Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







22 de nov de 2010

4º TRIMESTRE - LIÇÃO Nº 09 - 28/11/2010 - "A ORAÇÃO E A VONTADE DE DEUS"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 09 - DATA: 28/11/2010
TÍTULO: “A ORAÇÃO E A VONTADE DE DEUS”
TEXTO ÁUREO – Jo 15:7
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Jo 14:13-17; 15:7; I Jo 5:14-15
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/



I – INTRODUÇÃO:

• Em geral...

• Ficamos felizes quando Deus, imediatamente, responde “SIM”;

• Ficamos muito aborrecidos, quando Ele responde: “NÃO”; e

• Ficamos precipitados, ansiosos, impacientes e duvidamos da ação Dele em nossas vidas, durante o tempo em que Ele determina: “ESPERE”!


 • PORÉM, UM HOMEM QUEBRANTADO E SUBMISSO EM SUA PRÓPRIA VONTADE, SE TORNARÁ UM FORTE COM DEUS!


II – AS RESPOSTAS ÀS ORAÇÕES SÃO CONDICIONAIS:

• (A) - Jo 14:13-14 – “E TUDO QUANTO PEDIRDES EM MEU NOME EU O FAREI, para que o Pai seja glorificado no Filho. SE PEDIRDES ALGUMA COISA EM MEU NOME, EU O FAREI".

• A resposta à oração é prometida aos que crêem em Jesus;

• Nesta passagem, pedir em nome de Jesus é pedir qualquer coisa que temos a certeza de ser do agrado dEle; Jesus diz para os Seus discípulos que o Pai lhes dará qualquer coisa que pedirem em Seu nome, “a fim de que o Pai seja glorificado no Filho”.


• (B) - Jo 15:3, 7 – “Vós já estais limpos, pela PALAVRA que vos tenho falado... se vós estiverdes em mim, e as minhas PALAVRAS estiverem em vós, PEDIREIS TUDO O QUE QUISERDES, E VOS SERÁ FEITO”.

• A expressão “PALAVRA”, (no singular - v. 3), é “LOGOS” = O ENSINO DE JESUS COMO UM TODO.

• Já a expressão “PALAVRAS” (no plural - v. 7), é “RHEMATA” = OS PRONUNCIAMENTOS INDIVIDUAIS QUE COMPÕEM O ENSINO DE JESUS.

• Desta forma, a mesma promessa de Jo 14:13-14 é feita aqui, só que agora aos que permanecem nEle e em cujo coração as Suas "PALAVRAS", isto é, “OS PRONUNCIAMENTOS INDIVIDUAIS QUE COMPÕEM O ENSINO DE JESUS", têm residência permanente.


• (C) - Jo 15:16 – “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça; A FIM DE QUE TUDO QUANTO EM MEU NOME PEDIRDES AO PAI ELE VO-LO CONCEDA”.

• Novamente é feita a promessa da oração respondida ao discípulo que permanece unido a Jesus, assim como o ramo frutífero está ligado à videira. Este discípulo pode usar o nome eficaz de Jesus com confiança na presença do Pai. Jesus vive na vida de Seus discípulos e ora com seus corações e através dos seus lábios.


• (D) - Jo 16:23-24 – “E naquele dia nada me perguntareis. Na verdade, na verdade vos digo que TUDO QUANTO PEDIRDES AO MEU PAI, EM MEU NOME, ELE VO-LO HÁ DE DAR. Até agora nada pedistes em meu nome; PEDI, E RECEBEREIS, PARA QUE O VOSSO GOZO SE CUMPRA”.

• “Naquele dia” - isto é, quando Jesus tivesse voltado da morte e os Seus discípulos tivessem a certeza de que Ele estava morando neles, através do Espírito – não pediriam nada; fariam os pedidos diretamente ao Pai, em nome de Jesus, e receberiam o que pedissem.


Resumindo: POR MAIS GERAIS E INCONDICIONAIS QUE PAREÇAM SER ESSAS PROMESSAS BÍBLICAS, O FATO É QUE ELAS NÃO DEIXAM DE TER SUAS CONDIÇÕES. 

A respeito disso, podemos apresentar:

• (1) – A RESPOSTA A UMA ORAÇÃO DEPENDE DO CARÁTER DE DEUS – Ele jamais haverá de negar a Sua própria natureza, a Sua santidade, a Sua bondade, a Sua vontade, a fim de responder às orações de uma criatura que não tem conhecimento adequado da verdadeira natureza de Deus. Estes versículos, portanto, subtendem que a resposta às nossas orações serve de um agente que redunda na glória de Deus. O Senhor, sob hipótese alguma, responderá àquela modalidade de oração que é contrária à Sua glória; e isso pelo motivo muito simples: qualquer coisa que seja contrária à glória de Deus na realidade é defeituosa quanto à Sua bondade intrínseca, ou é mesmo positivamente má, ou pelo menos, na realidade, é destituída de qualquer autêntico valor espiritual.


• (2) - A ORAÇÃO TAMBÉM DEVE SER FEITA EM NOME DE JESUS - Essa verdade pode ser desdobrada nos seguintes subpontos:

• (2.1) - Isso não significa que às nossas orações precisemos meramente acrescentar o nome de Cristo, como parte de uma fórmula litúrgica.

• (2.2) - Mas significa que nossas orações devem ser levantadas, antes de tudo, por pertencermos a Cristo, por havermos recebido o Seu nome, por estarmos identificados com Ele, por sermos, finalmente, discípulos Seus, que gozam de uma relação integral com Ele.

• (2.3) - Além disso, essa expressão, “em nome de Jesus”, quer dizer que aquilo que solicitamos do Pai está de acordo com os Seus desígnios e propósitos, promovendo a Sua glória, direta ou indiretamente, ou mesmo o avanço espiritual do crente que ora, a fim de que esse crente se torne mais semelhante ao Seu Senhor e Mestre.

• (2.4) – “Em nome de Jesus” é expressão que, provavelmente, também se aplica àquelas orações que resultam dos impulsos do Seu Espírito Santo, o qual é outorgado aos remidos com o fito de orientá-los em sua caminhada de volta ao Senhor. Somente aqueles que estão verdadeiramente imersos no Espírito de Cristo é que sentirão a inclinação de orar por aquelas coisas que realmente são espiritualmente benéficas, para eles mesmos ou para os seus semelhantes, contribuindo para o progresso da causa de Jesus Cristo neste mundo. Essas são as orações que Deus responde incondicionalmente.

• (2.5) - Essa expressão, “em nome de Jesus”, também deve forçosamente incluir a ideia que tais orações são oferecidas na confiança que temos na pessoa de Cristo.

• (2.6) - De modo geral, por conseguinte, a ideia de orarmos em nome de Jesus envolve o conceito inteiro de nossa comunhão ou intimidade espiritual com Ele, quando há uma participação que gradualmente se vai tornando mais profunda em sua própria natureza moral e metafísica, e, por conseguinte, quando tal crente está interessado exclusivamente na glória de Deus, em Sua obra e propósitos, em Seus planos e desígnios, porque, mui naturalmente, confia nEle.


• (3) – UMA NATUREZA EGOÍSTA JAMAIS SERÁ INCONDICIONALMENTE RESPONDIDA – Isto porque, se um homem faz um rogo egoístico, não precisa esperar qualquer coisa da parte de Deus – Tg 4:3.


• (4) - A MELHOR RESPOSTA PARA ALGUMAS ORAÇÕES É “NÃO” – Há homens espiritualmente débeis que não sabem do que realmente necessitam, e nem o que devem fazer.


• (5) – CADA INDIVÍDUO TEM UM DESTINO A CUMPRIR, AGORA E POR TODA A ETERNIDADE - A oração deve cooperar com esse caráter sem-par do homem, operando em seu favor o que é melhor para ele, para que possa cumprir sua missão. Jovens solteiros, talvez possam melhor cumprir suas missões nesse estado. Eles oram, pedindo um cônjuge, mas seus destinos não concordam com isso. Um homem ora, pedindo dinheiro e poder, mas, talvez, viesse a abusar do privilégio. Sua missão, talvez, requeira que ele lute pela sua sobrevivência material – Apc 2:17.


• (6) – OS SOFRIMENTOS PODEM TORNAR-SE NECESSÁRIOS PARA O DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL - Seria um obstáculo, pois, estar insento de sofrimento, pelo que a oração pedindo sua remoção não será ouvida em tal caso.


•  Talvez, o mais profundo e poderoso momento na vida de oração de Jesus tenha aconecido no Monte das Oliveiras. Aproximava-se a hora de Jesus encarar a morte. Ele sabia que teria de suportar os pecados das pessoas de todas as gerações. Sob estas circunstâncias, Jesus orou: "Meu Pai, SE POSSÍVEL, passa de mim este cálice, todavia, NÃO SEJA COMO EU QUERO, MAS COMO TU QUERES" - Mt 26:39


• Desta forma, a oração pode realizar quatro importantes tarefas no sofrimento:


• (A) - Nos livra daquilo que nos faz sofrer. Deus, a Seu tempo, proporcionará uma grande vitória em nossas vidas. Ficamos livres de nosso sofrimento pelo poder de Deus, obtido na oração.


•  (B) - A oração derrama a graça de Deus sobre nós em nosso sofrimento. Aquela graça que nos capacita a suportar o sofrimento.


•   (C) - A oração nos entrega nas mãos do conforto de Deus - Mt 5:4


•  (D) - Quando sofremos, a oração derrama o caráter de Deus sobre as nossas vidas. 


• (7) – HÁ O ELEMENTO TEMPO - A vontade de Deus atua seguindo um cronograma. Podemos ir mais ligeiros que Deus. Uma oração que poderia ser ouvida amanhã não será atendida hoje.


• (8) – UM ELEVADO DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL TEM DE ACOMPANHAR UM PODEROSA VIDA DE ORAÇÃO - Contudo, a oração, por si mesma, em qualquer estágio do desenvolvimento espiritual, ajuda a desenvolver espiritualmente ao crente, e muitas orações, mesmo aquelas feitas pelos espiritualmente fracos, são miraculosamente respondidas.


III - CONSIDERAÇÕES FINAIS:

• Referindo-se às grandiosas promessas contidas nos versículos analisados, esses são os tipos de passagens bíblicas ante as quais tropeçam muitas pessoas, posto que as promessas são grandes, vastas, enfáticas e ilimitadas.

• Quando passamos nossas experiencias, os resultados reais parecem escassos, desapontadores e, de maneira alguma, parecem estar à altura do que se esperava. Vejamos:

• Foi-nos recomendado...:

• (1) – “Pedi e recebereis” - De fato pedimos, mas, muitas vezes, ficamos de mãos vazias;

• (2) – “Buscai e encontrareis” - E realmente, fazemos nossos apelos para Deus, mas, às vezes, resulta em nada.

• Assim, usualmente, os primeiros problemas religiosos e as primeiras perplexidades que irrompem na mente cristã, surgem nesse ponto, ou nas suas cercanias. Por isso, só a confiança em Deus é capaz de comunicar paz à alma e transformar as incertezas de hoje em segurança futura - Jr 17:7; Sl 34:6-9; 118:8-9; Pv 16:20.


•  A verdadeira oração é submissão à vontade de Deus. Uma pessoa não pode verdadeiramente adentrar à câmara secreta da oração com reservas de sua própria vontade. O verdadeiro homem ou mulher de oração adentrará àquela câmara com as palavras de Jesus: "... TODAVIA, NÃO SEJA COMO EU QUERO, MAS COMO TU QUERES".


• Amém.


FONTES DE CONSULTA:

• Champlin, R. N. – O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo – Editora Candeia

• Bruce, F. F. – João, Introdução e Comentário – Editora Mundo Cristão

• Boyer, Orlando – A Espada Cortante Vol. 2 – CPAD

• McNair, S. E. – A Bíblia Explicada - CPAD

•  Tippit, Sammy - O Fator Oração - JUERP



Um comentário:

Xavier Campos Joaquim disse...

UM rico texto pr Geraldo
que Deus rica e poderosamente
te abençoe,.
Em Cristo
XCJ