Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







22 de out de 2012

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 04 - DATA: 28/10/2012
TÍTULO: “AMÓS - A JUSTIÇA SOCIAL COMO PARTE DA ADORAÇÃO”
TEXTO ÁUREO – Mt 5.20
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Am 1.1; 2.6-8; 5.21-23
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO

e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/




I – INTRODUÇÃO:
Pastor e podador de sicômoros (figueiras), a vida profissional de Amós (terceiro dos profetas menores), se revela em seu estilo, cheio de imagens retiradas da natureza e da vida campestre. 

Consciente da corrupção interna do reino de Jeroboão II, e de que a moralidade social é um fator determinante da vida de um povo, repreende as classes ricas, que exploram os trabalhadores. Em consequencia desses pecados para proveito próprio, muitos castigos sobrevirão. 

O penúltimo capítulo do livro relata as visões de pragas de gafanhotos, seca, fome e luto; no último, vêm as perspectivas de recuperação e de fecundidade paradisíaca, em que as cidades serão restauradas.

II – PEQUENO ESBOÇO DO LIVRO DE AMÓS:

Capítulo 1:

Juízos contra os sírios, filisteus, tírios (da cidade de Tiro), idumeus (descendentes de Edom) e amonitas (moradores da terra de Amom, ocupada pelos descendentes de Bem-Ami, filho de Ló) – Am 1.5, 8, 9, 11 e 13.

Capítulo 2:

Juízos contra Moabe e Judá – Am 2.1-5.
A ingratidão e ruína de Israel – Am 2.6-16

Capítulo 3:

Juízos contra Israel – Am 3.1-8.
Israel parecido com outras nações – Am 3.9-15.

Capítulo 4:

Israel é reprovado – Am 4.1-5.
A demonstração da impenitência de Israel – Am 4.6-13.

Capítulo 5:

Israel é chamado a buscar ao Senhor – Am 5.1-6.
Fervorosas exortações ao arrependimento – Am 5.7-17.
Ameaças acerca da idolatria – Am 5.18-27.

Capítulo 6:

O perigo do luxo e da falsa segurança – Am 6.1-7.
Castigos por causa de pecados – Am 6.8-14.

Capítulo 7:

Visões dos juízos prestes a sobrevir a Israel – Am 7.1-9.
Amazias ameaça o profeta Amós – Am 7.10-17.

Capítulo 8:

A aproximação da ruína de Israel – Am 8.1-3.
A opressão é reprovada – Am 8.4-10.
A fome da Palavra de Deus – Am 8.11-14.

Capítulo 9:

A ruína de Israel – Am 9.1-10.
A restauração dos judeus e a bênção do Evangelho – Am 9.11-15.

III - POR QUE LER ESSE LIVRO?:
Porque apresenta a perspectiva de Deus sobre algumas questões sociais transitórias. Examina com forte crítica a injustiça e faz um apelo à retidão. Amós conta como Deus se sente quando os ricos e poderosos exploram pobres e indefesos. Quer estejamos bem de vida, quer estejamos lutando para pagar nossas contas, veremos que essas palavras mexerão conosco.

IV - QUEM ESCREVEU O LIVRO E QUANDO FOI ESCRITO?:
Autor: Amós, que significa “Carregado” ou “Carregador de Fardos”. 

Amós o escreveu cerca de 760 e 750 ou 760-755 a.C., momento de crescimento e de prosperidade econômica. Ele era um pastor de Judá sem credenciais ministeriais conhecidas, a não ser o fato de que tinha uma palavra da parte de Deus.

V - O QUE ACONTECIA NA ÉPOCA?:
a liderança de Jeroboão II e suas conquistas militares tinham ajudado Israel a prosperar. Mas, embora aparentemente tudo estivesse bem, a fibra moral da nação estava se desintegrando.

VI - PARA QUEM FOI ESCRITO E POR QUÊ?:
Essa mensagem destinava-se ao povo de Israel, o Reino do Norte. Amós, proveniente do Reino do Sul, criticou o materialismo e baixo nível moral de Israel, que tinha absorvido dos seus vizinhos pagãos. Muitos estavam explorando os pobres. Amós escreveu para lembrá-los de que Deus se interessa de modo especial pelos desvalidos. Essa profecia foi o último apelo da parte de Deus a Israel, advertindo os israelitas de que se arrependessem, antes que fosse tarde demais.

VII - O QUE SE DEVE BUSCAR EM AMÓS:
Com uma linguagem poética contundente, Amós fala com veemência a respeito de quanto Deus se preocupa com os pobres. Conclama o povo para que retorne à retidão e à justiça, voltando-se para o Senhor. Procuremos observar a correspondência que há entre os dias de Amós e os nossos. Quando ele fala dos pobres, pensemos naqueles que não têm lar, nas minorias raciais, nas mães solteiras, nos idosos e em outras pessoas muitas vezes exploradas.

VIII – PONTOS QUE SINTETIZAM O LIVRO DE AMÓS:
Em nome de Deus, Amós condena os pecados espirituais, morais e sociais do povo, fazendo com que três pontos centrais sintetizem suas palavras: 

(1) - GRANDE PRIVILÉGIO, GRANDE RESPONSABILIDADE: - Quanto mais perto de Deus nos encontramos, mais próximos do juízo e mais certos do julgamento estaremos. Por causa do privilégio de sermos salvos, mais será exigido daqueles que mais receberam; quanto maior a luz, maior o risco. A desculpa de que a Igreja e o cristão não devem se envolver com questões sociais e deve apenas procurar a salvação de almas, não ficará impune e não isentará do julgamento e da disciplina do Senhor (Am 2:9-11; 3:1-2 cf Lc 12:48; Jo 15:22). 

(2) - ATUALIZAÇÃO DOS COMPROMISSOS MORAIS, SOCIAIS E ESPIRITUAIS: - Aqueles que se omitem em seus compromissos morais, sociais e espirituais, vivem das lembranças do passado, lembrando-se de como Deus os escolheu, caminhou com eles e esteve sempre ao lado deles; ou seja, contentam-se com um testemunho da história passada. Mas Deus, no livro de Amós, mostra-nos a necessidade de atualização desses compromissos (Am 5:6, 14-15, 24). Assim, extremos são perigosos. Não se pode viver apenas do passado e não se pode pensar apenas no futuro. 

(3) - A INUTILIDADE DO FORMALISMO RELIGIOSO: - A adoração a Deus apenas de lábios é uma ofensa ao Senhor. Cerimônias e ritos religiosos não podem substituir a justiça moral, social e espiritual na vida diária (Am 2:6-8; 7:7; 8:10 cf Tg 5:1-6). Para o cristão que deseja viver com autenticidade a sua comunhão com Deus, é imprescindível que os atos de culto e adoração estejam associados aos princípios da justiça social (Am 5:24).

IX - CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Em nosso mundo do século XXI, em que opera ainda a maldição proferida na hora da queda do homem, há uma abundância adequada para todos os sete bilhões que habitam no planeta. A cobiça (esta praga humana que exige lucros cada vez maiores), faz com que a metade da humanidade tenha fome, enquanto a outra metade viva fartamente, jogando fora milhares de toneladas de comida cada dia. Mas não será sempre assim. Um dia ("naquele dia"), quando Cristo tomar conta do mundo, quando houver novos céus e nova terra, cumprir-se-á o último sonho do heróico compeão do Senhor, Amós, de Tecoa no sertão.


FONTES DE CONSULTA:

Revista Educação Cristã – Volume III – SOCEP – Sociedade Cristã Evangélica de Publicações Ltda

Gilberto, Antônio – A Bíblia Através dos Séculos – CPAD

Bíblia de Estudo Vida

A Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD

A Mensagem dos Profetas Menores – ABU – Dionísio Pape

2 comentários:

Anônimo disse...

QUE O SENHOR DEUS ABENÇO E AO PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO PELOS ESTUDOS POSTADO, MEUS PARABENS POIS SÃO BEM EXPLICADOS .

GERALDO CARNEIRO FILHO disse...

Prezado "Anônimo". A Paz do Senhor.

Muito obrigado pelo seu comentário, o que muito nos incentiva a prosseguirmos com este trabalho de divulgação da palavra do Senhor.

Que o nosso Deus também continue abençoando ricamente a sua vida, em nome de Jesus.

Permaneçamos na paz do Senhor.

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO