Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







27 de fev de 2010

LIÇÃO Nº 10 - 07/03/2010 - "A DEFESA DA AUTORIDADE APOSTÓLICA DE PAULO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO 10 - DIA 07/03/2010
TÍTULO: “A DEFESA DA AUTORIDADE APOSTÓLICA DE PAULO”
TEXTO ÁUREO – II Cor 1:1
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: II Cor 10:1-8, 17-18
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br


I – INTRODUÇÃO:

· Jo 8:44; Apc 12:10 cf At 17:5-6 - Satanás não respeita qualquer princípio ético; não tem escrúpulos em mentir; acusar é um de seus papéis. O que ele precisa é de instrumentos humanos que se deixem usar, pois isto facilita o trabalho dele contra os servos do Senhor.

· Para um Homem de Deus os atentados contra sua honra podem representar uma dor mais doída do que o ser espancado com vara numa praça pública. A vara fere o corpo; a ofensa à honra, fere a alma. Não é sem razão que a honra de um homem de Deus, de um homem decente, honesto, correto tem sido um dos alvos prediletos de Satanás. Na maioria das vezes é de difícil defesa e espalha-se como fogo em palha seca. Mesmo diante de tal quadro O HOMEM DE DEUS PRECISA ESTAR PREPARADO PARA SUPORTAR CALÚNIAS, INJÚRIAS e DIFAMAÇÕES

II - SIGNIFICADOS DA PALAVRA “AUTORIDADE”:

· A maneira como a palavra “autoridade” é empregada na Bíblia normalmente significa o direito conferido a uma pessoa para fazer determinadas coisas, em função do cargo ou da posição que ocupa; significa PODER OU DIREITO DE AGIR, PARTICULARMENTE DE DAR ORDENS E DE SE FAZER OBEDECER.

· TIPOS DE AUTORIDADE: Há duas formas básicas de autoridade:

· (1) – AUTORIDADE INTRÍNSECA – Aquela inerente à natureza ou à essência de algo. Por exemplo: A autoridade de Deus, que é absoluta e incondicional – Sl 19:10; Is 40; e

· (2) – AUTORIDADE DELEGADA – Aquela concedida, derivada ou outorgada a alguém, proveniente de outra fonte de autoridade. Por exemplo: dos governos civis (Rm 13:1-7); dos pais (Ef 6:1-4); dos pastores e líderes (Hb 13:7, 17).

III – A PALAVRA “APÓSTOLO”:

· Algumas vezes a palavra APÓSTOLO é usada no N.T. em uma acepção genérica, com o significado de MENSAGEIRO. Exemplos: Jo 13:16 (enviado = apóstolo); II Cor 8:23 (mensageiros = apóstolos das Igrejas). O próprio Jesus é chamado O APÓSTOLO, em uma alusão  a Sua função como enviado especial de Deus ao mundo – Hb 3:1

· No entanto, a palavra APÓSTOLO assume um sentido mais amplo nas Epístolas Paulinas. Abrange as pessoas que, assim como Paulo, não estavam entre os doze apóstolos, mas que haviam visto o Cristo ressurreto e foram especialmente enviadas por Ele.

· Isto exposto, APÓSTOLO significa enviado especial de Jesus Cristo; uma pessoa a quem Jesus conferiu autoridade para realizar determinadas tarefas (Mc 3:14; 6:30).

IV – AUTORIDADE APOSTÓLICA:

· A autoridade apostólica é a AUTORIDADE DELEGADA por Jesus, pois os apóstolos:

· (A) – Eram testemunhas comissionadas por Cristo e Seus representantes – Mt 10:40; Jo 17:18; 20:21; At 1:8; II Cor 5:20);

· (B) – Receberam autoridade para fundar, edificar e regular Sua Igreja Universal – II Cor 10:8; 13:10;

· (C) – Deram ordens e prescreveram disciplina em nome de Cristo, demonstrando serem porta-vozes de Deus e possuírem autoridade divina – I Cor 5:4; II Ts 3:6;

· (D) – Apontavam diáconos e presbíteros – At 6:3, 6; 14:23;

· (E) – Apresentavam ensinamentos como as verdades de Cristo, tanto quanto ao conteúdo como quanto à forma de expressão (I Cor 2:9-13 cf I Ts 2:13), a norma da fé (II Ts 2:15 cf Gl 1:8) e do comportamento (II Ts 3:4-6, 14); e

· (F) – Esperavam que suas regulamentações fossem recebidas como “mandamentos do Senhor” – I Cor 14:37.

· Assim, a autoridade que Cristo conferiu aos apóstolos era única. Não poderia ser transmitida a outros. Os apóstolos poderiam investir pessoas nas funções de presbíteros, líderes ou mestres nas Igrejas, dando-lhes autoridade para assumir determinadas responsabilidades. No entanto, a autoridade apostólica não chegou até nós através de seus sucessores, mas, sim, por seus escritos encontrados no Novo Testamento.

· Por isso, transcrevemos aqui as palavras do filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard: “NÃO SOU OBRIGADO A OBEDECER A PAULO PORQUE ELE ERA EXEPCIONALMENTE INTELIGENTE; DEVO SUBMETER-ME A PAULO PORQUE ELE TEM AUTORIDADE DIVINA.”

V – A DEFESA DA AUTORIDADE APOSTÓLICA:

· Paulo tinha opositores: eram os falsos mestres, tanto internos como externos, legalistas judeus e, por isso, chamados de judaizantes; viviam como judeus, de acordo com as normas religiosas dos judeus (II Cor 11:26; Gl 2:14); agora ingressos no Cristianismo, queriam que os gentios observassem a lei de Moisés (At 15:1). Esses homens saíram de Jerusalém por sua própria conta; Tiago disse que nãos os enviara, portanto não podiam representar a Igreja de Jerusalém (At 15:24).

· A alegação de Paulo de que era um apóstolo foi contestada pelos opositores. Entretanto, Paulo considerava que as bases para a sua condição de apóstolo eram:

· (1) - O chamado direto do Senhor glorificado, que havia lhe aparecido na estrada para Damasco; e

· (2) - A graça de Deus sobre o seu ministério de alcançar pessoas para o Evangelho e plantar Igrejas – I Cor 15:10.

· Havendo Paulo sido um perseguidor da Igreja antes de sua conversão, os opositores tentavam excluí-lo da lista dos apóstolos! Os opositores pareciam levar vantagem, por não ser Paulo um dos doze que conviveram com Jesus. Eles sabiam dos requisitos apresentados pelo apóstolo Pedro! – At 1:21-25 - mas ignoravam o que está escrito na Palavra do Senhor acerca dos apóstolos que Deus constitui sobre a Sua Igreja – I Cor 12:18; Ef 4:11. Desta forma a Igreja de Corinto estava correndo o perigo de ser persuadida pelos opositores de Paulo.

· Paulo rebateu veementemente as acusações sofridas. A ênfase que ele dá à origem de seu apostolado mostra que o único que tem autoridade de constituir apóstolos é o Senhor Jesus. Além disso, ele afirma quatro vezes ter visto o Senhor (I Cor 9:1; 15:8; II Cor 4:6; Gl 1:15-16); o Livro de Atos dos Apóstolos apresenta Paulo como apóstolo (At 14:14).

· Paulo venceu seus opositores, não com armas carnais, tais como, eloqüência, organização, propaganda e coisas semelhantes, que são por si mesmas neutras, mas que podem ser usadas para o mal, por serem subservientes ao egoísmo, artimanhas e violência caracteristicamente humanas; Paulo os venceu com as armas espirituais, que são poderosas em Deus para destruição ou demolição de fortalezas – II Cor 10:4-5.

VI - A DEFESA DA AUTORIDADE MINISTERIAL NOS DIAS DE HOJE:

· Parece que é tendência ainda hoje ser mais fácil induzir alguém ao erro do que levá-lo à verdade. Tais pessoas conhecem o seu pastor, sua história, sua origem, sua família, seu trabalho, sua dedicação à Igreja e seu cuidado com o rebanho. Porém, trocam esse homem de Deus por estranhos que sequer conhecem sua origem!

· A melhor defesa para um homem de Deus contra qualquer tipo de acusação feita ao Seu Ministério está no fato de ter uma consciência tranqüila diante do povo e diante do seu Deus.

· Paulo tinha - I Ts 2:1-8 - Um homem de Deus que prega e ensina a Palavra do Senhor, não procura induzir o povo ao erro, a fim de tirar proveito pessoal; tem sua consciência tranqüila diante de Deus. Paulo podia dizer – “...não buscamos glória dos homens, nem de vós, nem de outros, ainda que podíamos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados” - Um homem de Deus que não busca sua própria glória, que não faz a Obra de Deus para ser louvado pelos homens, que abre mão até mesmo de direitos que lhe são conferidos em virtudes do cargo que ocupa, tem sua consciência tranqüila diante de Deus (II Ts 3:6-10; At 20:17-21, 36-38)

· Moisés tinha – Nm 16:1-3 - Quando seu Ministério foi contestado, ele pode declarar sua integridade moral. Moisés era um homem que tinha as mãos limpas. Não era uma simples, mas uma rebelião de “peso”. Os Ministérios de Moisés e de Arão estavam sendo postos em dúvidas! (Nm 16:12-13). Contudo, não houve troca de acusações, escândalo, brigas! Moisés tinha sua consciência tranqüila diante de Deus; ele tinha consciência de que não havia dado causa àquela rebelião. Ele era um homem íntegro diante de Deus (Nm 16:15). Quando o homem de Deus tem sua consciência tranqüila e a certeza de estar com suas mãos limpas, ele pode entregar a Defesa de Seu Ministério nas mãos de seu Deus! Moisés fez isto e Deus tomou as providências necessárias, sem prejuízo para a integridade do povo, consumindo os rebeldes (Nm 16:32-33) - A melhor defesa para um homem de Deus contra qualquer tipo de acusação feita ao Seu Ministério está no fato de ter uma consciência tranqüila diante do povo e diante de Deus.

· Samuel tinha - No final de Seu Ministério ele desafiou a qualquer do povo para que apresentasse uma só mancha em seu Ministério (I Sm 12:1-5).

· Paulo – Moisés – Samuel - Três homens de Deus! Três Ministérios diferentes! Três homens que tinham suas consciências tranqüilas diante do povo e diante de Deus! Três homens de “mãos limpas”! Três exemplos para todos os Obreiros de hoje! Aconteceu no passado! Acontece hoje! Qualquer homem de Deus, mesmo sem causa, poderá ter Seu Ministério contestado e até colocado em dúvidas. Mas, nos três exemplos citados, aqueles homens não vacilaram em invocar o testemunho de Deus sobre seus Ministérios e não tiveram medo de desafiar o povo a apontar qualquer mancha em suas vidas e desempenho Ministerial.

· Daí voltamos a afirmar que a melhor defesa para um homem de Deus contra qualquer tipo de acusação feita ao Seu Ministério está no fato de ter uma consciência tranqüila diante do povo e diante de Deus (I Pe 3:16-17; 4:15-16).

VII - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

· Lc 22:26-27 - O uso mais nobre da autoridade envolve a atitude de servir ao próximo. O cristão que procura seguir o exemplo de Cristo aprenderá a usar sua autoridade com as pessoas e não sobre elas. No mais, o cristão, que deve ser sábio, não se esquece de que toda forma delegada de autoridade irá um dia retornar a Deus, que a concedeu (I Cor 15:24-28). No entanto, as recompensas pela fidelidade irão durar por toda a eternidade (I Jo 2:17).

FONTES DE CONSULTA:


· Comentário Bíblico Broadman - JUERP


· Lições Bíblicas CPAD – 2º Trimestre de 1999 – Comentarista: Esequias Soares


· Lições Bíblicas CPAD – 3º Trimestre de 1993 – Comentarista: Eurico Bergstén


· Enciclopédia da Bíblia – Editora Cultura Cristã


· Dicionário Ilustrado da Bíblia – Edições Vida Nova


· O Novo Dicionário da Bíblia – Edições Vida Nova

20 de fev de 2010

LIÇÃO Nª 09 - 28/02/2010 - "O PRINCÍPIO BÍBLICO DA GENEROSIDADE"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO 09 - DIA 28/02/2010
TÍTULO: “O PRINCÍPIO BÍBLICO DA GENEROSIDADE”
TEXTO ÁUREO – II Cor 9:7
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: II Cor 8:1-5; 9:6-7, 10-11
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br



I – INTRODUÇÃO:

· Mt 4:23 - JESUS É O MODELO E A INSPIRAÇÃO PARA A AÇÃO SOCIAL! Ele pregava (evangelização); ensinava (educação) e curava (cuidado do corpo – mantendo-o saudável). Nem todas as dimensões da obra do Senhor nos atraem com a mesma intensidade, mas todas foram deixadas como missão da Igreja de Jesus.

II – SIGNIFICADO DA PALAVRA GENEROSIDADE:

. GENEROSIDADE = Liberalidade de espírito, especialmente na contribuição aos necessitados. A generosidade é considerada a nobreza do caráter. Ela se manifesta de duas maneiras principais:

· (1) – LIBERALIDADE – Pv 19:17 – Qualidade daquele que gosta de fazer doações, de repartir o que tem com o que não tem. O crente deve ser liberal, tanto em contribuir para a obra de Deus, como em ajudar os necessitados. Se alguém tem compaixão pelos pobres, tudo o que ele oferece aos necessitados, é como se emprestasse a Deus. O próprio Senhor é quem pagará tal benefício. Cristo deu o exemplo máximo de liberalidade (II Cor 8:9, 13-15; Ml 3:10).

· (2) – LONGANIMIDADE – Pv 19:11 – A generosidade também se manifesta em perdoar com facilidade. A longanimidade é o adiamento da ira, para se tolerar mais um pouco. Deus é longânimo conosco, ao perdoar nossos grandes e frequentes pecados. Perdoar é ter um caráter semelhante ao de Cristo que sempre esteve pronto a perdoar (I Tm 1:16 cf Ef 4:32).

III - CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA QUE PERDEU A SENSIBILIDADE SOCIAL:

·  A Igreja deve ser encarada como comunidade de pessoas que tem problemas sociais e materiais, os quais precisam ser amenizados pela participação de todos os membros. Por isso, Paulo ensinou à Igreja de Corinto o modo de cooperar na obra do Evangelho, financeiramente – I Cor 16:1-3

·  Leiamos Lc 10:25-37:

·  (1) - ELA IGNORA QUEM SEJA SEU PRÓXIMO – No íntimo, aquele doutor nunca creditaria a um samaritano (uma raça, a seu ver, impura e maculada) a condição de próximo. Nem seria misericordioso com alguém que pertencia a um povo cujas relações com os judeus estavam cortadas. Muitas Igrejas vivem assim! Voltam-se para dentro de si mesmas, sem nenhum interesse real pelo próximo. Em muitas Igrejas não se conhece o amor ao próximo e muito menos o próximo, porquanto o lema é: “CADA UM POR SI E DEUS POR TODOS”. Então, quem é o meu próximo? - É todo aquele que estiver ao alcance da minha ação abençoadora, da minha misericórdia. Enfim, o próximo não é somente aquele que está perto dos nossos olhos, mas todos os que estão perto do nosso coração.

·  (2) - ELA É INSENSÍVEL ÀS NECESSIDADES HUMANAS - Os próprios líderes religiosos viram uma pessoa precisando de socorro e passaram sem dar a mínima importância! O sacerdote e o levita não puderam ver o necessitado como seu próximo porque tinham medo que fosse samaritano. Quantas pessoas não despedimos sem lhes dar socorro, porque achamos que não merecem nossa ajuda? Mas, para todos os efeitos, QUEM É MERECEDOR? SE ELES NÃO SÃO, TAMPOUCO NÓS! (Lm 3:22; I Cor 15:10).

IV – CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA VIVA, QUE POSSUI SENSIBILIDADE SOCIAL:


. A Parábola do Bom Samaritano tem um final feliz, porque um samaritano foi usado para nos ensinar o modo correto de praticar nossa missão social.

·  (1) -  ELA AGE COM MISERICÓRDIA – O samaritano parou, desceu do seu cavalo e socorreu. Não se preocupou em saber se o necessitado era judeu ou não. Apenas o viu como alguém necessitado, ou seja, seu próximo que precisava ser socorrido. Antes de procurarmos ver de quem se trata, nosso amor cristão deve nos impulsionar a ações abençoadoras. A bem da verdade, não faz nenhuma diferença para o coração genuinamente cristão quem é que está precisando de ajuda, quem é o próximo. Por definição cristã, quem está necessitado é meu próximo e deve ser alvo do meu amor. O levantamento de ofertas nas Igrejas da Macedônia, Acaia e Corinto, foi para atender os santos de Jerusalém que estavam empobrecidos (Rm 15:26; II Cor 8:1-4). O objetivo do levantamento das ofertas era claro: IGUALDADE SOCIAL. Por duas vezes o apóstolo cita a expressão PARA QUE HAJA IGUALDADE (II Cor 8:13-15).

·  (2) -  ELA AGE COM LIBERALIDADE – O samaritano usou seu próprio remédio, colocou o ferido em sua condução, levou-o a um hospital e pagou a despesa. Ele não tirou nenhum folheto do bolso e o pôs na mão do enfermo, deixando-o à própria sorte. Ele tirou remédio, dinheiro e o abençoou. O que estava no interior do samaritano é que o constrangeu a servir o próximo: O AMOR DE DEUS! AÇÃO SOCIAL NÃO É MÉTODO EVANGELÍSTICO, MAS REFLEXO DO AMOR DE DEUS NOS CORAÇÕES DOS CRENTES (Mc 2:1-11)!

·  (3) - ELA NÃO DEIXA DE AGIR FACE AOS RISCOS – O caminho de Jerusalém para Jericó era muito perigoso, pois havia muitos assaltantes à espreita. Era uma região violenta e não convinha parar no meio da estrada. Quem o fizesse, corria perigo de vida e de ser assaltado. Não era recomendável parar o cavalo e descer naquele lugar. O risco era grande! Mas graças a Deus que há cristãos e Igrejas que estão enfrentando esses riscos. Vão a lugares pouco amistosos, inclusive nas madrugadas, levando roupas, cobertores e remédios, entre outras coisas. Estão empenhados num grande projeto de socorrer o necessitado que vive nessas ruas perigosas. Somente quando a Igreja de Jesus neste país assimilar essa consciência de missão, é que poderemos transformar a história.

. Paulo forneceu uma pequena demonstração da forma pela qual a Igreja de Corinto deveria realizar a doação:

. (A) - Da sua pobreza - II Cor 8:2;

. (B) - Generosamente - II Cor 8:3;

. (C) - Proporcionalmente - II Cor 8:12-14;

. (D) - Abundantemente - II Cor 9:6; e

. (E) - Espontaneamente e alegremente - II Cor 9:7;

V - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

· O Salmo 41 destaca as seguintes BÊNÇÃOS DECORRENTES DA MISERICÓRDIA PARA COM OS NECESSITADOS:

·  (1) - O LIVRAMENTO DE DEUS - (Sl 41:1-2) – Atitude de misericórdia para com o pobre é um negócio de Deus através de nós. E a certeza que temos é de que se cuidarmos dos negócios de Deus, Ele cuidará dos nossos.

·  (2) - CONFORTO NA DOENÇA - (Sl 41:3) - É extremamente consolador saber que quando os recursos humanos já nada mais podem fazer para ajudar-nos, o conforto do Senhor nos assiste, mesmo que seja em nossas enfermidades.

·  (3) - TRIUNFO SOBRE A TRAIÇÃO - (Sl 41:9-11) - Deus busca homens e mulheres de espíritos desarmados da violência, a transbordar de compaixão e que gozem no cotidiano a bem-aventurança da misericórdia, ensinada no Evangelho (Mt 5:7).

· “O QUE É DE BONS OLHOS SERÁ ABENÇOADO, PORQUE DEU DO SEU PÃO AO POBRE” – Pv 22:9 - As bênçãos de Deus repousam sobre o generoso. Além de contar com a justiça divina, o que estende sua mão para ajudar os necessitados terá sempre a acompanhá-lo a gratidão e as orações daqueles a quem ele ajudou. Assim, ser generoso é contemplar com alegria a felicidade de alguém, é alegrar-se com o que se alegra. Ainda que não tenha muita abundância, o generoso pode viver feliz e desfrutar bem o que possui.

· Leiamos com atenção Dt 15:9-10; Pv 28:27 e II Cor 9:7-8.


FONTES DE CONSULTA:

· Lições Bíblicas CPAD - 1º Trimestre de 1987 - Comentarista: Raimundo F. de Oliveira


· Lições Bíblicas CPAD – 3º Trimestre de 1996 – Comentarista: Esequias Soares


· Revista Campeões da Fé – CPAD – 3º Trimestre de 1997 – Comentarista: Arézia Lessa Cabral


· José Armando S. Cidago - Um Grito pela Vida da Igreja - CPAD


· Revista Educação Cristã – Vol. IX – Os Ministérios da Igreja – SOCEP – Sociedade Cristã Evangélica de Publicações Ltda

17 de fev de 2010

LIÇÃO Nº 08 - 21/02/2010 - "EXORTAÇÃO À SANTIFICAÇÃO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO 08 - DIA 21/02/2010
TÍTULO: “EXORTAÇÃO À SANTIFICAÇÃO”
TEXTO ÁUREO – II Cor 7:1
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: II Cor 6:14-18; 7:1, 8-10
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br


I – INTRODUÇÃO:

• Ainda se pode falar em santidade? Em santificação? Ou estas palavras estão fora de moda? Até onde se percebe, muitos obreiros não estão mais falando nesses assuntos no púlpito. Parece que estamos vivendo a era da "mundanização" eclesial. Há uma perda de identidade muito grande por parte de igrejas que antes eram bem conhecidas por sua liturgia, postura, valores, cultura, história, não só em termos de usos e costumes, mas de ética, moral e santidade. Estamos assistindo à maior avalanche da influência do mundo sobre as igrejas de que se tem conhecimento.

II - SIGNIFICADOS DA SANTIFICAÇÃO:

• (A) - SEPARAÇÃO DO CRENTE DE TODO O MAL OU IMPUREZA: - II Cr 28:1-4, 24; II Cr 29:1-5, 15-19 - Nestes trechos a palavra santificar significa a PURIFICAÇÃO DE TODO O MAL OU IMPUREZA - primeiro dos sacerdotes e levitas, depois, do templo.

• (B) - CONSAGRAÇÃO PESSOAL - Jr 1:5; Jo 10:35-36; 17:9 - A separação ou o afastamento do mal é apenas um aspecto da santificação. Deve haver também uma consagração a Deus. Uma pessoa, um lugar ou uma coisa separada ou dedicada exclusivamente ao serviço do Senhor é consagrado.

• (C) - UMA VIDA SANTA - Lv 19:1-2; 20:7 - A santidade é um mandamento das Escrituras. Significa ser livre de toda contaminação; pureza de vida. Pela nossa conduta e por nosso desejo de servir somente a Deus, somos conhecidos como um povo santo. Cada crente em Cristo deve fugir de toda contaminação do mundo; deve considerar-se morto para o pecado e vivo para Deus. Somente assim estará cumprindo o mandamento: SEDE SANTOS. (II Cr 6:17; Rm 6:11, 13; Cl 3:1-2) cf (I Pe 1:15-16).

• Daí, vemos os resultados da santificação: purificação do pecado; consagração a Deus; uma vida santa.

III - MEIOS DA SANTIFICAÇÃO:

• Deus mesmo estabeleceu os meios próprios através dos quais Ele opera a nossa santificação. Entre tantos outros, destacaríamos apenas os seguintes:

• (1) - PELA PALAVRA DE DEUS – Jo 17:17; Ef 5:26; Hb 4:14 – A Palavra de Deus lava, possuindo efeito santificador, purificador, penetrante. Desse modo nenhuma parte do crente (espírito, alma e corpo) foge ao alcance e ação da Palavra sondadora de Deus.

• (2) - PELO SANGUE DE JESUS – Hb 13:12 - O sangue de Jesus é a base de toda a nossa pureza e vitória. Sempre que o Espírito Santo lida conosco, seja por causa dos nossos atos pecaminosos ou devido à nossa natureza transgressora, Ele nos faz voltar à cruz donde o sangue purificador jorra para todos quantos buscam a purificação.

• (3) - PELA SANTÍSSIMA TRINDADE - Somos santificados por Deus Pai (I Ts 5:23); Deus Filho (Hb 2:11); e Deus Espírito Santo (II Ts 2:13). Observemos, ainda, que a Santidade de Deus foi declarada...:

• (A) - ... pelo próprio Deus – “...eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”- Lv 19:2;

• (B) - ... pelos seres angelicais – “Os Serafins estavam acima dele...E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos...”- Is 6:2-3;

• (C) - ... pelos homens – “Não há santo como é o Senhor; porque não há outro fora de ti e rocha nenhuma há como o Senhor nosso Deus”- I Sm 2:2;

• (D) - ... pelos demônios – “... bem seis quem és: o Santo de Deus" - Mc 1:24;

• (E) - ... no Céu – “...e não descansavam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo Poderoso, que era, e que é, e que há de vir”- Apca 4:8;

• Ainda mais...

- (1) - ELE É PAI SANTO (Jo 17:11);

- (2) - ELE É DEUS SANTO (I Sm 6:20);

- (3) - ELE É SANTO DOMINADOR (Apc 6:10);

- (4) - ELE É TÃO SANTO QUE NÃO PODE VER O MAL (Hc 1:13);

- (5) - ELE É MAIS SANTO QUE AS ESTRELAS (Jó 25:5);

- (6) - ELE É MAIS SANTO QUE OS CÉUS (Jó 15:15);

- (7) - SEU TRONO É SANTO (Sl 47:8);

- (8) - SEU NOME É SANTO (I Cr 16:35; Sl 33:21);

- (9) - SUAS PALAVRAS SÃO SANTAS (Sl 105:42; Rm 7:12);

- (10) - SUA IGREJA É SANTA ( Rm 1:7; I Cor 1:2);

- (11) - SEUS SERVOS SÃO SANTOS (At 3:21; Ef 3:5);

IV - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

• Lv 19:1-2; I Pe 1:15-16 - Ser Santo é uma exigência de Deus! Quem é, pode exigir! Por isso, para quem afirma que a santificação era somente para a o tempo da Lei, Deus diz: “PORQUE EU, O SENHOR, NÃO MUDO...” (Ml 3:16).

• Não esqueçamos: ONDE HÁ PECADO, O POVO DE DEUS FICA FRACO, POSTO QUE SEM A PRESENÇA DE DEUS (Js 7:12); ONDE HÁ SANTIDADE, O POVO DE DEUS FICA FORTE, COM TEMOR REVERENTE, POSTO QUE TEM A PRESENÇA DE DEUS (Ex 19:10-11, 14, 16-19)



FONTES DE CONSULTA:

• Participação da Sua Santidade – Um Estudo da Doutrina da Santificação – Editora Fonte de Luz


• Conhecendo as Doutrinas da Bília – Editora Vida – Myer Pearlman


• Estudo Bíblico: “Santidade e santificação estão fora de moda?” - Pr. Elinaldo Renovato de Lima


• Estudo Bíblico: “A santificação cristã” – Pr. Raimundo de Oliveira


• Estudo Bíblico: “Exortação à Santidade” – Prof. Antonio Sebastião da Silva


• O Deus Vivo e Verdadeiro – CPAD – Geziel Gomes

9 de fev de 2010

LIÇÃO Nº 07 - 14/02/2010 - "PAULO, UM MODELO DE LÍDER-SERVIDOR"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICALDA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO 07 - DIA 14/02/2010
TÍTULO: “PAULO, UM MODELO DE LÍDER-SERVIDOR”
TEXTO ÁUREO – II Cor 6:1
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: II Cor 6:1-10
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br



I - INTRODUÇÃO:

.  ANTES DE FAZÊ-LO LÍDER E FUNDADOR DE IGREJAS, DEUS FEZ DE PAULO UM SERVO!

II - SERVO VERSUS APÓSTOLO:

· Rm 1:1 – Aqui há um claro paradoxo: “... Paulo, SERVO de Jesus Cristo, chamado
para ser APÓSTOLO...”.

· SERVO = Escravo. Significa pertencer a alguém, a um senhor. Paulo pertencia à classe de escravo cujas orelhas eram furadas e cuja liberdade estava em ser cativo – Dt 15:16-17.

· APÓSTOLO = Alguém especialmente comissionado com plenos poderes de seu superior. Enviado, mensageiro.

· APÓSTOLO era um dos títulos mais alto e mais reconhecido na Igreja Primitiva! Era considerado um cargo de liderança! Porém, Paulo se apresenta como “SERVO, ESCRAVO”!

III - O PREPARO DO LÍDER-SERVIDOR:

· De perseguidor, Paulo transforma-se em perseguido, tendo uma visão de Jesus na estrada de Damasco (At 9:1-17).

· Após conhecer quem era JESUS, Paulo pensou estar preparado para pregar o Evangelho. Mas não estava! Prega em Damasco, no entanto é perseguido e foge (At 9:18-25).

· Vai para Jerusalém, onde estavam os apóstolos. Lá, pensou que seria aceito, mas não foi. Duvidaram dele e foi rejeitado (At 9:26).

· É quando Barnabé aparece em sua vida. Abraça este homem, investe na sua vida. E então Paulo se anima e faz um projeto para evangelizar Jerusalém. Seus sonhos são grandiosos, mas DEUS não aprova seu projeto, aparece a ele e dispensa a sua obra. Manda que arrume as malas e parta dali (At 9:27-30).

· Paulo vai então para Tarso onde permanece no anonimato por, aproximadamente, dez anos. Dez anos de molho: longe dos acontecimentos, sem ministério. Ali, DEUS retira a sua vaidade, o seu orgulho, a sua intemperança.

· Em seguida começa a acontecer um grande avivamento na cidade de Antioquia e Barnabé (aquele que investiu na vida de Paulo) o chama para lá. Barnabé encontra Paulo; agora não é mais um homem parcial, radicalizado em suas idéias e tradições, mas um servo, um escravo!!! ..... e de lá PAULO é enviado para os gentios e se revela o abençoado LÍDER-SERVIDOR na vida dos cristãos (At 13:1-5).

· Leiamos At 20:4; 26:5 - Antes de ser líder-servidor, Paulo teve um encontro com Jesus! Sua vida foi transformada e o próprio Deus chamou o Seu servo para ser missionário – At 26:12-18

· Diante de tal quadro, podemos considerar que É POSSÍVEL SER SERVO E NÃO SER LÍDER, MAS NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE SER LÍDER SEM SER SERVO OU ESCRAVO. Todos nós somos servos – I Pe 4:10.

IV - UM CURSO PARA QUEM DESEJA SER LÍDER-SERVIDOR:

· Leiamos Mc 10:32-45 - Jesus está pacientemente treinando os seus discípulos para a missão que deviam cumprir. Observemos o modelo de liderança de Jesus:

· (1) – Mc 10:32 – JESUS LIDERA COM CORAGEM, INDO ADIANTE DE SEUS DISCÍPULOS - O líder-servidor vai sempre na frente dos seus liderados. Sabe onde quer chegar e aglutina pessoas para que o acompanhem! - Jo 10.2-4.

· (2) – Mc 10:33-34; Lc 9:51-53 – JESUS CAMINHAVA RESOLUTAMENTE PARA JERUSALÉM, SABENDO QUE SOFRIMENTOS INDESCRITÍVEIS O ESPERAVAM - O verdadeiro líder-servidor é aquele que não recua diante das dificuldades e do alto preço que tem de pagar para cumprir completamente a sua missão! Precisamos de líderes-servidores corajosos como Jesus, que não desistem até a vitória completa sobre as hostes espirituais da maldade, para a libertação de vidas para o Reino de Deus!

· (3) – Mc 10:32, 35-37; Mt 20:20-21 - JESUS SEGUE O CAMINHO DA CRUZ – O pedido de posições honrosas no Reino de Cristo foi feito por dois apóstolos e pela mãe de ambos, depois de Jesus ter falado aos doze sobre a cruz! Os discípulos queriam a glória sem a cruz. Porém, para Jesus, o caminho da glória passava pelo Calvário, pela cruz.

· O diabo tentou desviar Jesus do caminho da cruz, oferecendo-lhe a glória e o poder dos reinos deste mundo (Mt 4.8-10). Ele continua tentando hoje àqueles que estão sendo preparados para liderança. Por isso, somos exortados a ter a mesma atitude de Cristo que foi obediente até ao sacrifício, para que fosse glorificado pelo Pai (Fp 2.5-11). A carne (natureza humana pecaminosa) não serve a Deus (Rm 8.6-7); precisa ser crucificada (Gl 5.24; 6.14).

· Precisamos de líderes que estejam mortos para a carne, para o mundo, para as ambições terrenas, a fim de que possam conduzir o povo de Deus para uma genuína espiritualidade e a vida de Jesus se manifestar – II Cor 4:10-11.

· (4) – Mc 9:33-35; 10:41-45 - JESUS EXERCE AUTORIDADE PARA SERVIR - Houve uma crise no colégio apostólico por questão de poder! Manifestou-se outra vez a tendência de discutir quem dentre eles era o maior. Os discípulos ambicionavam poder para dominar! Teria acontecido uma divisão no Colégio Apostólico, não fosse a intervenção rápida de Jesus!

· Deixemo-nos moldar pelo divino Mestre para que sejamos líderes-servidores. Não esqueçamos: Ser líder e servo de Deus é algo de que devemos nos gloriar. Humilhante, pejorativo, depreciativo, desonroso, vergonhoso, é ser líder e servo do pecado, servo de Satanás.

V - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

· Segundo o modelo de Cristo, o líder-servidor adota o princípio dos quatro “esses”: Submissão ao Superior; e Serviço ao Subordinado.

· A grandeza e o espírito de nobreza manifestam-se na disposição de servir. O maior é quem serve. Este é o modelo de um líder-servidor formado no “Curso de Formação de Líderes-Servidores ministrado pelo Professor, Mestre e Servo Jesus de Nazaré”.



FONTES DE CONSULTAS:

· Estudo Bíblico “Servo x Apóstolo” - Ely Xavier de Barros


· Estudo Bíblico "O Modelo de Liderança Cristã" - Autor desconhecido


· Anotações Pessoais

1 de fev de 2010

LIÇÃO Nº 06 - 07/02/2010 - "O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI – RJ
LIÇÃO Nº 06 – DIA 07/02/2010
TÍTULO - “O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO”
TEXTO ÁUREO – II Cor 5:18
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – II Cor 5:14-15, 17-21
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br



· Por estar mais adequado ao tema da lição, procuramos focalizar, apenas, um dos objetivos indicados pelo comentarista: – “Conscientizar-se que o ministério da reconciliação consiste na proclamação da obra expiatória do Senhor Jesus Cristo” – Pág. 43 (Revista do Professor).
I – INTRODUÇÃO:
. EXPIAÇÃO é o ato pelo qual Deus restaura o relacionamento de harmonia e unidade entre Ele e os seres humanos. Através da graça expiatória de Deus e de Seu perdão, restaura-se nosso relacionamento com Ele, apesar de nosso pecado; é o processo da reunião de duas partes que antes estavam alienadas, para que formem uma unidade. 
II – EXPIAÇÃO NO A. T.:
· Visto que a morte de Jesus é descrita em linguagem que lembra os sacrifícios do A. T., um conhecimento dos termos sacrificiais ajuda grandemente na sua interpretação. Assim, vejamos a TIPOLOGIA DE JESUS NOS SACRIFÍCIOS DO A.T.  
· II.1 - PRIMEIRO SACRIFÍCIO - HOLOCAUSTO ou OFERTA QUEIMADA:
· Lv 1:1-17; 6:8-13; 7:8; 8:18-21; 16:24;
·  Toda oferta deveria ser queimada.

· ELEMENTOS:
· Bode;
· Carneiro ou Cordeiro;
· Ave do sexo masculino (rola ou pombinho para o pobre) – As posses do indivíduo determinavam o tipo de oferta;
· Boi
· Tudo sem defeito

· PROPÓSITOS:
· Ato voluntário de adoração;
· Expiação pelos pecados involuntários em geral;
· Expressão de devoção;
· Compromisso e Completa entrega (submissão) a Deus;
· Obtenção do favor divino;
· Consagração pessoal para a obra de Deus.

· TIPOLOGIA:
· Cristo, nosso sacrifício perfeito, que Se entregou voluntariamente e Se ofereceu imaculado a Deus para fazer Seu inteiro agrado (Hb 9:14; Fp 2:6-8)
· A perfeita obediência de Cristo (Mt 27:35-36; Ef 5:2; Hb 7:26; I Jo 2:6);

· II.2 - SEGUNDO SACRIFÍCIO - OFERTAS DE MANJARES ou OBLAÇÃO:
·  Lv 2:1-16; 6:14-23; Sl 16
· Uma oferta de homenagem que significava uma promessa de leal obediência a Deus.

· ELEMENTOS:
· Grão;
· Flor de farinha;
· Azeite de oliveira;
· Incenso;
· Bolos asmos assados, ou fritos, ou cozidos;
· Sal;
· Sem fermento e sem mel

· PROPÓSITOS:
· Ato voluntário de adoração ou ações de graça;
· Reconhecimento e obtenção da bondade e das provisões de Deus;
· Devoção a Deus;
· Consagração dos bens;
· Dádiva de gratidão a Deus

· TIPOLOGIA:
· Destaca-se a perfeita humanidade de Cristo, ressaltando-se a entrega de Sua vida por todos nós (I Jo 2:6; I Tm 2:5; Jo 13:1)
· II.3 - TERCEIRO SACRIFÍCIO - SACRIFÍCIOS PACÍFICOS ou OFERTAS PACÍFICAS:
·  Lv 3:1-17; 7:11-34; 22:18-30; Sl 85;
· Fala da inteira dedicação da parte do ofertante e da paz com Deus usufruída por aquela que oferecia tal oferta.

· ELEMENTOS:
· Novilho ou cordeiro ou cabra (macho ou fêmea), sem defeito, tomado do rebanho, conforme as posses do indivíduo;
· Variedade de bolos 

· PROPÓSITOS:
· Ato voluntário de adoração;
· Ação de graças e comunhão ou júbilo público, posto que incluía uma refeição de toda a comunidade;
· Gratidão a Deus;
· Comunhão com Deus;
· Desobrigação de votos;
· Reconciliação

· TIPOLOGIA:
· Cristo, mediante a cruz, restaurou a comunhão do crente com Deus; Ele é a nossa Paz, pois fez cessar a guerra (Ef 2:14; Cl 1:20; Fp 4:6-7; I Pe 3:11)
· II.4 - QUARTO SACRIFÍCIO - OFERTA PELO PECADO:
·  Lv 4:1-25; 5:1-13; 6:24-30; Sl 22
· Este tipo de sacrifício era necessário para expiar pecados específicos.
· O grau da culpa e a qualidade da oferta variavam de acordo com a posição e a responsabilidade do pecador.
·  O pecado do sumo-sacerdote era o mais grave, porque era ele quem representava a nação inteira diante de Deus.

· ELEMENTOS:
· Para o sumo-sacerdote e a congregação: Um bezerro ou novilho;
· Para os líderes ou príncipes: Um bode;
· Para qualquer pessoa do povo: Uma cabra ou um cordeiro;
· Para os pobres: Uma rola ou dois pombinhos;
· Para os muito pobres: A décima parte de uma efa de flor de farinha

· PROPÓSITOS:
· Para expiação de pecado específico e involuntário;
· Confissão de pecado;
· Perdão de pecado;
· Limpeza da imundícia;

· TIPOLOGIA:
· Prefigura a crucificação de Cristo fora da cidade de Jerusalém (Hb 13:10-13); Ele se fez pecado por nós  (Is 41:24; At 3:17; I Cor 2:8 cf II Cor 5:21)
· II.5 - QUINTO SACRIFÍCIO - OFERTA DE CULPA ou SACRIFÍCIO PELO SACRILÉGIO ou SACRIFÍCIO DE RESTITUIÇÃO:
· (Lv 5:14-16; 6:7; 7:1-7)
· Este sacrifício indica ao homem a sua culpabilidade e a sua necessidade de ser salvo do julgamento.

· ELEMENTO:
· Somente carneiro sem mácula.
· PROPÓSITOS:
· Para expiação de pecados involuntários que requeriam restituição;
· Culpa por tirar das coisas sagradas ou por alguma perda ao santuário;
· Limpeza da imundícia;
· Fazer restituição, acrescida de 20% ou a quinta parte ("o quinto") - Lv 6:5.

· TIPOLOGIA:
· Cristo, mediante Seu sacrifício, pagou a culpa dos pecados dos crentes (Rm 3:24-26; 5:20; Gl 3:13; Hb 9:22) cf (Is 53:7; Jo 1:29; Apc 5:6) cf (Sl 69:9, 20-21, 31).

. Assim, todos os sacrifícios não somente eram proféticos em relação a Cristo, mas também serviam para preparar o povo de Deus para a dispensação melhor, que seria introduzida quando o Verbo de Deus se fizesse carne.
 
III – A EXPIAÇÃO NO N.T.:
· Após a ressurreição e a ascensão de Jesus, os discípulos sempre afirmaram que a morte de Cristo fora divinamente ordenada como o meio da expiação. Assim, A MORTE DE CRISTO É:

· (A) – EXPIAÇÃO – Expiar o pecado significa levá-lo embora, de modo que ele é afastado do transgressor – Hb 2:17, 9:14, 26, 28; 10:12-14;

· (B) – PROPICIAÇÃO – Propiciar é aplacar a ira de um Deus santo pela oferenda de um sacrifício expiatório. Cristo é descrito como sendo essa propiciação – Rm 3:25; I Jo 2:4; 4:10.

· (C) – SUBSTITUIÇÃO – Os sacrifícios do A.T. eram substitutos por natureza. O altar representava o pecado; a vítima era o substituto do israelita para ser aceita em seu favor. Cristo, sendo O Filho de Deus, pode oferecer um sacrifício de valor eterno e infinito. Havendo assumido a natureza humana, identificou-se com o gênero humano e, assim, sofreu o castigo que era nosso, a fim de que pudéssemos escapar – II Cor 5:21; I Pe 2:24

· (D) – REDENÇÃO – Tanto no A.T. quanto no N. T., a palavra redimir significa tornar a comprar por um preço; livrar da servidão por preço; comprar no mercado; retirar do mercado. O fato da redenção destaca o alto preço da salvação. O Senhor Jesus é um Redentor e Sua obra expiatória é descrita como uma redenção – Mt 20:28; Gl 3:13; 4:5; Tt 2:14; I Pe 1:18; Apc 5:9; 14:3.

· (E) – RECONCILIAÇÃO – Por meio das Escrituras, vemos que é Deus (A PARTE OFENDIDA), quem tomou a iniciativa em prover expiação pelo homem. Ainda que Sua Majestade tenha sido ofendida pelo pecado do homem, Sua santidade, naturalmente, deve reagir contra o pecado. Contudo, Ele não deseja que o pecador pereça – Ez 33:11. Paulo não disse que Deus foi reconciliado com o homem, mas, sim, que Deus fez algo a fim de reconciliar consigo o homem – Rm 5:10; II Cor 5:18-19; Cl 1:21

IV – A EFICÁCIA DA EXPIAÇÃO:
· Vejamos os efeitos que a obra expiatória de Cristo tem para o homem:
 

· (A) – PERDÃO DA TRANSGRESSÃO – Jesus pagou a dívida que nós não podíamos saldar e assegurou a remissão dos pecados – Jo 1:29; 5:24; Ef 1:7; Hb 9:22-28; Apc 1:5.

· (B) – LIVRAMENTO DO PECADO – O crente é liberto não somente da culpa dos pecados, mas também pode ser liberto do poder do pecado. Havendo morrido para a antiga vida de pecado, a pessoa nasce de novo, para uma nova vida: nasce da água (experimentando a purificação) e nasce do Espírito (recebendo a vida divina) – Jo 3:5; Tt 3:5-7.

· (C) – LIBERTAÇÃO DA MORTE – Hb 9:2 – Cristo morreu por nossos pecados, submetendo-se não somente à morte física, mas também à morte que significa a pena do pecado. Isso explica a exclamação: -“DEUS MEU, DEUS MEU, POR QUE ME DESAMPARASTE?”. Essas são palavras de Um que efetuou um ato que implica separação divina; esse ato consumou-se quando Ele levou os nossos pecados – II Cor 5:21.

· (D) – O DOM DA VIDA ETERNA – Rm 6:23; Jo 3:14-16 – Isso significa vida no favor de Deus e comunhão com Ele. Morto em transgressões e pecados, o homem está fora do favor de Deus; pelo sacrifício de Cristo, o pecado é expiado e o homem é restaurado à plena comunhão com Senhor – Rm 6:22; Tt 1:2; Apc 22:4.

· (E) – A VIDA VITORIOSA – Lc 10:17-20; Jo 12:31-32; 14:30; Cl 2:15; Hb 2:14-15; Apc 12:11 – Cristo venceu satanás por nós! Da mesma forma, os crentes tem a vida vitoriosa enquanto tiverem em suas vidas Aquele que venceu o diabo!

V – CONSIDERAÇÕES FINAIS:
· O ato de reconciliação é uma obra consumada e realizada em benefício dos homens. À vista de Deus, o mundo inteiro está reconciliado. Essa, em essência, é a mensagem do Evangelho. Cabe a nós, servos de Deus, que temos O Ministério da Reconciliação, proclamarmos que a morte de Cristo foi uma obra consumada de reconciliação de todo o gênero humano com Deus e efetuada independente de nós, a um custo inestimável - Sl 49:6-8.

FONTES DE CONSULTA:
· Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - Editora Vida - Myer Pearlman
. O Novo Dicionário da Bíblia - Editora Vida
. Levítico Introdução e Comentário - Editora Mundo Cristão - R. K. Harrison
.  BEP - CPAD