Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







3 de abr de 2010

LIÇÃO Nº 02 - 11/04/2010 - "OS PERIGOS DO DESVIO ESPIRITUAL"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO 02 - DIA 11/04/2010
TÍTULO: “OS PERIGOS DO DESVIO ESPIRITUAL”
TEXTO ÁUREO – Jr 2:13
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Jr 2:1-7, 12-13
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e.mail: geluew@yahoo.com.br
http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/


I - INTRODUÇÃO:

- “APOSTASIA” = RENÚNCIA VOLUNTÁRIA À FÉ; É NEGAR A FÉ E RENUNCIAR A VERDADE TAL COMO SE RECEBEU NO PRINCÍPIO.

- Por exemplo: Jo 6:60-71 - Judas foi eleito apóstolo depois de uma noite inteira de oração; foi escolhido dentre muitos outros. Porém, abriu asas na direção do diabo e se tornou sua presa e possessão. Renunciou à fé e seguiu o caminho da morte, por suicídio.

II – SEM VIGILÂNCIA, A IGREJA É TRAGADA PELA APOSTASIA:

- A IMPORTAÇÃO DO ALTAR DE DAMASCO - II Rs 16:10-18 

- O rei Acaz gostou do Altar da Idolatria que viu em Damasco. Achou-o maior e mais bonito. O Altar de Jerusalém era pequeno, não tão bonito e tão rico quanto o de Damasco.

- O rei entendeu que era tempo e necessário mudar o modelo do Altar de Jerusalém. Mas, cuidar do altar não era assunto da competência do rei. Segundo a Palavra de Deus, o altar era assunto dos Sacerdotes. Do rei, era o trono, a coroa. 

- Quando pessoas como o rei Acaz, sem temor de Deus, sem conhecimento da Bíblia, porém, importantes, com muito dinheiro, com poder político, com prestigio social, começam a intervir em assuntos doutrinários, exigindo mudanças para importar o Culto de Damasco, a apostasia  (negação da fé e renúncia à verdade tal como se recebeu no princípio) acontece, culminando com a Secularização da Igreja. Da firmeza do Obreiro, dependerá a mudança, ou não, do altar. Copiar o Altar da Idolatria é uma “questão louca e sem instrução” - II Tm 2:15, 23.

-  Reparemos como sacerdote Urias era apóstata ou seja, estava negando a fé e renunciando à verdade tal como havia recebido no princípio: Deus já havia dito a Moisés:


- "Conforme tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis" - Ex 25:9 

- "Atenta, pois, que o faças conforme o seu modelo, que te foi mostrado no monte" - Ex 25:40

- O sacerdote Urias estava a serviço do rei Uzias. Sendo sacerdote, tinha obrigação de conhecer A Palavra de Deus e ele conhecia! Sabia que o Altar de Jerusalém fora feito conforme o modelo mostrado por Deus a Moisés, lá no Monte. Esta Palavra não tinha sido mudada!

- Não é o tamanho do Altar, não é sua beleza, não é o seu valor que impressionam a Deus. O que Deus quer é que a adoração, o sacrifício ou o culto sejam feitos na obediência à Sua Palavra. O Altar de Jerusalém podia ser menor, menos bonito, menos rico que o de Damasco, mas estava de acordo com a vontade e a Palavra de Deus. O sacerdote Urias nunca devia ter aceitado as ordens do rei Uzias. Altar é função do sacerdote, não do rei! Porém, o sacerdote Urias mostrou-se fraco, um homem interesseiro, um sacerdote à serviço do rei Acaz (II Rs 16:11-12).

- II Rs 16:15-16 - Dois altares: um para o povo e outro para o rei! - Esta foi mais uma ordem que o rei deu ao sacerdote: ele obedeceu e cumpriu!! Apostatou: negou a fé e renunciou à verdade tal como se recebeu no princípio! Urias, um sacerdote muito obediente ao rei Acaz!! Urias, um sacerdote muito desobediente à Palavra de Deus!!!

- O Altar de Damasco = Apostasia e Secularização da Igreja - O que o rei Acaz queria parecia nobre, coisa de um homem de Deus. Ele encontrou em Damasco um Altar maior, mais bonito e desejou um igual na Casa de Deus, em Jerusalém. O Altar que lá havia era menor, com menos aparência. O desejo dele de mandar fazer um igual não seria o de fazer o melhor para Deus? Contudo, esta é uma prática que o inimigo tem usado hoje, causando apostasia e secularizando a Igreja (II Tm 3:5). 

- Ainda há apostasia e secularização na Igreja quando seus sacerdotes agem como agiu o sacerdote Urias. Ele foi medroso, talvez subserviente por visar seus interesses pessoais e materiais. Esqueceu-se que foi chamado para ser Sacerdote de Deus, e tornou-se sacerdote do rei Acaz. O rei deu ordens para mudar o altar e ele mudou. Mas ele sabia que aquela mudança contrariava A Palavra de Deus. Quando o homem de Deus se curva diante das imposições de “poderosos” (crentes ou não), as portas da Igreja são abertas para a apostasia, acontecendo, daí, a secularização.

- A Igreja é apóstata e se torna secularizada quando falta autoridade espiritual aos homens de Deus. O sacerdote Urias não teve autoridade para impedir que o rei Acaz oferecesse sacrifícios, pois isto era proibido aos reis. O sacerdote nada fez para impedir que o Culto a Deus fosse profanado, ou porque teve medo do rei, ou porque não queria perder as mordomias do Palácio que devia desfrutar.


-  Meditemos em um belo exemplo a ser seguido: I Rs 18:26-32:

O profeta Elias teve uma grande oportunidade de mudar o Altar do Senhor, mas não o fez! Os profetas de Baal saltaram sobre o altar, destruindo-o; não houve resposta de Baal aos clamores dos seus profetas. 

- Porém, quando chegou a vez do homem de Deus, ele não inovou em nada: 

- (1) - não fez um altar de ouro, ou de prata, ou de cobre, ou de diamantes, que seria mais bonito... mais belo... enfim, seria o melhor para Deus; 

- (2) - também não fez um altar com mil pedras, ou treze pedras, ou dez pedras. Ou seja, nem maior e nem menor;

- (3) - tampouco fez um altar de tijolos, o que irritaria Deus - "... POVO QUE DE CONTÍNUO ME IRRITA ABERTAMENTE... QUEIMANDO INCENSO SOBRE ALTARES DE TIJOLOS" - Is 65:3

- Elias conhecia as Leis do Senhor e, apenas, seguiu-as e as cumpriu: "... REPAROU O ALTAR DO SENHOR, QUE ESTAVA QUEBRADO... TOMOU DOZE PEDRAS, CONFORME O NÚMERO DAS TRIBOS DOS FILHOS DE JACÓ, AO QUAL VEIO A PALAVRA DO SENHOR... E COM AQUELAS PEDRAS EDIFICOU O ALTAR EM NOME DO SENHOR..." - I Rs 18:26, 30-32.  

- Elias conhecia as leis concernentes à edificação de altar, quais sejam:


- (A) - Devia ser feito de terra ou pedras não lavradas - Ex 20:24-25; Dt 27:1-6;


- (B) - Não podia ter degraus, para que não aparecesse a nudez do ofertante - Ex 20:26; 


- (C) - Às vezes, podiam ser utilizadas rochas naturais - Jz 6:19-21; 13:19-20; e


- (D) - Às vezes, podia ser construído de uma só grande pedra - I Sm 14:33-35.

- Elias conhecia e cumpria a Palavra do Deus Vivo e Verdadeiro! ELE NÃO RENUNCIOU A VERDADE TAL COMO SE RECEBEU NO PRINCÍPIO; ELIAS NÃO APOSTATOU.



-  De igual modo, não queiramos inventar ou inovar na obra de Deus; simplesmente, aprendamos, guardemos e cumpramos a Palavra do Senhor!

III - DESCRIÇÃO DOS LÍDERES APÓSTATAS:

- Jd 3-19 – O tom da carta de Judas é polêmico, pois ele repreende os falsos mestres apóstatas que enganam crentes instáveis e corrompem a mesa do Senhor.

- Judas estava preocupado com o fato de os cristãos poderem afastar-se da verdade por causa dos mestres enganadores de falsas doutrinas, ou seja, aqueles que, embora tendo negado a fé, ficaram ainda como membros da Igreja - Jd 4.

- Neste livro, encontramos as CARACTERÍSTICAS DOS APÓSTATAS:

- (1) Tem a carne contaminada (prostituição) - Jd 7

- (2) Rejeitam a dominação (não aceitam governo na Igreja) - Jd 8

- (3) Não tem temor (pecam voluntariamente) - Jd 10

- (4) Tipificam três personagens perigosos:

- (4.1) Caim (homicida – I Jo 3:15);

- (4.2) Balaão (o que põe tropeços para os filhos de Deus, ensinando a prostituição); e

- (4.3) Coré (o que se rebela contra a liderança colocada por Deus) - Jd 11

- (5) Não gostam de Pastor; apascentam-se a si mesmos; são nuvens sem águas (espiritualmente artificiais); são árvores murchas (não dão frutos) - Jd 12;

- (6) São ondas bravias do mar, que espumam suas próprias sujidades; estrelas errantes - Jd 13

- (7) São murmuradores; descontentes; andam segundo as suas paixões; suas bocas vivem propalando grandes arrogâncias e são oduladores dos outros, por motivos interesseiros - Jd 16

IV – PASSOS QUE LEVAM À APOSTASIA:

- O crente, por sua falta de fé, deixa de levar plenamente a sério as verdades, exortações, advertências, promessas e ensinos da Palavra de Deus (Mc 1:15; Lc 8:13; Jo 5:44, 47; 8:46)

- Quando as realidades do mundo chegam a ser maiores do que as do reino celestial, o crente deixa paulatinamente de aproximar-se do Senhor através de Cristo (Hb 4:16; 7:19, 25; 11:6)

- Por causa da aparência enganosa do pecado, a pessoa se torna cada vez mais tolerante: não ama a retidão, nem odeia a iniquidade (I Cor 6:9-10; Ef 5:5; Hb 1:9; 3:13)

- Por causa da dureza do seu coração e da sua rejeição dos caminhos de Deus, o servo do Senhor não faz caso da repetida voz e repreensão do Espírito Santo. Como resultado, entristece-O, extingue o Seu fogo e profana o Seu templo (Hb 3:8, 10, 13; Ef 4:30 I Ts 5:19-22; Hb 3:7-11; I Cor 3:16)

- Finalmente, o Espírito Santo se afasta daquele que antes era um servo de Deus (Jz 16:20; Sl 51:11; Rm 8:13; I Cor 3:16-17; Hb 3:14)

V - EXORTAÇÕES EM VISTA DA APOSTASIA FUTURA:

- (1) Devemos evitar os falsos mestres apóstatas, porque:

- (1.1) Já surgiu uma vã profissão de religião, combinando a completa falta de poder com um nível baixo de moralidade (II Tm 3:1-5)

- (1.2) Os ministros desta religião caracterizam-se por sua falta de princípios e oposição à verdade (II Tm 3:6-9)

- (2) Devemos permanecer fiéis às nossas convicções, recordando-nos:

- (2.1) Da lição de que o sofrimento faz parte da vida do cristão neste mundo (II Tm 3:11-13)

- (2.2) Das lições aprendidas da vida santa de um servo de Deus (II Tm 3:10, 14)

- (2.3) Das lições que aprendemos das Santas Escrituras (II Tm 3:16-17)

- (3) Devemos cumprir inteiramente o nosso dever de evangelizar, pregando a Palavra com infatigável paciência, adaptando o seu ensino a qualquer capacidade, pregando, exortando e reprovando, pareçam as oportunidades favoráveis ou não (II Tm 4:1-2). E isso devemos fazer por dois motivos:

- (3.1) O povo tem-se tornado impaciente a respeito da doutrina sã e a tem rejeitado (II Tm 4:3-4)

- (3.2) O nosso ministério se findará. Logo, devemos confiar em que outro continuará a obra do Senhor tanto quanto possível (II Tm 4:5-6)

VI – CONSIDERAÇÕES FINAIS:

- Se a apostasia continuar sem freio, o indivíduo chegará, finalmente, ao ponto em que não seja possível um recomeço, não havendo mais possibilidade de arrependimento e de salvação (Hb 6:3-6; 10:26; Dt 29:18-21; I Sm 2:25; Pv 29:1)

- Desta forma, a única salvaguarda contra o perigo da apostasia extrema está nas admoestações do Espírito Santo: Hb 3:7-8, 15.



FONTES DE CONSULTA:


1) A Bíblia Responde - Escola Bíblica do Ar - Pastor David Gomes

2) Através da Bíblia Livro Por Livro - Editora Vida - Myer Pearlman

3) Sintetizando a Bíblia - CPAD - José Apolônio da Silva

4) A Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD

5) O Futuro Glorioso do Planeta Terra – Editora Betânia – Arthur E. Bloomfield

6) Estudo Bíblico: “A Secularização da Igreja” – Professor Antônio Sebastião da Silva

7) Estudo Bíblico: “A Secularização da Igreja” – Prof. Dr. Caramuru Afonso Francisco