Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







18 de jul de 2012

3º TRIMESTRE DE 2012 - LIÇÃO Nº 04 - 22/07/2012 - "SUPERANDO OS TRAUMAS DA VIOLÊNCIA SOCIAL"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 04 - DATA: 22/07/2012
TÍTULO: “SUPERANDO OS TRAUMAS DA VIOLÊNCIA SOCIAL”
TEXTO ÁUREO – Gn 6.11
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Gn 6.5-12
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/


I – INTRODUÇÃO:

• A violência começou com a queda de satanás – Ez 28:15-16. Ela provocou a destruição da primeira civilização humana (Gn 6.11, 13), e ainda prevalece onde se encontram os pecadores (Sl 58.1-3), pois os homens amam a violência (Sl 11.5; 73.6; Pv 13.2) e só ficam satisfeitos quando a praticam (Pv 4.14-17).


II – A CORRUPÇÃO DA RAÇA ANTIDULUVIANA:

• O capítulo 6 do livro de Gênesis retrata uma sociedade decadente, completamente entregue ao pecado, cujas características mais notáveis eram a maldade, a corrupção e a violência.

• (A) – MALDADE – Gn 6.5 – Maldade significa rebelião contra Deus. Deus não apenas sentiu a situação degradante daquela geração, mas VIU o estado daquela sociedade.

• (B) – CORRUPÇÃO – Gn 6.5, 11-12 – Esta corrupção tem o sentido de degeneração. Os valores morais e espirituais sofreram danos, pois o homem os abandonou; preferiu viver dissolutamente – Fp 4.18-19.

• (B.1) - Era uma corrupção universal: - “a terra”

• (B.2) – Era uma corrupção de terríveis consequências espirituais: - “diante da face de Deus”.

• (B.3) – Era uma corrupção que Deus acompanhava passo a passo: – “E viu Deus”

• (B.4) – Era uma corrupção caótica e irrefutável: - “Toda carne havia corrompido o seu caminho”

• (C) – VIOLÊNCIA – Gn 6.13 – No original, essa palavra é muito abrangente. Ela significa que as pessoas se maltratavam mutuamente, eram injustas, cruéis e desenvolviam um clima de crescente opressão – Sl 55.9; Jr 6.7; 20.8; Ez 7.23; 45.9.

• A despeito do desenvolvimento daquela civilização, este não contribuiu para diminuir ou frear o ímpeto da violência. À medida em que melhorava o nível de vida material, aumentava também a vaidade e a ganância. Os princípios da fraternidade e da convivência humanos foram anulados pela corrupção moral e espiritual dos homens.


III – COMPARAÇÃO ENTRE A SOCIEDADE ANTIDILUVIANA E A DE NOSSOS DIAS:

• Jesus afirmou que o mundo, à época da Sua vinda, se assemelharia aos dias de Noé. Vejamos algumas semelhanças:

• (1) – Preocupação com o apetite físico – Lc 17.27

• (2) – Grandes avanços tecnológicos – Gn 4.22

• (3) – Sociedade divorcista – Lc 17.27; Mt 24.38

• (4) – Impiedade sem controle – II Pe 2.5; 3.3; Hb 11.7

• (5) – Rebelião para com a Palavra de Deus – I Pe 3.20

• (6) – Explosão populacional – Gn 6.1

• (7) – Violência generalizada – Gn 6.11-13

• (8) – desmoralização e distorção do matrimônio – Gn 6.2; 4.19

• (9) – Corrupção universal – Gn 6.12


IV - OS PROFETAS DO VELHO TESTAMENTO E AS INJUSTIÇAS SOCIAIS:

• A missão da Igreja é socorrer o homem no seu todo, para que não somente usufrua paz de espírito, mas também conserve no corpo e na mente motivos de alegria e esperança. Os profetas do Antigo Testamento assumiram esse papel com muita diligência e a Igreja deve exercer a mesma missão. Alguns exemplos de denúncia na pregação dos profetas:

• (1) - INJUSTIÇAS NOS TRIBUNAIS (Is 10:1-2) – com suborno (Mq 3:11), absolvição de culpados e condenação dos inocentes (Is 5:23). Porém, Jesus é a justiça dos pobres (Is 11:1-5).

• (2) - COMÉRCIO FRAUDULENTO (Am 8:4-7) – com balanças enganosas (Mq 6:9-11) e lucros abusivos (Os 12:7-8).

• (3) - OPRESSÃO LATIFUNDIÁRIA (Is 5:8) – a violência para o acúmulo de terras (I Rs 21).

• (4) - ROUBO, PENHORAS E JUROS ALTOS (Ez 22:12; Am 2:8; Ez 18:7-8).

• (5) - RIQUEZA E LUXÚRIA (Am 4:1; 6:4-7; Is 3:18-21).

• (6) - INJUSTIÇA NOS SALÁRIOS RETIDOS (Jr 22:13-19; Ml 3:5; Ez 22:7, 29).


V – CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA VIVA:

• Lc 10:25-37 - A Parábola do Bom Samaritano tem um final feliz, porque um samaritano foi usado para nos ensinar o modo correto de praticar nossa missão social.

• (1) - ELA AGE COM MISERICÓRDIA – O samaritano parou, desceu do seu cavalo e socorreu. Não se preocupou em saber se o necessitado era judeu ou não. Apenas o viu como alguém necessitado, ou seja, seu próximo que precisava ser socorrido. Antes de procurarmos ver de quem se trata, nosso amor cristão deve nos impulsionar a ações abençoadoras. A bem da verdade, não faz nenhuma diferença para o coração genuinamente cristão quem é que está precisando de ajuda, quem é o próximo. Por definição cristã, quem está necessitado é meu próximo e deve ser alvo do meu amor. O levantamento de ofertas nas Igrejas da Macedônia, Acaia e Corinto, foi para atender os santos de Jerusalém que estavam empobrecidos (Rm 15:26; II Cor 8:1-4). O objetivo do levantamento das ofertas era claro: IGUALDADE SOCIAL. Por duas vezes o apóstolo cita a expressão PARA QUE HAJA IGUALDADE (II Cor 8:13-15)

• (2) - ELA AGE COM LIBERALIDADE – O samaritano usou seu próprio remédio, colocou o ferido em sua condução, levou-o a um hospital e pagou a despesa. Ele não tirou nenhum folheto do bolso e o pôs na mão do enfermo, deixando-o à própria sorte. Ele tirou remédio, dinheiro e o abençoou. O que estava no interior do samaritano é que o constrangeu a servir o próximo: O AMOR DE DEUS! AÇÃO SOCIAL NÃO É MÉTODO EVANGELÍSTICO, MAS REFLEXO DO AMOR DE DEUS NOS CORAÇÕES DOS CRENTES:

• Leiamos Mc 2:1-11 e analisemos:

• (2.1) - Havia uma situação de empecilho, tantos eram os presentes. Mas eles criaram a situação da bênção – O AMOR PRECISA SER CRIATIVO.

• (2.2) - Os obstáculos não os fizeram desistir, pois tinham um alvo: Abençoar aquele paralítico. Resultado: O homem saiu andando com as próprias pernas – O AMOR PERSEVERA ATÉ O FIM.

• (2.3) - Imaginemos a dificuldade de subir ao telhado com todo aquele peso! Afinal, além deles, havia o homem e sua maca! Mas foram recompensados, pois seu amigo ficou livre do peso da doença e do pecado de uma só vez! - O AMOR IMPLICA EM SACRIFÍCIO; PODE TUDO E SOFRE TUDO!

• (2.4) - Uma fé sincera não escapou aos olhos de Jesus (“Vendo-lhes a fé”). SE TEMOS FÉ, DEUS ESTÁ NOS CONTEMPLANDO NESTA HORA – O AMOR PRESUPÕE.

• (3) - ELA NÃO DEIXA DE AGIR FACE AOS RISCOS – O caminho de Jerusalém para Jericó era muito perigoso, pois havia muitos assaltantes à espreita. Era uma região violenta e não convinha parar no meio da estrada. Quem o fizesse, corria perigo de vida e de ser assaltado. Não era recomendável parar o cavalo e descer naquele lugar. O risco era grande! Mas graças a Deus que há cristãos e Igrejas que estão enfrentando esses riscos. Vão a lugares pouco amistosos, inclusive nas madrugadas, levando roupas, cobertores e remédios, entre outras coisas. Estão empenhados num grande projeto de socorrer o necessitado que vive nessas ruas perigosas. Somente quando a Igreja de Jesus neste país assimilar essa consciência de missão, é que poderemos transformar a história.


VI - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

• Lc 17.26-27 – Jesus declarou profeticamente que o mundo, na ocasião da Sua volta, será semelhante aos dias da geração antediluviana. Valores morais e espirituais sofrerão danos, pois os temporais, efêmeros, dominarão a humanidade. Indiscutivelmente, vivemos estes dias de maldade, violência e corrupção. A Igreja precisa estar alerta para os acontecimentos destes dias e cumprir o seu papel profético, tal como Noé ao proclamar os juízos de Deus.


FONTES DE CONSULTA:

Lições Bíblicas – 3º Trimestre de 1986 – CPAD – Comentarista: Geziel Gomes

Lições Bíblicas – 4º Trimestre de 1995 – CPAD – Comentarista: Elienai Cabral

Cidaco, José Armando S. - Um Grito pela Vida da Igreja - CPAD

Revista Educação Cristã – Vol. IX – Os Ministérios da Igreja – SOCEP – Sociedade Cristã Evangélica de Publicações Ltda