Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







30 de abr de 2014

2º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 05 - 04/05/2014 - "DONS DE ELOCUÇÃO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ 
LIÇÃO Nº 05 - DATA: 04/05/2014 
TÍTULO: “DONS DE ELOCUÇÃO”
TEXTO ÁUREO – I Pe 4.11
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: I Cor 12.7, 10-12; 14.26-62
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/





I - INTRODUÇÃO:




Hoje estudaremos os dons espirituais que DIZEM algo de sobrenatural, também conhecidos como DONS DE INSPIRAÇÃO, ou DONS DA FALA, ou DONS DE EXPRESSÃO VOCAL ou DONS DE ELOCUÇÃO. São eles: A PROFECIA, A VARIEDADE DE LÍNGUAS e a INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS.





II - DOM DE PROFECIA:




I Cor 14.1-6, 12-13 - É uma expressão vocal inspirada e sobrenatural num idioma conhecido. Ou também: É um pronunciamento sobrenatural num idioma conhecido.




Às vezes, para que o dom de profecia entre em operação, é necessário que outros dois dons estejam atuando juntos: A DIVERSIDADE DE LÍNGUAS E A INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS (I Cor 14:5)




A profecia pode vir de 3 fontes: Deus, homem e satanás.




As profecias devem ser julgadas (1 Ts 5:21,22) e controladas para haver ordem no culto: um depois do outro e no máximo três em cada reunião (1 Cor 14.31).




Não devem ser desprezadas (1 Ts 5:20).




O dom de profecia serve para edificação, exortação e consolação (1 Cor 14:3).




O dom de profecia é diferente do dom ministerial de profeta. Todo profeta profetiza. Porém, nem todo que tem o dom de profecia é profeta (1 Cor 14:31) e (Ef 4:11) – Isto porque Profeta é ministério dado por CRISTO; já o dom de profecia é concedido pelo ESPÍRITO SANTO.




O que possui o Ministério de Profeta prediz alguma coisa que ainda vai acontecer; O que possui o Dom de Profecia não prediz nada: apenas exorta, consola e edifica (Jo 16:22; At 27:31-34).




Todos podem profetizar (dom de profecia - 1 Cor 14.31), mas poucos são chamados para serem profetas (ou ter o dom ministerial).





III - VARIEDADE DE LÍNGUAS ou O DOM DE LÍNGUAS:




É a expressão vocal mediante o Espírito Santo, em idiomas nunca aprendidos pela pessoa que fala, não compreendidos pela pessoa que fala, nem, necessariamente, sempre compreendidos pelos ouvintes.





IV - INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS:




I Cor 14:13-15, 27-28, 40 - A interpretação de línguas é a revelação sobrenatural pelo Espírito Santo do significado de uma expressão vocal em outras línguas.




Não é TRADUÇÃO das línguas, tampouco DUBLAGEM; É INTERPRETAÇÃO DAS LÍNGUAS.




Por exemplo, Quando uma pessoa fala longamente em línguas, um intérprete, ocasionalmente, pode dar uma interpretação bastante breve.




Semelhantemente, alguém poderá dar uma expressão vocal breve em línguas, mas a interpretação poderá ser prolongada.




Isso acontece porque, a interpretação é REVELAR, SOBRENATURALMENTE, PELO ESPÍRITO DE DEUS, O SIGNIFICADO DAQUILO QUE FOI DITO EM LÍNGUAS.





Este dom não entra em operação A NÃO SER SE O DOM DE LÍNGUAS TENHA ESTADO EM OPERAÇÃO.





O propósito desse dom é tornar o dom de línguas inteligível aos ouvintes, de modo que a Igreja, bem como aquele que possui o dom, possa saber o que foi dito e possa ser edificada (I Cor 14:5) ; (I Cor 14:26-28); (I Cor 14:13).




I Cor 14:18 - Não quis dizer latim, grego e hebraico, pois são línguas aprendidas e faladas no tempo de Paulo por quase todos; o que Paulo quis dizer é que orava muito em línguas e também que tinha dom de línguas.





V – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




Ainda há muita confusão a respeito do uso dos dons de elocução, e em especial ao de profecia e sua função. Há líderes permitindo que as Igrejas que lideram sejam guiadas por supostos profetas. A Igreja de Jesus deve ser conduzida segundo as Escrituras, pois esta é a inerrante Palavra de Deus. A Bíblia Sagrada, a Profecia por excelência, deve ser o manual do líder cristão.




Outros líderes, também erroneamente, não tomam decisão alguma sem antes consultar “um profeta” ou “uma profetisa”. Estes profetizam aquilo que as pessoas querem ouvir e não o que o Senhor realmente quer falar. Todavia, a Palavra de Deus alerta-nos a que não ouçamos a tais falsários – Jr 23.9-22.




FONTES DE PESQUISA E CONSULTA:

1)    Revista “OBREIRO APROVADO”, ANO XVI – Nº 63
2)    Lições Bíblicas - 4º Trimestre de 1989 - CPAD - Comentarista: Estêvam Ângelo de Souza
3)    Comentário Bíblico Broadman, Vol. 10, JUERP
4)    Introdução e Comentário – Cartas Aos Coríntios - Frank M. Boyd, CPAD
5)    A Mensagem de I Coríntios - David Prior, John R. W. Stott, ABU Editora S/C
6)    Lições Bíblia – 2º Trimestre de 2014 – CPAD – Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima. 


23 de abr de 2014

2º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 04 - 27/04/2014 - "DONS DE PODER"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA 
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ 
LIÇÃO Nº 04 - DATA: 27/04/2014
TÍTULO: “DONS DE PODER”
TEXTO ÁUREO – I Cor 2.4-5
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: I Cor 12.4, 9-11
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/










I – INTRODUÇÃO:




Hoje estudaremos os dons que FAZEM algo; são os DONS DE PODER, ou seja, PODER PARA RECEBER, OPERAR OU REALIZAR ALGO SOBRENATURAL. São eles: DOM DA FÉ, A OPERAÇÃO DE MILAGRES e DONS DE CURAS.





II - O DOM DA FÉ:




(A) – É um dom do Espírito para que o crente possa RECEBER milagres.




(B) - Dom da fé é acreditar que o impossível de acontecer já aconteceu.




(C) - Aqueles que possuem o dom da fé creem em Deus de tal maneira, que o Senhor honra a palavra dos Seus servos como se fosse Sua e a cumpre, milagrosamente.




(D) - O dom da fé é uma dotação sobrenatural pelo Espírito Santo, mediante a qual, aquilo que o homem declara ou deseja, ou ainda o que Deus fala, acabará se cumprindo de qualquer maneira.




Vamos aos exemplos bíblicos para melhor esclarecimento:




(1º) - Dn 3:13-30 – Nem as insinuações enciumadas dos caldeus, nem as terríveis ameaças do rei Nabucodonozor amedrontaram os três jovens. Possuíam o dom da fé, pois RECEBERAM o milagre.




(2º) - Dn 6:16-23 – Além do Dom da Fé (pois Daniel RECEBEU o milagre), notemos que aqui também houve a atuação do Dom de Discernimento de Espíritos (v. 22).




Comparemos as duas passagens bíblicas acima citadas com Hb 11:32-34.




(3º) - Jz 15:18-19 – Sansão também RECEBEU o milagre. Por mais emaranhada que esteja nossa situação, o poder de Deus nos pode libertar. E isso não é tudo! No lugar onde alcançarmos a vitória, brotará aquela fonte de água que é alimentada do trono de Deus e a alma exaurida pelo esforço, beberá e se reanimará. Senhor, dá-nos o Dom da Fé e leva-nos a beber desta fonte!




(4º) - At 12:1-12 – Reparemos que, além do Dom da Fé (pois Pedro RECEBEU o milagre), houve também o Dom de Discernimento de Espíritos (vs. 9-11). A situação parecia impossível. Tiago fora morto. Herodes mantinha Pedro na prisão, vigiado por dezesseis (quatro quaternos) soldados. Mesmo sabendo que naquela noite iria morrer, Pedro dormia tranquilamente (v.6). Ou seja, tinha certeza de que Deus daria livramento. Um grupo em oração é mais forte do que as mais fortes precauções do poder humano.




(5º) - At 27:21-26 – Vemos em operação o Dom da Fé, pois Paulo tinha certeza da vitória em meio a um temporal, ou seja, ele RECEBEU o milagre. Reparemos, também, que houve manifestações do Dom da Palavra da Sabedoria (vs. 22, 24, 26 – fatos que iriam acontecer) e o Dom de Discernimento de Espíritos (v. 23).




(6º) - At 28:1-6 – Vemos aqui o Dom da Fé, pois Paulo tinha certeza da vitória, depois de mordido por uma víbora. Ele RECEBEU o milagre.




(7º) - I Rs 17:2-6 – Elias RECEBEU o milagre, possuindo tamanha fé para o seu sustento sobrenatural. Deus cuidou da subsistência de Elias, responsabilizando-se pelos suprimentos necessários.




(8º) - Gn 15:1-6; 17:15-22; 18:9-16; 21:1-8 - Nasceria um filho de um casal em que o homem tem 100 anos e a mulher 90 anos? Abraão creu e assim foi. Ele RECEBEU o milagre.




Gn 22:1-19 - Poderia alguém matar um filho e depois voltar para casa com este filho vivo? Abraão creu e assim foi. Ele RECEBEU o milagre.





III - O DOM DE OPERAÇÃO DE MILAGRES:




(A) – Também é denominado de DOM DE OPERAÇÃO DE MARAVILHAS, DOM DE OPERAÇÃO MILAGROSAS ou DOM DE PODERES MILAGROSOS.




(B) – É um dom do Espírito Santo, dado ao servo de Deus para que este possa OPERAR ou REALIZAR MILAGRES.




(C) - É uma intervenção sobrenatural no curso usual da natureza; uma suspensão temporária da ordem costumeira, mediante o poder do Espírito de Deus.




Vamos aos exemplos bíblicos para uma melhor compreensão:




(1º) - Js 10:12-14 – Josué OPEROU um milagre na natureza. Deus faz grandes milagres que os homens da ciência mal compreendem (Lc 1:37). A palavra hebraica DAMAM não significa só DETÉM-TE, mas também SILENCIA-TE, ACABA, PÁRA. Josué orou pedindo um milagre e Deus atendeu a sua oração. O crente não deve hesitar em orar para que o Senhor opere maravilhas em seu favor. O povo de Deus vive num mundo hostil e maligno, enfrentando grandes desafios e dificuldades. Às vezes, há necessidade do Dom de Operação de Milagres para o cumprimento do plano e propósito de Deus na vida do crente.




(2º) – II Rs 20:8-11 – Isaías OPEROU um milagre na natureza. Não sabemos exatamente como a sombra recuou dez graus no relógio do sol. O que está claro é que assim aconteceu, mediante o grande poder de Deus.




Vejamos outros demais exemplos, devendo sempre ser observado que os servos do Senhor OPERAVAM ou REALIZAVAM O MILAGRE, o que caracteriza a atuação do Dom de OPERAÇÃO de Milagres:




Sansão - Jz 14:5-6;  15:14-15;  16:25-30;





Elias - I Rs 17:12-16; 18:41-46; II Rs 2:6-8;




Eliseu – II Rs 2:12-15; 3:14-20; 4:1-7;




Moisés - Ex 7:10, 20-21; 8:5-6, 16-17, 20-24; 9:8-10, 22-26; 10:12-15; 22-23; 14:13-14, 21-22; 17:1-7;




Jesus - Jo 2:1-11; 6:5-14; 9:6-7.





IV - DONS DE CURAS:




(A) - No grego original, cada vez que esse dom de poder é mencionado, tanto a expressão “DONS” quanto a expressão “CURAS” ficam no plural: DONS DE CURAS. Não existe, portanto, “o dom da cura”; “dons de cura”; “dom de curar”; etc.




(B) - O propósito do Dons de Curas é LIBERTAR OS ENFERMOS E DESTRUIR AS OBRAS DO DIABO NO CORPO HUMANO.




(C) - Os dons de curas são dados por Deus visando a cura sobrenatural da enfermidade, sem meios naturais de qualquer origem (At 10:38; Lc 6:6-11; At 8:6-7; 28:8-10).




Não se deve entender que quem possui esse dom tenha poder de curar a todos; deve dar-se lugar à soberania de Deus e à atitude e condição espiritual do enfermo.




O próprio Cristo foi limitado em Sua capacidade de operar milagres por causa da incredulidade do povo - Mt 13:58.




I Tm 5:23; II Tm 4:20 -  Paulo não curou nem a Timóteo, nem a Trófimo.





V – A RESSURREIÇÃO DE MORTOS :




I Rs 17:17-24; II Rs 4:18-37; Lc 7:11-17; 8:49-56; Jo 11:33-45; At 9:36-43; At 20:7-12




No caso do milagre da ressurreição de mortos, OS TRÊS DONS ENTRAM EM OPERAÇÃO CONJUNTAMENTE: O DOM DA FÉ; O DOM DE OPERAÇÃO DE MILAGRES e OS DONS DE CURAS.




Em primeiro lugar, é necessário o DOM DA FÉ PARA CHAMAR O ESPÍRITO DA PESSOA DE VOLTA, DEPOIS DE TER DEIXADO O CORPO;




Em segundo lugar, é necessário o DOM DE OPERAÇÃO DE MILAGRES para ressuscitar a pessoa;




Em terceiro lugar é necessário os DONS DE CURAS, porquanto, de outra forma, a pessoa não curada voltaria, imediatamente, a morrer. Por exemplo: Lázaro estava enfermo. Quando Jesus o ressuscitou, o mesmo voltou à vida completamente curado de sua enfermidade (Jo 12:1-2).





VI – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




Dentre as insondáveis riquezas espirituais que Deus coloca à dispo­sição da Sua Igreja na terra, destacam-se os dons do Espírito Santo, apresentados pelo apóstolo Paulo como agentes de poder e de vitória a habilitarem a Igreja para o cumpri­mento da sua missão no mundo. Por isso, como declarou Frank M. Boyd, estudioso da doutrina pentecostal, que "a menos que os dons do Espírito Santo sejam claramente definidos e cuidadosamente classificados em primeiro lugar, seu propósito não será entendido e podem ser mal usados, a glória do Senhor pode ser roubada e a Igreja pode deixar de receber grandes benefícios que esses dons devem trazer".



Fontes de consulta:


Lições Bíblicas CPAD – 3° trimestre de 1988 – Comentarista: Raimundo de Oliveira

A Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD

Comentário Bíblico Devocional V.T. e N.T. – F. B. Meyer – Editora Betânia

Revista “OBREIRO APROVADO”, ANO XVI – Nº 63

Comentário Bíblico Broadman, Vol 10 - JUERP.

Introdução e Comentário – Cartas Aos Coríntios - Frank M. Boyd – CPAD

A Mensagem de I Coríntios - David Prior, John R. W. Stott - ABU Editora

As Grandes Doutrinas da Bíblia – CPAD – Raimundo de Oliveira







16 de abr de 2014

02º TRIMESTRE DE 2014 - LIÇÃO Nº 03 - 20.03.2014 - "DONS DE REVELAÇÃO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ 
LIÇÃO Nº 03 - DATA: 2013/04/2014 
TÍTULO: “DONS DE REVELAÇÃO”
TEXTO ÁUREO – I Cor 14.26
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: I Cor 12.8, 10; At 6.8-10; Dn 2.19-22
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/









I - INTRODUÇÃO:




Há dons que REVELAM algo oculto ou sobrenaturalmente: são os DONS DE REVELAÇÃO, quais sejam: A PALAVRA DA SABEDORIA; A PALAVRA DO CONHECIMENTO e O DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS. Vejamos cada um deles, separadamente.





II - O DOM DA PALAVRA DE SABEDORIA:

 




Deus possui toda a sabedoria e todo o conhecimento. Ele sabe tudo, mas nunca revela tudo quanto sabe; simplesmente nos dá uma palavra daquilo que sabe. Por isso não é dom da sabedoria e sim o dom da palavra da sabedoria que Deus revela ao homem.




A palavra da sabedoria é uma revelação sobrenatural pelo Espírito de Deus, no tocante ao plano e propósito divinos na mente e na vontade de Deus.




A revelação que a palavra sabedoria traz sempre fala de fatos que ainda irão acontecer. Vejamos alguns exemplos, e observemos que os fatos revelados acontecerão futuramente:




(1) - At 9:10-16 - O dom da palavra da sabedoria também é usado para revelar o plano de Deus àqueles que Ele quer usar no ministério.




(2) - At 8:26-29 - Deus revelou Seu plano e propósito a Felipe mediante a mensagem de um anjo. Nessa mensagem, Deus deu instruções a Felipe e o ensinou exatamente o que deveria fazer. E, na mensagem, Deus mandou-o ir para o deserto e Felipe tinha que ir pela fé.




(3) - At 11:28-30 – Ágabo profetizou que estava para vir uma fome; o povo acreditou e começou imediatamente a preparar-se para enviar socorro às vítimas da seca.




(4) - At 21:10-14 – Notemos que alguma coisa FOI REVELADA. Foi uma palavra de sabedoria, porque se tratava do futuro, e foi cumprida.




(5) - At 27:10, 23-24, 34 - A palavra da sabedoria é dada também para garantir o livramento iminente num momento de calamidade. Paulo tinha recebido uma palavra da sabedoria para seus co-passageiros antes mesmo de começarem a viagem. Deixando de tratar com respeito a advertência, tiveram que jogar tudo ao mar. Finalmente, toda a esperança se foi. Mas, no meio de tamanha calamidade, Paulo se colocou de pé, pois ouvira um recado do céu.




 (6) - I Rs 11:29-32 cf 12:20;




(7) - I Rs 13:1-6;




(8) - I Rs 14:1-18.





III - PALAVRA DE CONHECIMENTO OU DA CIÊNCIA:




É a revelação sobrenatural pelo Espírito Santo de certos fatos existentes na mente de Deus. Normalmente, o dom da palavra do conhecimento REVELA fatos que já ocorreram e/ou que estão ocorrendo no momento da revelação, isto é, fatos passados e/ou presentes.




(1) – A palavra do conhecimento manifestada mediante visões:





(1.1) - Apc 1:9-11 – Jesus REVELOU a João as condições das sete Igrejas da Ásia Menor; exilado na Ilha de Patmos, não teria a mínima possibilidade de saber o que estava acontecendo nessas cidades e igrejas, mas Jesus lhe revelou a condição espiritual delas. Foi uma palavra de conhecimento.







(1.2) - At 9:10-12 – Nessa visão, o Senhor mandou Ananias ir até certa casa e orar por Saulo. Ananias não poderia ter sabido (pelos seus conhecimentos naturais), que em certa casa, em certa rua, um homem chamado Saulo estava orando naquele exato momento. Não poderia ter sabido disso porque qualquer outra maneira que não fosse pela revelação sobrenatural: uma palavra de conhecimento.




(1.3) - At 10:9-20 – Aqui também a palavra do conhecimento foi manifestada mediante uma visão. Pedro tinha caído em êxtase e teve uma visão. Enquanto Pedro pensava sobre o significado disso, o Espírito Santo disse a ele: Estão aí dois homens que te procuram. Pedro não sabia que os homens estavam ali; e não teria maneira de saber, se o Espírito Santo não lhe tivesse dito. Tratava-se de uma palavra de conhecimento – uma revelação sobrenatural.

 

 

 

(2) - O dom da palavra do conhecimento manifestado através de uma revelação interior:





(2.1) - Jo 4:5-29 – Às vezes a palavra do conhecimento vem mediante uma revelação interior. Quando Jesus lidou com a mulher junto ao poço em Samaria, Ele empregou uma palavra de sabedoria para convencer a ela, uma pecadora, de sua necessidade de um Salvador. A mulher queria aquela água viva, mas Jesus mandou-a ir buscar primeiro o marido. Quando ela disse que não tinha marido, Jesus respondeu: Disseste bem. Você já teve cinco maridos e aquele que você vive agora não é seu marido. Jesus sabia isso por uma revelação interior – uma palavra de conhecimento (fatos que já haviam acontecido) – e usou esse dom para indicar a ela o caminho da salvação.




(3) - Palavra de conhecimento usada para iluminar um servo desanimado - I Rs 19:1-4, 14, 18 – Quando alguém disse ao profeta Elias que Jezabel iria fazer com ele o mesmo que o fizera aos profetas de baal, Elias ficou com medo. Sentou-se debaixo do zimbro e pediu a Deus para morrer. Deus, porém, deu a ele uma palavra de conhecimento que o encorajou (verso 18). Elias não poderia ter sabido disso de nenhuma outra maneira.




(4) - Palavra de sabedoria usada para desmascarar um hipócrita - II Rs 5:25-26 – Depois de Naamã ter sido curado da lepra, queria dar ao profeta Eliseu conjuntos de roupas, prata, ouro e outros presentes para expressar a sua gratidão. Eliseu, no entanto, recusou. O servo de Eliseu, Geazi, porém, correu atrás de Naamã e mentiu para ele. Naamã estava tão emocionado com a sua cura que deu a Geazi o dobro daquilo que pedira. Depois, Geazi escondeu os presentes; quando voltou a Eliseu, este falou as palavras dos versos 25-26 – Como é que Eliseu poderia saber o que acontecia a vários quilômetros de distância? Deus revelou! Ele deu a Eliseu uma revelação sobrenatural daquilo que acontecera e, assim, o hipócrita foi desmascarado.




(5) - Palavra de conhecimento dada para advertir um rei contra o plano inimigo - II Rs 6:9-12 – Cada vez que os sírios armavam uma emboscada contra Israel, o profeta de Deus revelava os planos deles ao rei de Israel. O rei da Síria reuniu em o seu gabinete sob o pretexto de haver um traidor entre eles. Os servos do rei responderam que não havia traidor entre eles, mas que um profeta de Deus, em Israel, contava o que o rei da Síria fava no seu próprio quarto. Essa revelação a respeito das emboscadas pelos sírios era uma revelação sobrenatural: O profeta Eliseu não poderia ter sabido dos planos do inimigo; ele não estava na Síria! Os planos do inimigo lhe foram revelados de modo sobrenatural mediante uma palavra de conhecimento e seus país foi salvo do perigo.




(6) - Palavra de conhecimento usada para ajudar a recuperar bens perdidos - I Sm 9:1-6, 19-20 – Enquanto Saul estava à busca das jumentas do seu pai, que ou se desgarraram ou tinham sido furtadas, alguém sugeriu que fosse procurar o profeta Samuel. Quando Saul perguntou a Samuel a respeito do paradeiro das jumentas, Samuel lhe disse: “JÁ FORAM ACHADAS”.




(7) - Palavra de conhecimento usada para descobrir um homem escondido - I Sm 10:21-23 – Embora Samuel já tivesse ungido Saul rei de Israel, quando veio a hora de lançar sortes para determinar quem seria rei, Saul se escondeu entre a bagagem. Quando o povo não conseguiu achá-lo, inquiriu do Senhor, ao invés de mandar todos irem procurá-lo. E o Senhor lhes contou exatamente onde Saul estava e, quando o procuraram ali, o acharam. Trata-se da palavra do conhecimento em ação.





IV – O DOM DE DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS:




DISCERNIR significa “JULGAR PERFEITAMENTE”, “DISTINGUIR”, “VER”, de modo que a pessoa está discernindo ou vendo no âmbito dos espíritos e não terá dúvida alguma de nomear o espírito que estiver em operação no momento da revelação.




Tem o sentido de penetrar por baixo da superfície, desmascarando e descobrindo a verdadeira fonte dos motivos e da animação. O Senhor achou por bem conferir à sua igreja uma parcela desse poder.


 

 

Leiamos I Tm 4:1; II Ts 2:9; Apc 13:14; Mt 24:24 – Este dom pode revelar ao povo de Deus cheio do Espírito a origem de qualquer manifestação sobrenatural.




Devemos observar que a expressão “espíritos” está no plural. Isso se deve pelo motivo da existência de vários tipos de espíritos que podem atuar. Meditemos em Ef 2:2; 6:11-12; Hb 1:12-14 - Na dimensão espiritual, há espíritos bons ou divinos, os espíritos malignos, o Espírito Santo, e o espírito humano com suas tendências boas ou más.




(1) - DISCERNINDO A SEMELHANÇA DE DEUS - Gn 32:30; Ex 24:9-11; 33:17-23; Nm 12:4-8; Jz 5:13-15; 6:17-24; 9:2-6, 9-11, 21-22; II Sm 22:1, 7, 10-11; I Rs 22:19; Is 6:1-5; Ez 1:15-29; 2:9; 3:23; 8:4; 10:15-22; Am 9:1 – São exemplos de enxergar dentro da dimensão espiritual. Eles puderam ver a semelhança de Deus. Não viram a Deus; viram a semelhança de Deus. Trata-se da manifestação do discernimento de espíritos.




(2) - DISCERNINDO O CRISTO RESSURRETO - Apc 1:12-16; At 7:55-56 – Através do discernimento de espíritos ou de ver dentro da dimensão espiritual, a pessoa pode até mesmo discernir o Cristo ressurreto!




(3) - DISCERNINDO O ESPÍRITO SANTO - Jo 1:32-34; Apc 1:4; 4:1-11 – Isto significa simplesmente que estavam enxergando dentro da dimensão espiritual e vendo alguns dos aspectos do Espírito de Deus.




(4) - DISCERNINDO OS ESPÍRITOS DEMONÍACOS - Mc 16:9; At 16:16-18; Apc 13:1-2, 11 – O dom de discernimento de espíritos também revela o tipo de espírito por detrás de uma manifestação sobrenatural, quer maligna, quer boa.




(5) - DISCERNIMENTO DOS QUERUBINS, SERAFINS, ARCANJOS, HOSTE DE ANJOS – II Rs 6:15-17; II Sm 24:15-14; Lc 1:8-13; Apc 5:2; Apc 7:1-2; 10:1, 5.




(6) - DISCERNIMENTO DO ESPÍRITO HUMANO COM SUAS TENDÊNCIAS BOAS OU MÁS – II Rs 4:8-10; Ne 6:10-14; Jr 23:21-26 - Essa classe não desapareceu da terra. Ainda há os que falam presunçosamente do seu próprio espírito, por motivos do seu próprio interesse ou pelo anseio de liderança. Um dos propósitos do dom de discernimento de espíritos é habilitar o povo de Deus a distinguir o espírito pelo qual fala o profeta; Mc 2:8; 12:13-15; Jo 1:47-49; 13:21-30; At 5:1-11; 8:18-24; 13:8-12.




(7) – DISCERNINDO OS ESPÍRITOS DE ENFERMIDADES – Mt 12:22; Mc 9:25; Lc 8:29; 13:11-16 – Não estamos ensinando e não cremos que em todos os casos semelhantes de enfermidades sejam as doenças causadas por espíritos maus. Porém, quando isto acontece, só há cura quando o espírito de enfermidade é expulso pelo poder de Deus. Nas doenças causadas por espíritos de enfermidades, os meios empregados no tratamento são diferentes do tratamento de uma enfermidade comum.




Assim, o dom de discernimento de espíritos nos habilita a conhecer ou ver o espírito que estiver em manifestação.





IV – CONSIDERAÇÕES FINAIS:




Ef 1.7 – Sigamos este exemplo de oração do apóstolo Paulo, posto que estamos vivendo “tempos trabalhosos”, e temos necessidade da sabedoria que vem do alto e do poder de Deus. O Senhor deseja nos outorgar os dons de revelação, a fim de que sejamos edificados e jamais venhamos a cair nas astutas ciladas do maligno.



FONTES DE PESQUISA E CONSULTA:

1)       Revista “OBREIRO APROVADO”, ANO XVI – Nº 63.
2)       Comentário Bíblico Broadman - JUERP.
3)       Introdução e Comentário – Cartas Aos Coríntios, CPAD.
4)       A Mensagem de I Coríntios - David Prior, John R. W. Stott - ABU Editora
5)       Lições Bíblicas CPAD – 2º Trimestre de 2014 – Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima