu feito". É muito importante que pratiquemos a Palavra:




(A) - No lar - O verdadeiro crente é aquele que dá testemunho da fidelidade a Deus em casa, no trato com a esposa, com os filhos, com os vizinhos. É um teste difícil, mas genuíno, eficaz e incontestável.




(B) - Na igreja - Aqui, não é tão difícil cumprir a Palavra em termos exteriores. Só Deus conhece os corações. Mas, no templo, as pessoas, em geral, tem "cara de santo". É indispensável que guardemos o nosso pé quando entrarmos na casa de Deus - Ec 5.la.




(C) - Em todos os lugares - Seja na escola, quartel, consultório, escritório, comércio, rua, ônibus, carro particular, ou em outra qualquer parte.





V - A RELIGIÃO PURA E IMACULADA:




A palavra “religião” tem o sentido de "ligar outra vez". Por trás desse conceito latino há a ideia de que o homem separou-se ou está separado de Deus e, através da verdadeira religião, o homem pode reatar sua ligação com Ele.




Com base na Bíblia, porém, quem liga ou religa o homem com Deus não é religião, mas Jesus Cristo, o único "mediador entre Deus e os homens" (l Tm 2.5).




Tiago emite três características da "religião pura e imaculada para com Deus, o pai", que são:




(1) - Saber refrear a língua – Tg 1.26 - Para alguém ser um verdadeiro religioso precisa saber dominar a língua. Do contrário, "a religião desse é vã". É o tipo de religiosidade sem valor, sem vida, sem poder, sem salvação, visto que a pessoa é conhecida pelo que expressa com a língua, pois Jesus disse que "da abundância do coração fala a boca" (Lc 6.45). Daí, a importância do fruto do Espírito, que abrange a temperança (Gl 5.22).




(2) - Visitar órfãos e viúvas – Tg 1.27 - A verdadeira religião atende ao "homem integral" (corpo, alma e espírito), valorizando "o amor genuíno pelos necessitados".




Órfãos e viúvas, no texto, representam, também, todos os necessitados, os famintos, os carentes físicos e emocionais. São os que não têm o mínimo para comer; os meninos de rua, as crianças abusadas sexualmente; os párias, os injustiçados de todos os tipos. A igreja que quer praticar a "religião pura e imaculada" precisa cuidar do corpo, também, tanto quanto da alma e do espírito.




Jesus pregou a maior mensagem, mas multiplicou o pão duas vezes, alimentando os famintos. Os discípulos queriam que a multidão "se virasse", mas o Mestre lhes deu uma ordem: Mt 14.16b.




(3) - Guardar-se da corrupção do mundo – Tg 1.27 – Tiago usou uma dialética perfeita. Emitiu uma tese: O que ser religioso. Seguiu-a de uma antítese: quem não sabe refrear a sua língua está enganado. Por fim, chegou à síntese: O verdadeiro religioso interessa-se pelo sofrimento alheio (religião prática) ao mesmo tempo em que cuida do espírito, zelando pela santidade, "guardando-se da corrupção do mundo".




Não adianta ser caridoso, filantropo, equilibrado no falar e não ser um crente santo. O caminho do inferno está cheio deste tipo de gente. Para o céu só vão os que zelam pela santificação – Hb 12.14.





VI – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




Praticar a Palavra é algo difícil, porém, sublime. A Bíblia é o código de Deus para o homem. Nela, de um lado, encontramos o amor e a bondade divinos. De outro, os preceitos, os estatutos e as normas, através das quais os interesses humanos, egoístas e carnais são contrariados e condenados. Mas, com a ajuda do Espírito Santo, podemos viver a Palavra em nossa vida diária.


FONTE DE CONSULTA E PESQUISA:
Lições Bíblicas CPAD – 1º Trimestre de 1999 – Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima.

23 de jul de 2014

3º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 04 - 27.07.2014 - “GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE”

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº04- DATA: 27/07/2014
TÍTULO: “GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE”
TEXTO ÁUREO – I Pe 1.23
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Tg 1.9-11, 16-18

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/









I – INTRODUÇÃO:




A maior parte dos problemas enfrentados pelos cristãos diz respeito ao mundo material. A moderna maquinaria publicitária coloca o sentido da vida nas riquezas. A televisão e as revistas mostram que a pessoa bem-sucedida é aquela que tem o carro do ano, cheque especial altíssimo, lancha marítima, etc. Este é o pano de fundo da publicidade que nos esmaga com suas técnicas bem elaboradas: a realização está no ter coisas. Estará certa tal ótica? Ter coisas é o bem supremo? Qual é a relação correta entre o homem e os bens? Todas estas questões podem ser enfocadas aqui e respondidas à luz de Tiago.





II – O POBRE E O RICO:




(1) - Tg 1.9-10 - “O irmão de condição humilde” e “o rico” - Pobre aqui é o homem desprovido de bens materiais. E rico é o homem bem provido de bens. Tiago está nos falando do pobre e do rico em relação à situação econômica.




Qual a recomendação bíblica para o pobre, no tocante à sua pobreza?




"O irmão de condição humilde glorie-se na sua exaltação." A ERAB traduz "exaltação" por "dignidade". Aqui está onde o irmão deve gloriar-se: na sua "exaltação", ou no dar lugar à sua "dignidade".




Primeiro ressalte-se o fato que o irmão humilde não deve desprezar-se por ser pobre. Não deve envergonhar-se dessa situação, nem julgar que é uma pessoa de terceira ou última categoria.




Depois, ressalte-se que ele deve gloriar-se. O verbo "glorie-se" tem o sentido de: "Regozije-se com confiança." Na sua pobreza, o irmão humilde tem algo com que regozijar-se: sua "dignidade". A glória do pobre é o seu caráter, aquilo que ele é na sua natureza moral e espiritual.




Não aceitemos o padrão do mundo que julga as pessoas por aquilo que elas possuem. Deus julga o homem por aquilo que ele é. Tiago vem combater a ilusão contemporânea, segundo a qual a realização está no ter. A realização está no ser – Pv 22:1.




(2) - "O rico no seu abatimento", ou "insignificância" - O rico também deve gloriar-se,  mas não nas suas riquezas. "Abatimento" significa "baixeza, humildade, humilhação"; é "saber viver na pobreza".




Que o rico se regozije confiantemente, não no seu poder econômico, mas num quebrantamento diante de Deus. Aqui é que está a sua segurança. Da mesma forma, o pobre não deve buscar riquezas a qualquer preço, mas sim, preservar a sua dignidade.





III – O QUE É BOM VEM DE DEUS:




Tg 1.16 - "Não vos enganeis" – Esta expressão significa: Não se enganem, pensando que o pecado vem de Deus (Tg 1.13), pois dele só vem o bem, tanto que "ele nos gerou pela palavra da verdade" (Tg 1.18).




Não nos enganemos, pensando que Deus nos conduz ao mal. Não nos desculpemos dos nossos pecados, colocando a culpa em Deus. Ele não tenta a ninguém. Dele só vem o que é bom e nunca o mal.




Tg 1.17 - "Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto" - "Alto" é empregado aqui como substituição para "Deus". Além disso, esse termo mostra a transcendência de Deus. Ele é o que está lá em cima, em contraposição aos homens, que estão cá embaixo - João 8:23.




O ensino de Tiago é que Deus dá boas coisas ao seu povo. Dele não nos vem o mal, a tentação. Vem o bem, que é descrito em Tg 1.18.




Tg 1.18 - "Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade..." - A salvação é produto do querer de Deus. É a sua vontade e o seu amor para conosco que estão como elementos motivadores da nossa salvação. Não encontramos na Bíblia um Deus relutante aos apelos de um homem desesperado por uma salvação que lhe é negada. Desde o Éden encontramos um Deus que procura e um homem que se esconde. Deus quer o nosso bem. Foi o seu querer, a sua vontade, que o levou a salvar-nos.




No processo de novo nascimento do cristão, Deus reúne em si tanto as funções masculinas como as femininas: "ele nos deu à luz". Ele nos fez nascer espiritualmente porque assim o desejou. O meio para a nossa geração foi "a palavra da verdade". A mesma ideia encontramos em I Pedro 1:23.




Deus nos fez nascer pela palavra da verdade, "para que fôssemos como que primícias das suas criaturas".




"Primícias" significa "primeiros". As primícias eram o princípio da colheita que se oferecia a Deus. Deviam sempre ser o princípio, porque este é o fundamento da mordomia: Deus deve ter prioridade. A Deus não se dá o resto nem o que sobeja. Assim sendo, os primeiros frutos eram consagrados a Deus, dados a Ele.




O livro de Levítico trata exatamente dos regulamentos sacerdotais, incluindo as ofertas ao Senhor. E termina tratando justamente das coisas consagradas ao Senhor. Diz então o texto de Levítico 27:28, 29: "Todavia, nenhuma coisa consagrada ao Senhor por alguém, daquilo que possui, seja homem, ou animal, ou campo de sua possessão, será vendida nem será remida; toda coisa consagrada será santíssima ao Senhor. Nenhuma pessoa que dentre os homens for devotada será resgatada; certamente será morta". O que a Deus fosse oferecido, seria dele, irremissivelmente dele. O texto de Deuteronômio 26:1-11 trata do oferecimento das primícias. Dadas a Deus, passavam a ser dele.




Cristo nos resgatou do poder do Inimigo e nos deu ao Pai. Somos propriedade divina. Não pertencemos mais ao poder das trevas. Somos de Deus. E não somos um presente dado de forma irrefletida e recebido de má vontade. Foi o querer de Deus que operou o processo de nosso novo nascimento. E foi sua revelação consumada em Jesus Cristo, numa sintonia entre as pessoas da divindade, que nos gerou. Por isso, tudo o que temos de bom, a começar da salvação e da comunhão, vem-nos de Deus. Ele nos ama e nos dá o que é bom.





IV – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




Embora possamos ser agraciados com posses de bens materiais, como havia entre os cristãos primitivos, a nossa vida não deve ser direcionada por uma cultura de consumo que busca desenfreadamente a realização apenas do ego, e não de Deus.




Esse desejo exacerbado por trás das posses está intimamente relacionado com o exercício de poder. Queremos “ter”, isto é, possuir, para mostrar quem somos. Alguém já disse que: - “EXISTE MUITA GENTE COMPRANDO O QUE NÃO PRECISA, COM O DINHEIRO QUE NÃO TEM, PARA MOSTRAR O QUE NÃO É”.

FONTE DE CONSULTA E PESQUISA:
Tiago, Nosso Contemporâneo – JUERP – Isaltino Gomes Coelho Filho. 

14 de jul de 2014

3º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 03 - 20/07/2014 - "A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ 
LIÇÃO Nº03- DATA: 20/07/2014 
TÍTULO: “A IMPORTÂNCIA DA SEBEDORIA HUMILDE”
TEXTO ÁUREO – Pv 4.6
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Tg 1.5; 3.13-18
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/










I – INTRODUÇÃO:




O saber humano é limitado, falho e mutável a cada ano que passa. Entretanto, a sabedoria que vem da parte de Deus é ilimitada, perfeita, e imutável, consubstanciada na Sua Palavra, que permanece para sempre, capacitando o crente fiel saber conduzir-se ante as mais difíceis situações, de modo surpreendente, diante de Deus e dos homens.






II - CONCEITOS DE SABEDORIA:




(1) - Sob o ponto de vista humano, sabedoria significa "grande conhecimento, erudição, saber, ciência, conhecimento justo das coisas, razão". Esse é o aspecto positivo da concepção humana de sabedoria.




Há também o sentido negativo, segundo o qual sabedoria é "esperteza, astúcia, manha". Daí alguém dizer: - “Fulano é muito sabido!”




(2) - Sob o ponto de vista bíblico...:




(2.1) – É guardar os mandamentos do Senhor - Moisés, exortando o povo de Israel, sobre o cumprir os mandamentos do Senhor, disse o que registrado em Dt 4.1-6 – ou seja, para Deus, sábio é aquele que Lhe obedece.




(2.2) - É saber calar - Jó 13.5 - O patriarca disse aos seus amigos, que se eles tivessem ficado calados, isso seria a sua sabedoria (Pv 17.28).




Tiago considera impossível domar a língua (Tg 3.8). Entretanto, o sábio segundo Deus, cala-se quando for tempo de calar (Ec 3.7b).




(2.3) - É temer a Deus – Jó 28.28 – Para Deus, o sábio é aquele que teme ao Senhor, ou seja, que tem respeito profundo ao Criador (Pv 9.10).




(2.4) – É dom do Espírito Santo – I Cor 12.7-8a – O dom da palavra da sabedoria  é parte da sabedoria de Deus dada ao homem; opera no saber, na pregação, no aconselhamento, nas emergências, se separação de obreiros e na administração. Quantos problemas e desastres tem ocorrido em muitas Igrejas que se esfacelam ou sobrevivem a duras penas por falta deste dom.





III - O SÁBIO E INTELIGENTE SEGUNDO A BÍBLIA:




(1) - Aquele que tem bom trato - Tg 3.13 - Isto se refere ao crente que tem bom procedimento, boas maneiras e modos no relacionamento com as outras pessoas. É qualidade muito necessária em nossos dias, quando, em face do frenesi que domina a sociedade, pessoas, mesmo na igreja, tornam-se agressivas, grosseiras, mal-educadas, causando problemas de relacionamento.




Infelizmente, até obreiros tem se perdido nesse ponto. O crente sábio tem bom trato – Fp 2.3




(2) - Aquele que tem obras de mansidão de sabedoria – Tg 3.13b – Isto fala do crente que cultiva a mansidão de modo sábio, consciente e não por medo ou covardia. Ele sabe que é melhor ser manso do que agressivo, pois, assim, glorifica a Deus e evita muitos dissabores. Mansidão é fruto do Espírito (Gl 5.22 cf Mt 11.29).




(3) - Aquele que vê o mal e esconde-se – Pv 22.3 – Esconder-se do mal é ser sábio. O jovem sábio é aquele que foge dos desejos da mocidade (2 Tm 2.22).




(4) - Aquele que ganha almas – Pv 11.30 – O sábio, no conceito mundano, é aquele que ganha muito dinheiro, de preferência com esperteza e ilicitude. Ou aquele que possui graus acadêmicos superiores. Para Deus, no entanto, o verdadeiro sábio é aquele que se esforça para ganhar almas.





IV – DE ONDE PROVÉM A SABEDORIA SEGUNDO DEUS: 




(1) – Do próprio Deus – Tg 13.17a – Salomão recebeu sabedoria de Deus, porém, infelizmente, desperdiçou-a na velhice – I Rs 4.29-34 cf Pv 2.6-7.




(2) - Da Palavra de Deus - Paulo, ensinou o jovem Timóteo - 2 Tm 3.14-15.




(3) - Do Espírito Santo – Jo 14.26 - O Espírito Santo ensina todas as coisas, iluminando o crente fiel, de modo que ele seja sábio. O dom da palavra da sabedoria (l Co 12.8) é algo extraordinário. No Antigo Testamento, temos exemplos de homens que tinham a sabedoria dada por Deus, como Bezaleel e Aoliabe (Êx 36.1,2), utilizando-a para o serviço do tabernáculo.




No Novo Testamento, vemos Jesus dando demonstrações dessa divina sabedoria - Mt 21.23-27.





IV - CARACTERÍSTICAS DA SABEDORIA CARNAL:




Leiamos Tg 3.14-16 e analisemos:




(1) - Tem amarga inveja - O sábio carnal é dominado pela inveja. Ele fica perturbado e revoltado com o sucesso alheio. Sua sabedoria só abrange as coisas carnais e humanistas, é de natureza baixa (v.15).




(2) - Sentimento faccioso - É sentimento de divisão, de grupos e grupelhos, de "panelinhas". Essa sabedoria só faz mal à obra do Senhor.




(3) - É terrena - Já vimos que a sabedoria excelente é a que vem do alto. A sabedoria carnal é terrena e só serve para as coisas desta vida.




(4) – Animal - É sabedoria dominada pela natureza carnal, não convertida, que não tem a virtude do Espírito Santo.




(5) – Diabólica - Na sabedoria que não é de Deus, o Diabo procura ocasião para causar inveja, espirito faccioso, perturbação e toda obra perversa – Tg 3.16.





VI – CARACTERÍSTICAS DA SABEDORIA DO ALTO:




Leiamos Tg 3.17:




(1) – É pura – É a sabedoria do Deus puro e santo. Essa sabedoria não se mistura com o mal, com o pecado. Ela não se presta para intentos perversos. Há homens, de nível superior, que usam a sabedoria, tanto para o bem quanto para o mal.




Um médico que prescreve remédios para curar, se usado pelo Diabo, pode prescrever drogas destruidoras.




Um professor pode ensinar coisas boas ou más, dependendo de sua índole e formação.




Mas um servo de Deus só utiliza a sabedoria de modo puro.





(2) - É pacífica - A sabedoria que vem do alto só produz a paz. Os crentes sábios são pacificadores – Mt 5.9.




(3) - É moderada - A sabedoria divina é moderada. Parece um paradoxo. Se ela é ilimitada, como pode ser moderada? Sim. Da parte de Deus, ela não tem limites. Mas, utilizada pelo homem, deve ser moderada, sem exageros, sem exibição.




Uma pessoa que tem sabedoria de Deus não pode orgulhar-se; deve ter o fruto da temperança – Gl 5.22.




(4) – É tratável – Ou seja, sabe relacionar-se bem, com modéstia, atenção e interesse pelos outros.




Normalmente, os cientistas, os sábios segundo o mundo, são inacessíveis. O crente sábio não é soberbo: Tanto atende ao rico como ao pobre, ao letrado como ao indouto.




(5) - E cheia de misericórdia - A sabedoria do alto é utilizada com misericórdia, procurando colocar-se a serviço dos que sofrem, dos carentes espirituais e sociais; sente a miséria dos oprimidos pelo Diabo. Nas igrejas, precisamos usar a sabedoria que Deus nos concede para atender ao homem integral, li preciso dar o pão para o espírito e também para o corpo.




(6) - É cheia de bons frutos - Tiago não aceita a fé sem as obras de justiça. Ele recebeu a revelação de que a sabedoria que vem do alto é cheia de "bons frutos". Sem dúvida alguma, esses frutos são as manifestações do fruto do Espírito que vemos em Gl 5.22.




(7) - Sem parcialidade - A sabedoria divina não admite "dois pesos e duas medidas", tão comuns em nossos dias. Lamentavelmente, a acepção de pessoas é encontrada aqui e ali, até mesmo em certas igrejas.




(8) - Sem hipocrisia - A sabedoria do alto não admite hipocrisia. "Faça o que eu digo e não faça o que eu faço" é coisa de sábio carnal e não de servo de Deus.





VII – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




A sabedoria que vem do alto é a mais falta neste mundo. É indispensável para o êxito na vida pessoal, no relacionamento social, no serviço cristão e no relacionamento com Deus. O mundo precisa curvar-se ante a sabedoria divina como única solução para os cruciais problemas que afligem a humanidade.


FONTE DE CONSULTA E PESQUISA:
Lições Bíblicas CPAD – 1º Trimestre de 1999 – Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima.